sexta-feira, 10 de julho de 2015

"Tenho de falar à Leah!"


“Tenho de falar à Leah!”. A frase de Maria Barroso ecoou de forma estranha, naquela sala da “guest house” que a Autoridade Palestiniana colocara à disposição do casal presidencial português, na noite de 4 de outubro de 1995. Quer Mário Soares quer eu próprio fomos surpreendidos pelo insólito daquele propósito. A quarta pessoa presente estava, desde há minutos, sem expressão, como que em estado de choque. Era Yasser Arafat.
“Ó Maria de Jesus! Como é quer tu vais ligar agora à Leah?!”. Leah Rabin era a mulher de Yitzhak Rabin. Mais precisamente, a viúva. O primeiro-ministro israelita, em cuja residência, em Jerusalém, não muitas horas antes, tínhamos almoçado, acabara de ser assassinado a tiro num comício em Tel-Aviv.
Mário Soares estava na sua última visita oficial ao estrangeiro, como presidente da República, no termo do seu segundo mandato. Eu era, desde há cerca de uma semana, secretário de Estado do novo governo português e substituía, na viagem, o ministro dos Negócios estrangeiros, Jaime Gama. Depois de três dias em Israel, visitávamos oficialmente Gaza. A amizade antiga de Soares com Rabin e Arafat, que ungia a esperança de um acordo de paz que, à época, pareceu possível, era o cenário de fundo daquela dupla visita, muito prestigiante para um país “honest broker” no processo, como Portugal era então visto.
“O que é que o governo aconselha que se faça? Suspendemos a visita?”. A pergunta de Mário Soares era-me dirigida. Eu era “o governo”! Não havia telemóveis com rede, estávamos desesperadamente a tentar contactar, via satélite, António Guterres, o primeiro-ministro, através de um telefone militar. Gaza não tinha aeroporto. O Falcon oficial ficara em Jerusalém, em Israel, país fechado e em estado de sítio, depois do assassinato do seu primeiro-ministro. Aqui entre nós, eu sabia lá o que se deveria fazer! O bom-senso aconselhava, naturalmente, a que a visita fosse cancelada. Mas era muito difícil sair dali.
“Como é que eu poderei falar com a Leah?”. Era outra vez a voz de Maria Barroso, que, nos últimos dias, tinha reforçado a sua relação pessoal com a mulher do primeiro-ministro israelita, que se fazia ouvir. “Ó Maria de Jesus! Isso vê-se depois!”, respondeu, já sem paciência, Soares.
Maria de Jesus Barroso Soares não conseguiria, nessa noite, o seu propósito de falar com Leah Rabin, como o seu coração recomendava. Fá-lo-ia, num abraço emocionado, dois dias depois, no funeral. Nunca esqueci a sua atitude, em que a sinceridade da emoção se tentou, sem êxito, sobrepor à nossa preocupada razão.

3 comentários:

Bartolomeu disse...

Bela evocação, que ilustra com precisão o caráter excepcional dessa maravilhosa Senhora!

Aldema Menini Mckinney disse...

Que belo e sensível texto! Pôs-me em contato com a política e a alma portuguesa. Obrigada.

Majo disse...

~~~
~ Pequena, apenas fisicamente...

~ ~ ~ Uma grande Mulher!
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

~ ~ Grata pela partilha.
.