quinta-feira, 16 de julho de 2015

Epicur


É um novo tempo de uma revista criada, há já muito anos, por Alfredo Saramago. Foi hoje lançada a nova "Epicur", dirigida por Mário Rui de Castro e Filipa Melo, que passa a sair cada quadrimestre, com uma edição especial no Natal.

O autor deste blogue contribui, em cada edição da nova Epicur, com uma crónica de apreciação de um restaurante. Nesta edição de Verão, o artigo dá conta das impressões de uma visita ao "Casas do Bragal", em Coimbra. Pode ler o texto aqui.

Com o óbvio "disclaimer" de quem faz parte do grupo de colaboradores, devo dizer que considero que a nova revista está excelente, com uma apresentação gráfica de imensa qualidade. E só posso desejar um grande sucesso a esta renovada fase de uma publicação que, de há muito, criou já um lugar de prestígio na imprensa portuguesa.

8 comentários:

Anónimo disse...

Aprecio esta sua vocação quase renascentista que vai da Gastronomia ao Irão passando pela Grécia. Gostei de ouvi-lo ontem.Você dorme? É preciso dormir!

CSC

patricio branco disse...

a critica gastronómica é algo muito especial, imperfeita pois depende de gostos e simpatias, empatias, mas não menos interessante apesar disso. mas também é algo que navega no diletantismo, nas modas, nas alianças, etc.
boa sorte à epicur, portanto

Anónimo disse...

Com um povo falido e a fugir de Portugal como é que ainda há espaço para tanta revista, jornal e outros quejandos.

Devem vender-se às paletes!

Anónimo disse...

É a ementa para servir aos gourmets dos campos de refugiados por esse mundo.

A sensibilidade é mesmo um dom universal !

Anónimo disse...

Revista sem espaço em Portugal. Muda-se isto, muda-se aquilo, investe-se certamente muito e fica o momento do lançamento com muitos "likes". Amanhã começa a queda e lá para o Natal vamos ter mais do mesmo.

Anónimo disse...

Descendo da Guarda para as bandas de Pinhel, lá estava o Casas do Bragal. Pergunte, que eu digo. O "Quinta dos Termos" é de Carvalhal Formoso, descendo de Belmonte para Sortelha, rumo ao Sabugal, nas imediações de Caria. O proprietário é industrial no Tortosendo e professor da Universidade da Beira Interior. Eng.º Carvalho. Bebi o Quinta dos Termos, quando foi lançado, num restaurante dito Vallecula, a conselho do sr. Luís Castro, numa terra que certamente não conhece, Valhelhas. Este vinho, já o encontrei no Continente, a muito bom preço, dada a sua qualidade. Nas Beiras, como em Trás-os-Montes, não há só calhaus. Eu perdido no deserto e a Cova da Beira ali tão perto... e a Pousada de Nossa Senhora da Esperança, sobre a Cova da Beira, ali em Belmonte. Já agora, ali pertinho, tem a Quinta da Bica. Pelas dicas, não quero 68 milhões da Oi/PT, numa função que é o delírio da corrupção em Portugal.

Anónimo disse...

Em 17 de julho p.p. fiz o seguinte comentário:

"Revista sem espaço em Portugal. Muda-se isto, muda-se aquilo, investe-se certamente muito e fica o momento do lançamento com muitos "likes". Amanhã começa a queda e lá para o Natal vamos ter mais do mesmo."

Francamente gostava desta revista. Para se conseguirem bons resultados temos que saber gerir. É uma pena, sinceramente, mas Portugal peca por ter empresários com recursos mas sem conhecimentos de gestão financeira e, principalmente, humana.



Anónimo disse...

Pena que não possas voltar Alfredo Saramago, conseguiram destruir a tua revista com tanto pretensiosismo, despesismo e ignorância. Por vezes as coisas não são para quem quer mas para quem sabe, tu sabias...