quarta-feira, 8 de abril de 2015

Inocencio Arias


Inocencio Arias é um conhecido embaixador de Espanha. Coincidimos em Nova Iorque, onde reforçámos uma amizade que já vinha de uns anos antes. Figura agitada, de um humor magnífico, é sempre um prazer conviver com ele. Fez cinema, fala de tudo, sabe de tudo e até ousa expressar-se em russo, nacionalidade de ascendência da sua mulher Ludmila. Com uma larga capa, um "papillon" e um "borsalino" que o tornaram famoso, "Chencho", como é conhecido entre os amigos, foi diretor-geral do Real Madrid, secretário de Estado, tem livros publicados, escreve na imprensa e surge com frequência na televisão, mantendo o blogue "Crónicas de um diplomático jubilado". A sua palavra franca e verdadeira conduziu à sua saída de embaixador junto da ONU. Acontece!

Há dias, numa livraria de Valladolid, deparei com um seu livro já antigo (e que vai na 3ª edição) que fala da ação internacional de cinco primeiros ministros com que serviu ao longo da sua carreira (no meu caso, teria que falar de 15!). Dele retiro, deixando-a em espanhol, esta "pérola" sobre as chefias na carreira diplomática;

"Y de los jefes ya se sabe que uno es buena persona y competente, otro es incompetente y te pone nervioso, otro es competente pero va estrictamente a lo suyo, todo vale para trepar, y el cuarto, competente o incompetente, és un auténtico hijo de su madre. Habría que hacer un estudio para ver qué categoría es la más numerosa."

Grande escola, a carreira!

2 comentários:

Anónimo disse...

O problema na carreira é mais defendermo-nos das primas donas ou dos chefes que emprenham pelos ouvidos. O excesso de personalidade de embaixadores vindos em Espanha fora da carreira tiveram também em Portugal o seu paralelo. O papillon, acto de coragem, não é porém das coisas de que mais gosto.

patricio branco disse...

imagem pessoal e cuidada, uma figura mediática pela sua pose, lacinho, chapeu, capa, como se diz acima. serviu em portugal. tenciono espreitar as suas crónicas de jubilado