segunda-feira, 6 de abril de 2015

Sampaio da Nóvoa


Para além de afloramentos críticos na mesma área política, que não vêm aqui para o caso e têm uma génese diferente, foi muito curioso verificar as reações de certa direita trauliteira - na imprensa, nos blogues e, em especial, no "site" jornalístico montado e financiado para o ano eleitoral - , ao comentar o surgimento da hipótese de candidatura presidencial de António Sampaio da Nóvoa. 

Essa mesma direita, que tão "simpática" se revelara, dias antes, quando veio a terreiro Henrique Neto - antegozando a hipótese dela dividir a esquerda -, deu agora ares de ter recebido um golpe certeiro, ao ser confrontada com o nome do antigo reitor da Universidade de Lisboa, como possível representante da esquerda na corrida presidencial. Leiam-se os "tweets" de graça acanalhada, os "posts" depreciativos no bem identificado aparelho blogueiro de 2011, que já (re)aquece os motores da intriga, bem como o coro dos comentadores televisivos oficiosos, para se identificar bem esse nervosismo que apossou a área conservadora - sentimento que, significativamente, pretendem que se transfira para dentro do PS. Nem sequer à "novidade" dos trocadilhos patetas com o apelido do putativo candidato o país foi poupado, como já era de esperar.

A apressada "desconstrução" já começou, com a microscópica análise do currículo político de Sampaio da Nóvoa (nele tentando descobrir quaisquer passos "vermelhuscos", que possam vir a inquietar o eleitorado do centro), logo seguida pela esperada exegese irónica do seu discurso, especialidade de que duas ou três figuras calistas fazem hoje modo garantido de vida. Daqui a dias, a ação prosseguirá com a desqualificação individualizada dos apoiantes que começarem a emergir, se bem se conhece a lógica sequencial deste tipo de operações. 

Desconheço qual será o destino da possível candidatura de Sampaio da Nóvoa. Uma coisa é certa: se ela preocupa assim a direita, já tem "meio caminho andado".

11 comentários:

Anónimo disse...

Alguém a sério acredita nas possibilidades de um ilustre desconhecido se impôr perante Marcelo? O embaixador Seixas da Costa que é um homem sábio e experimentado, no caso vertente, está à côté de la plaque.
No fundo, perante a ausência de Guterres, o que tanto Neto como Sampaio da Nóvoa procuram corporizar é um pseudo discurso "anti-sistema" procurando explorar o espaço tradicional de descontentamento preenchido pelo antigo PRD que capta tipicamente 18 por cento e que se procura expandir. Alegre nunca me convenceu, com os seus tacticismos de oportunidade, jamais teria o meu voto. Maria de Lurdes Pintassilgo precisamente porter sido mais tarde candidata do PS nas europeias teve o meu voto. Sampaio da Nóvoa merece crédito como professor universitário, mas não terá, como socialista, o meu voto, com um discurso demagógico anti-partidos, que é naïf e deslocado. Acredito que Marcelo poderá rassembler mais do que Cavaco e mostrar-se independente e agregador para além da maioria que o elegerá.

Anónimo disse...

Marcelo Rebelo de Sousa que poderá ter tudo menos de parvo fez já uma primeira saudação de oportunidade da candidatura de Sampaio da Nóvoa. Está bem visto e achado: Marcelo procura já afirmar-se como estadista e homem consensual acima das lutas intestinas dos partidos e abre espaço para pescar votos no próprio território da esquerda. É claro que se pode antever, num debate televisivo, Sampaio a ser esfrangalhado pelo constitucionalista pérfido e demagógico que explorará a fragilidade do adversário em terreno que lhe é tipicamente favorável.

Anónimo disse...

Eu continuo na minha. Seria melhor que o PS tivesse um candidato do PS. Se os partidos existem é para estas coisas. Caramba! O PS teve quase cinco anos para arranjar um candidato. O facto de não ter conseguido não augura nada de bom para ambas as eleições que aí vêm. Com aquilo que temos em Belém e em São Bento, uma maioria absoluta nas legislativas e uma vitória na primeira volta das presidenciais deviam estar naturalmente garantidas. Foi para isso que Antonio Costa para lá foi há já algum tempo.
JPGarcia

Antonio Cristovao disse...

Talvez seja mais prudente enumerar as qualidades do Nodoa e deixar de justificar as criticas de outros como um campeonato de "invejas" e maldizentes profissionais. Mudar a cor das lentes de vez enquanto ajuda a melhorar a visão.

Anónimo disse...

Ninguém conhece estas pessoas!

Alcipe disse...

Parece que preocupa também o Sérgio Sousa Pinto...

Anónimo disse...

Acho bem que fique cantando loas ...

Dá um gozo ler estes textos!......

Pedro Barbosa Pinto disse...

A ideia com que fico é que a grande estratégia do PS para as presidenciais é candidatar um António! O Guterres não quer voltar a enlamear os sapatos, o Vitorino acha o País demasiado piqueno para a sua estatura, o Costa, para estar à varanda, então ficava na CML que sempre via mais movimento... olhe, foi o António que se arranjou, e assim sempre se poupa no hino de campanha:

https://www.youtube.com/watch?v=wBJIgZzAuFE

Anónimo disse...

Marcelo é um candidato fraquíssimo da Direita. Será esmagado por Sampaio Nóvoa, facilmente. Aliás, a Direita só tinha, se quisesse, um bom candidato na pessoa de Bagão Felix (hoje ri-me com essa do tolo do Portas para PR, lançada maldosamente por Passos!). Marcelo é tão só um comentador barato e manipulador, que não convence ninguém, nem mesmo quem o escuta.
O PS não tem ninguém para concorrer com o nível de Sampaio Nódoa, embora independente. Ou, melhor, talvez tivesse se escolhesse FSC e este aceitasse, apesar de ser uma aposta mais conservadora. Mas séria e competente, reconheça-se.
Honestamente, preferia ver um independente como Sampaio Nóvoa na Presidência. E, comparativamente ao que ali está em Belém, a diferença entre este putativo candidato e o ainda penoso PR é abismal. Cavaco caiu tão baixo que até o presidente da Junta de freguesia do Carcavelinhos lhe ganharia uma hipotética reeleição.
Enfim, o PS só tem duas hipóteses: ou aceita e apoia Sampaio Nóvoa e ganha garantidamente as eleições, derrotando facilmente o comentador Marcelo, ou então decide-se por FSc e também as ganha sem problemas. Para o PS, ao contrário do que a Direita pensa, as coisas são bem mais simples, com duas soluções possiveis e ganhadoras: Sampaio Nóvoa, ou FSC.


Manuel Silva disse...

Mas este senhor António Cristóvão não se enxerga?
Nem em relação ao espaço de discussão urbana onde veio comentar, nem em relação a uma pessoa que não conhece.
O que acrescenta este trocadilho chocarreiro com mo nome da pessoa em causa?
É muito triste ver o nível do debate entre nós.
Os partidos e os políticos é que são maus, os últimos não têm nível, são todos corruptos e ladrões.
Haverá maior corrupção que a da alma, a do interior de pessoas que escrevem coisas destas?
Tenha vergonha na cara, senhor Cristóvão, pela foto anexa ao seu nome já parece ter idade para tal.
Já que não sabe de quem se trata, nem sequer é capaz de escrever o nome da pessoa como o deve fazer, deixo-lhe a si, e a quem mais quiser, alguns dados sobre António Nóvoa:
----------------------------------
Diz-se que os políticos dos partidos são todos corruptos, a solução só pode vir de fora: quando aparece um independente partidariamente ouve-se disto a que temos assistido, vindo de muita gente que nunca fez nada na vida.
Exige-se a reforma do Estado como solução para os nossos males: quando alguém faz a sua parte, como ele fez, unindo uma universidade com 100 anos e outra com 80 anos, tarefa que muitos diziam impossível: desvaloriza-se. (Já já tentada no 1.º mandato, com o Politécnico de Lisboa, para alargar a abrangência da instituição à área das tecnologias, mas tal foi inviabilizado por Mariano Gago).
Quando foi vice-reitor da Universidade de Lisboa durante, durante 8 anos, pôs a funcionar um sistema de ligação da universidade às mais importantes do mundo, coisa que nunca tinha existido, para consulta permanente de bases de dados, bibliografia, troca de informações, etc.
Mas isso implicava um determinado número de consultas por mês e viu-se aflito para que as pessoas, professores e alunos, se habituassem a fazer esse intercâmbio universitário, essencial nos dias que correm.
Como reitor, pôs como meta incluir a UL no ranking das 100 melhores do mundo, não o conseguiu completamente mas conseguiu uma melhoria muito substancial.
Propôs fundir a UL com a UTL, tarefa que muitos diziam impossível de concretizar, para criar uma grande universidade com todas as áreas, potenciando a interacção de áreas de investigação, como, por exemplo, a biologia e certas tenologias.
Quando deixou o cargo de reitor recebeu uma homenagem na universidade: houve um almoço em Julho de 2013.
De entre as pessoas que falaram todos realçaram as suas excepcionais qualidades para pôr as coisas e as pessoas a funcionar correctamente.
Especialmente as pessoas do sector administrativo, habituadas a receber ordens e nada mais. Referiram com muita enfâse a responsabilização a que eram sujeitas e o grau de autonomia que lhes era dado. E racionalizou assim os recursos, 1 só reitoria, 1 só Serviço Social, a eliminação de departamentos e de cursos repetidos.
Prescindiu de ajudas de custo e do carro com motorista: deslocava-se de Oeiras para Lisboa num Ford Fiesta banal.
Não precisa, não quer, não faz parte do seu espírito e maneira de ser enriquecer, muito menos na política: vive muito bem com o que tem para os seus objectivos de vida.
Já disse que prescindiria do ordenado de presidente, continuando a receber o de professor, pois considera o cargo como um serviço a prestar ao país.
Como professor universitário, sempre que foi convidado para palestras ou conferências sempre se deslocou no seu carro e nunca recebeu 1 euro: considera que é a parte que tem de dar ao país. (Paulo Macedo fez coisa semelhante nestes 4 anos de ministro, recebendo um ordenado muito inferior ao que recebe como gestor onde tem trabalhado. E disse-o: é a minha parte que devo ao país).
De certeza que António Nóvoa reduzirá o staff da presidência e os 16 milhões que se gastam actualmente para metade ou muito perto disso.
É um mouro de trabalho e nunca passa férias, desde sempre. Apenas 5 dias para visitar os familiares no Minho, na quinta da família.
É uma pessoa positiva, capaz de de motivar as pessoas, de formar equipas e de traçar objectivos para o país (não deprimentes, como o Passos e o Cavaco).

patricio branco disse...

o próximo futuro dirá no que se vai tornar esta pré-candidatura de sdn.
o terreno está cada vez melhor para mrds, está sim!
a ausencia ou desinteresse de guterres e mais 1 ou 2 deixou o ps órfão, no vazio.
mas há milagres!!