quarta-feira, 30 de novembro de 2016

O desvio das penosas


Era sempre na noite de hoje, 30 de novembro, a anteceder o dia 1º de dezembro, que se organizavam as nossas ceias, em Vila Real, nos tempos do liceu.

Os estudantes dividiam-se pelos variados repastos em que se evocava a data, numas festividades que tinham escassas referências à Restauração e, aqui entre nós, tinham tudo de lúdico e muito pouco de patriótico, salvo a cantoria do "Portugueses celebremos / o dia da Restauração...", noutro ponto do programa. Como nunca tive capa-e-batina e o meu comodismo sempre me afastou de comemorações matinais, devo ter perdido sempre a agenda nacional exaltante.

As ceias eram precedidas, dias antes, pela organização do Regadinho (um cortejo com cartazes de crítica social local, sob canto do "Água leva o regadinho...") e tinham lugar na véspera do Sarau académico no Cine-Teatro Avenida, espetáculo de "variedades" para o qual escrevi alguns textos divertidos.

As refeições tinham lugar, em geral, pelas inúmeras tascas da cidade e, invariavelmente, nelas era servida galinha ou frango. A origem "certificada" das aves variava, isto é, tanto podiam ser fornecidas pela própria casa que organizava a refeição como, com bastante mais "cachet", chegavam nas vésperas, de forma discreta, entregues por alguns dos convivas.

A verdade é que a "recolha" desse material - das "penosas" - havia sido feita em expedições noturnas, fruto de assaltos a galinheiros em quintais previamente selecionados, quase sempre na vizinhança conhecida das nossas próprias casas. Não era muito recomendável o cheiro com que se saía dessas aventuras com escassa luz, levadas a cabo na chafurdice dos galinheiros...

Mas o resultado dessas operações especiais, que às vezes provocavam depois sobrolhos carregados nos propretários desapossados das "penosas", desconfiados da juventude que lhe era vizinha, dava um outro "sabor" às ceias. Ainda me recordo de um amigo elogiar a qualidade da carne de uma galinha, que havia sido "desviada", na véspera, sem ele o saber, no quintal dos respetivos pais...

Uma nota final: as ceias acabavam, muitas vezes, com excessos etílicos e recordo bem que foi numa delas que "apanhei" o meu primeiro grande "pifo".

A nossa ceia deste ano (a segunda a que consigo ir, desde que deixei o liceu, há mais de 40 anos), agora dos antigos alunos do liceu, vai ter lugar apenas no dia 2 de dezembro, como forma de poder reunir gente vinda de todo o país. Não espero nela vir a ter galinha no menu, agora que todos já nos convertemos ao vulgar "template" gastronómico de um restaurante de periferia, onde a "bacalhauzada" ou a posta (a fingir de mirandesa) devem ser a ordem do dia.

Por lá irei encontrar, sob a grisalha marca de cabelos escassos, alguns companheiros (agora com as mulheres, porque elas, de há muito, passaram a ir também às ceias) dessas antigas aventuras. Vai ter graça relembrar os "desvios" das "penosas" de outros tempos.  sob a grisalha marca de cabelos escassos, alguns companheiros (agora com as mulheres, porque elas, de há muito, passaram a ir também às ceias) dessas antigas aventuras. Vai ter graça relembrar os "desvios" das "penosas" de outros tempos.    

2 comentários:

Anónimo disse...

Oh penosa realidade que me leva nao ao passado mas ao presente...Na minha rua nao ha penosas mas raposinhas matreiras, urbanas que coabitam em boa harmonia com os habitantes.Encontro-as ao lusco fusco, ao virar da esquina. Atravessam a rua com a calma de quem nao pressente arma de cacador, franco atirador ou quejando. Galinhas nao ha mas talvez uns "chicken nuggets",ou restos de comida deixada no fundo dos quintais por vizinhos amaveis. Um dos locais favoritos das ditas rapozinhas e a igreja local (Churh of England) onde ha festas no fim de semana, convivios, sei la... Sempre gostei de raposas desde a minha infancia numa quinta e da magia do "Romance da Raposa" de Aquilino Ribeiro. Altura de reler/revisitar o dito. Ficarei desapontada? "So Deus o pode saber..."

Bom apetite.

F. Crabtree

Portugalredecouvertes disse...


Assim depois iam acusar as coitadas das zorras !