terça-feira, 24 de setembro de 2013

Juventude e cidadania

É interessante perceber que existe hoje uma verdadeira globalização das preocupações dos jovens, independentemente das respetivas origens. Isso esta bem evidente na "universidade para a juventude e o desenvolvimento" que o Centro Norte-Sul está a realizar em Mollina, em Espanha. 

Desde há 14 anos que o Centro toma a iniciativa, com vários parceiros institucionais, de organizar, durante uma semana, um evento em que envolve centenas de participantes, na maioria entre os 20 e 30 anos, oriundos de estruturas de juventude de uma multiplicidade de países, reunidos em torno de uma temática cívica. O objetivo é preparar quadros que levam para as organizações onde operam modelos de abordagem de questões ligadas às grandes temáticas internacionais de natureza cívica. Este ano, o tema da "cidadania democrática" foi escolhido como motivo central.

Com uma equipa de formadores bastante testada, procura-se confrontar experiências, dificuldades e modelos de exercício da cidadania, nos vários contextos nacionais e regionais. Contamos com jovens de dezenas de países, que vao da Bielorrúsia às Honduras, da Somália a Cabo Verde, do Quénia ao Egipo, do Canadá à Tailândia e por aí adiante, passando naturalmente pela maioria dos Estados europeus. A diversidade dos contextos nacionais e culturais de origem não impede um aprofundamento sobre questoes cuja universalidade cria um laço que permite a troca de perceções, sempre num quadro de respeito pelo outro e pelas respetivas convicções.

Como diretor executivo do Centro - que não é uma organização portuguesa mas europeia, dependente do Conselho da Europa - coube-me estar presente na abertura da "universidade" e assistir aos primeiros dias dos seus trabalhos. Devo confessar que foi uma experiência única poder testemunhar um conjunto muito rigoroso de atividades, desenvolvidas num ambiente em que a informalidade não afeta. E entendi melhor o conceito africano do "mais velho"...

3 comentários:

Isabel Seixas disse...


"cidadania democrática"
Estava a pensar na proximidade semântica quase redundante das duas palavras do meu ponto de vista uma pressupõe a outra...
Decerto uma mais valia da cidadania é o direito do direito ao trabalho, direito esse cuja consecução para muitos jovens se processa para outros países.

A salvaguarda dos mesmos direitos independentemente da nacionalidade é promotora da inclusão e previne as desigualdades.

Anónimo disse...

Sente-se inveja da juventude. São todos diferentes, bonitos, agradáveis, sonhadores. Parece que o tempo nos molda e nos torna a todos iguais: quadrados e cotas. Sejam da esquerda, da direita, do Porto ou do Benfica. É tudo a mesma massa amorfa! Enjoativa!
Não percebo o que é o conceito africano "do mais velho". Será que "arredonda" a "quadratura"? Se for, vou já ter com os meus que para lá emigraram por causa dos quadrados aqui instalados, agora mesmo a palrarem para se manterem nas Câmaras.
António pa

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Se houvesse mais iniciativas com esta, o Mundo estaria melhor.