sexta-feira, 17 de abril de 2015

Rodrigo Rato


O antigo ministro espanhol e diretor-geral do FMI, Rodrigo Rato, foi há poucas horas detido em Madrid, por acusações de improbidade.

Neste momento dramático para aquele que já foi nº 2 de José Maria Aznar, apetece-me lembrar um episódio com ele ocorrido, em 1999.

Era o dia 27 de maio. Eu estava em Paris, chegado de Londres nessa manhã, para o reunião ministerial da OCDE onde, na ausência do ministro das Finanças, Sousa Franco, chefiava a delegação portuguesa. Na véspera, na capital britânica, falando com o meu contraparte inglês, Keith Vaz, havia-me dado conta de que anteriores objeções para a nomeação de Javier Solana para Alto Representante para a Política Externa e Segurança Comum, que se sabia existirem por parte do Reino Unido (ao que se dizia, por pressão americana), tinham aparentemente "caído". Nessa manhã fora ver ao Eliseu o assessor diplomático de Jacques Chirac, Jean-David Levitte, e notara que a opção por Solana era forte. Ao almoçar, nesse mesmo dia, com o meu colega francês, Pierre Moscovici, notei que essa era também a posição do governo (vivia-se em "coabitação"...). Isto parecia tornar a nomeação de Solana irreversível.

Porém, como havia rumores de que o meu colega alemão, Gunther Verheugen, era candidato ao posto, telefonei-lhe. Apanhei-o na Bulgária. À minha questão sobre se era candidato ao cargo, deu uma gargalhada nervosa e respondeu: "Terias de perguntar isso ao Gehrard (Schroeder). Já não sei se ele ainda apoia minha candidatura. E não vou insistir...". A Alemanha estava na presidência da UE e os equilíbrios no seio da coligação SPD/Verdes eram muito complicados, com Verheugen (que viria a ser comissário europeu) a ter grandes dificuldades de relacionamento com o seu ministro, Joshka Fischer, como um dia me confessou e foi tornado público. E o apoio total do primeiro-ministro Schroeder ao seu secretário de Estado dos Assuntos Europeus, embora fossem ambos do mesmo partido, nunca foi muito evidente. Concluí que Verheugen estava, definitivamente, "out".

Fechado no quarto do hotel, somei dois mais dois e telefonei a António Gueterres. Se os espanhóis viessem a obter o lugar de Alto Representante, seriam obrigados a abandonar a candidatura de Pedro Solbes ao cargo de presidente do Banco Europeu de Investimentos. Nos equilíbrios europeus, uma coisa não era compatível com a outra. Por isso, estava aberta uma oportunidade para nós. Guterres concordou, falei em três nomes (Guterres discordou de um deles), mas pediu-me para falar com Sousa Franco sobre os outros dois. Não queria avançar com nenhum dos nomes sem ouvir previamente o seu ministro das Finanças. Na conversa comigo, Sousa Franco concordou que era uma excelente oportunidade e disse-me que Vitor Constâncio era, dos dois sugeridos, o nome mais adequado como nosso candidato. "Espero é que ele se decida a tempo", gracejou. Ficou de falar com Constâncio. Dois dias depois, este viria a aceitar ser o candidato português.

Ainda antes de jantar, o que é um milagre no "decision-making process" português, consegui ter "luz verde" para preparar a candidatura, não sem antes ter sido informado Jaime Gama (porque, nisto de hierarquias, nunca "brinquei em serviço"). Mas, naturalmente, não poderíamos avançar antes de consultarmos os espanhóis. Ainda por cima, sem ter um nome garantido. Ora eu ia jantar nas instalações da OCDE com o ministro das Finanças espanhol, Rodrigo Rato, que chefiava a sua delegação.

Recordo bem a conversa. Rato é um homem muito agradável e mostrara-se sempre cordial comigo, não obstante nos separarem muitos furos nos nossos respetivos "rankings" governamentais. Expliquei-lhe a crescente consolidação da hipótese Solana e, nesse caso, a impossibilidade da Espanha poder vir a ter os dois lugares. Rato esteve, naturalmente, de acordo. Disse-lhe então que, nesse caso, teríamos, com certeza, um nome a apresentar, mas que não podia confirmá-lo, em absoluto, pelo facto de não sabermos se a pessoa escolhida aceitaria ou não.

Guardo a resposta de Rato na minha memória: "Se a Espanha não tem candidato e se Portugal tem, posso garantir-te, desde já, o nosso apoio. A 100%!". Ainda argumentei que António Guterres falaria, no dia seguinte, com Aznar, mas Rato voltou a ser perentório: "Não preciso de consultar Aznar. Dou-te desde já o nosso apoio. Portugal pode avançar".

"To make a long story short", Constâncio acabaria por não ser escolhido, numa noite negocial complexa, num jantar a anteceder um Conselho Europeu, num palácio nos arredores de Colónia, em 3 de junho, ocasião em que Solana foi entronizado como "Sr. PESC". Mas a Espanha, nessa reunião, pela voz de Aznar foi, até ao fim, o Estado que mais defendeu o candidato português.

Nesta que é uma noite triste para Rodrigo Rato, recordo, aqui de Varsóvia, este seu gesto simpático para connosco. Que eu não esqueci.

3 comentários:

Anónimo disse...

è sempre bom recordar Maria José Morgado, pode ver em :

Maria José Morgado A VERDADE SEM MEDOS - YouTube
Vídeo de maria jose morgado ricardo costa▶ 4:42
www.youtube.com/watch?v=dAxE9S6Nh2w
02/05/2014

Bartolomeu disse...

No festival da canção era também do júri espanhol que a canção representante de Portugal, recebia o maior número de votos...

Anónimo disse...

É assim! "no melhor pano cai a nódoa". Que tudo acabe bem...