domingo, 23 de setembro de 2012

Diálogos

Com uns amigos, trocava ontem impressões sobre o modo como decorrem as conversas político-diplomáticas, quando as coisas, por acaso ou necessidade, se passam num registo de alguma tensão.

Na minha vida, testemunhei já algumas cenas algo complicadas, em especial entre políticos, a não pouparem os seus contrapartes, com frases ou num tom que visivelmente pretende incomodá-los. Tenho visto fazer isto, basicamente, de duas maneiras: desde um modo subtil, em que alguns deixam "farpas" e passam mensagens fortes com certa elegância, por vezes alternando estilos diversos na mesma conversa, até a modelos de agressividade, mais ou menos gratuita, em certos casos no limite da provocação. A menos que se pretenda, de facto, conduzir à rutura (e, em casos limite, esse é o objetivo), devo dizer que, na maioria das ocasiões, a adoção deste último modo de atuar se deve, em geral, à inabilidade profissional e à arrogância gratuita de alguns agentes políticos e diplomáticos. Já vi um pouco de tudo e, pelo que me toca, também já fui obrigado a conduzir conversas em diversos registos, em função de interesses que me competia defender. Alguns dos quais, diga-se, deliberadamente pouco agradáveis, embora dentro de um limiar de cordialidade, que sempre cuidei em manter (veja-se exemplos aqui e aqui e aqui).

Ontem contei aos meus amigos o modo de atuar de uma conhecida figura política portuguesa, cujo nome não interessa, a quem, por duas vezes, vi conduzir encontros com personalidades estrangeiras às quais pretendia passar mensagens de distância e até de alguma acidez, por forma a criar uma deliberada incomodidade no seu interlocutor. Pode parecer estranho que alguém assim proceda, mas a verdade é que, também na política e na diplomacia, há conjunturas que a isso obrigam.

A "técnica" dessa nossa figura nessas duas ocasiões foi, invariavelmente, a mesma. Depois de saudar breve e formalmente o interlocutor, lançava-se num monólogo sobre uma temática que lhe interessava explanar. Passados uns minutos, fazia uma pausa. Isso dava ao interlocutor a sensação de que era a sua vez de falar, apoiando ou contraditando o que ouvira ou introduzindo novas temáticas. Porém, no termo desta réplica, e quando se esperava que o nosso político comentasse o que acabava de ouvir, este último, pura e simplesmente, limitava-se a dar sequência à sua primeira intervenção, como se nada tivesse dito pelo outro depois dela. Essa continuação do discurso inicial prolongava-se, até nova pausa. O interlocutor tentava então de novo a sua sorte, questionando e opinando sobre o que fora dito pelo nosso político. Debalde. No termo da sua fala, este, impávido, retomava olimpicamente o seu anterior discurso, ignorando tudo quanto fora dito pelo seu interlocutor. Este tipo de conversa (?) tinha uma tendência natural a durar pouco e proporcionava um espetáculo que, confesso, não era fácil suportar. Mas, em todos os casos que testemunhei, a "mensagem" passada acabou por ficar bem clara, comigo a querer "ser mosca", para ouvir a reação que o outro lado com certeza teria, à saída, com os seus colaboradores.

A diplomacia nem sempre é um exercício com punhos de renda, podem crer.

5 comentários:

Helena Oneto disse...

"Dialogos" arrevesados em estilo arrevesado de politicos arrevesados:)...

Isabel Seixas disse...

oh ...
Coitado do receptor prisioneiro da liberdade do emissor...

Além de que

"As palavras sabem coisas de nós que ignoramos delas"
René Char

patricio branco disse...

era bem séria o recado que havia a comunicar, nem valia a pena dialogar

Anónimo disse...

e o embaixador tera alguma cruzado o oficial de accao psicologica jardim nos idos de 74?

quem sabe!...

bh

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 15.08: posso assegurar-lhe, com a autoridade de quem era responsável pela organização dos cursos de Ação Psicológica na EPAM, em 1973/74, que o soldado-cadete Alberto João Jardim fez esse mesmo curso em período anterior a esse.