domingo, 25 de junho de 2017

Namoro em Braga, 1900


Como seria Braga no início do século XX? Onde viveria o meu avô materno, ido de Bornes de Aguiar, ao pé das Pedras Salgadas, que por lá fez o liceu, antes se se formar em Coimbra, em Direito, em 1911? Não me recordo de o ter ouvido alguma vez falar desses tempos de Braga. 

(A verdade é que as perguntas que gostaríamos de fazer aos familiares mais velhos só nos surgem, irritantemente, muito depois de eles terem desaparecido.)

Ontem, andei pela Braga engalanada pelo S. João, de ruas alegres de gente, cheia de turistas estrangeiros deliciados com a "agressividade" risonha dos martelos de plástico, com as roupas enfarinhadas pelo açúcar das farturas, atordoados com os bombos e com as bandas de música em despique. E deu-me para imaginar que festas, que bailes, que namoricos se fariam pela Braga antiga, do tempo do meu avô.

A questão que me coloquei não era totalmente inocente. Passo a explicar.

Há bem mais de duas décadas, um primo meu foi contactado por uma pessoa, de Braga, que, para sua imensa surpresa, lhe revelou ser nosso parente. O meu avô, nos seus últimos tempos de liceu e de faculdade, anos antes de casar, tivera um "caso" com uma senhora de Braga, de que haviam resultado duas filhas. As quais, para o resto das suas vidas, fariam a sua vida em Braga. Interessante foi saber, entretanto, que o meu avô, já após o seu casamento, em 1913, com a minha avó (e com a presumível anuência desta), tentou trazer as crianças para junto de si, embora sem sucesso.

Não comunguei, por completo, a surpresa desse meu primo. Talvez por ser mais velho, recebera, em confidência, já há muitos anos, um zunzum sobre e existência de descendentes do meu avô, que residiriam em Braga. Porque o assunto era tabu na família, nunca tive a menor pista para o aprofundar. Até àquele telefonema.

"To make a long story short", à época desse contacto só umas dessas duas filhas do meu avô era viva (faleceu, entretanto). A senhora ainda usava, ao peito, um medalhão com uma fotografia do meu avô quando jovem. Promoveu-se um alegre encontro familiar e, a partir daí, ganhámos novos primos - gente muito agradável, simpática, com quem por vezes nos encontramos.

Mas a pergunta fica, definitivamente, sem resposta: como terá sido o namoro do meu avô, lá por Braga, à volta de 1900?

4 comentários:

Portugalredecouvertes disse...


deliciosa pergunta Sr. Embaixador !

Luís Melo disse...

Lindo. Foi consertesa um grande e bonito amor,

Anónimo disse...

Mas, ... e as heranças?

Luís Melo disse...

Foi "com certeza" um verdadeiro e lindo amor de que resultou uma grande e maravilhosa família.