segunda-feira, 6 de abril de 2015

Memorabilia diplomatica (XXII) - A planta


Era um aeroporto de um país tropical. A sala VIP era desconfortável, arejada por ruidosos aparelhos à espera eterna de revisão, que quase abafavam as conversas. A delegação portuguesa espojava-se por horrorosos sofás de napa, no final de cinco dias de uma viagem oficial quase tão intensa quanto inútil. 

O dignitário português que chefiava a comitiva, enfarpelado como a ocasião ainda recomendava, encaixara-se num canto, acompanhado por um qualquer ministro local, trocando banalidades.

Sem uma contraparte natural para a ocasião da despedida, já ansiosa pela "executiva" do avião que tardava, a esposa do chefe da delegação portuguesa errava pela sala, comentando as peças de artesanato que algumas senhoras da comitiva tinham ido adquirir, à última da hora, ao comércio do aeroporto, como forma de se verem livres do resto da moeda local.

A certa altura, nota-se que a senhora avança em direcção a um arbusto que fazia paisagem no fundo da sala. A embaixatriz de Portugal, mais por tropismo protocolar do que por uma qualquer evidente necessidade de apoio, segue-a, um tanto intrigada com aquele súbito interesse. E quando a vê, bem decidida, agarrar um dos ramos do arbusto, puxando-o com força, ousa perguntar-lhe, um tanto assarapantada: "O que está a fazer?". A resposta elucidou-a: "Estou a tirar um raminho para plantar lá no jardim. Não acha gira esta planta?". A embaixatriz, de facto, achava, mas duvidava muito que o plástico viesse a frutificar no jardim da esposa do nosso político.

(Reedição de historietas da diplomacia por aqui já publicadas)

1 comentário:

patricio branco disse...

a verdade é que muitos desses raminhos, nem todos, claro, podem pegar e crescer...um amigo trouxe um coco verde duma ilha longínqua e o fruto deu planta, pequena, que se aguentou uns anos num vaso na casa de lisboa. vê-se que a sra gostava de plantas em casa, não resistiu.
um ramo arrancado dum cacto sem espinhos de porto santo floresceu e tem hoje 1 metro saudável de altura num vaso em terraço.
fez bem a sra, enquanto por ali passavam o tempo