quarta-feira, 15 de maio de 2013

A importância de se chamar Ernesto...

Ver os dourados das Necessidades encherem-se para ouvir Jorge Sampaio falar de Ernesto Melo Antunes foi um momento muito agradável do final da tarde de ontem. O antigo secretário de Estado da Cooperação externa de Melo Antunes - Jorge Sampaio tinha então 36 anos - fez um magnífico bosquejo sobre o percurso diplomático daquele que, na minha perspetiva, foi a mais importante personalidade militar do processo político que, com todos os sobressaltos do tempo, nos conduziu da ditadura para a democracia.

Jorge Sampaio desfez alguns mitos instalados, explicando, muito em particular, certas opções diplomáticas feitas em direção ao que então se chamava "terceiro mundo", passo político essencial para recentrar a política externa portuguesa, saída de uma época em que estava "coincée" pelo colonialismo e necessitando de ganhar espaço para um novo posicionamento em tempos democráticos, marcados pelo "regresso" à Europa e pelo direito à palavra respeitada pelo mundo multilateral.

Gostei muito de ouvir Jorge Sampaio, subliminarmente evocando Oscar Wilde, relembrar "a importância de se chamar Ernesto" Melo Antunes um dos homens que mais lucidamente soube interpretar o destino estratégico de um Portugal em liberdade.

4 comentários:

Anónimo disse...



Já agora
em escudos quantas embaixadas itenerantes vamos ter?

2? mais de 2?

Anónimo disse...

No periodo de democratização desencadeado em Abril, Melo Antunes afirmou-se como um dos ideólogos mais respeitados. Mas houve o documento dos 9 que alguns viram como uma "guinada" violenta da embarcação para a direita a abrir o caminho de Novembro com sua sombra a eclipsar Abril...
José Barros

Alcipe disse...

Como gostaria de lá ter estado!

a) Alcipe

Anónimo disse...

é questão de fé?
ou resulta de muitos anos na maior corporação estatal?