quarta-feira, 30 de março de 2011

Gorbatchev

Há dias, contei aqui uma historieta de Gorbatchev. Dou-me agora conta que o antigo presidente fez ontem 80 anos, recebendo homenagens um pouco por todo o mundo, que o consagram como alguém responsável por um tempo charneira da história contemporânea. Escrevi "todo mundo"? Na Rússia, apenas 14% das pessoas têm uma memória positiva de Mikhaïl Gorbatchev.

Um dia, em Março de 2000, António Guterres convidou o então ministro da Defesa, Júlio Castro Caldas, e eu para um almoço com Gorbatchev, na residência oficial, em S. Bento. Confesso que entrei para esse almoço (a cinco, porque nele estava também o intérprete que sempre acompanhava Gorbatchev) com uma elevada expectativa. Na realidade, tratando-se de uma figura que atravessara um período riquíssimo da vida internacional, que protagonizara o fim do mundo soviético, que vivera a trágica convulsão interna dessa desagregação, que fora interlocutor estratégico privilegiado dos Estados Unidos e de personagens como Thatcher, Kohl ou Mitterrand - por todas essas e por outras razões mais eu esperava ir ter um almoço memorável. Nunca comparei notas com António Guterres e Júlio Castro Caldas sobre esse repasto, mas devo dizer que saí dele um tanto desiludido com a figura que o justificou.

Mikhaïl Gorbatchev não deixa de ser uma personalidade interessante, mas, quando o aprecio à luz daquelas horas em que o ouvi, está muito longe de ser uma figura fascinante. Falou imenso, mas deu-me a sensação de ter criado e ensaiado um discurso feito à medida daquilo que os seus interlocutores dele esperariam, auto-justificativo, muito óbvio, com ideias que, como dizia o outro, quando eram originais não eram boas e que quando eram boas não eram originais. Mais tarde, ao lê-lo, voltei a não encontrar razões para mudar de opinião.

Dito isto, que fique claro!: tenho consciência de que Mikhaïl Gorbatchev é uma das grandes figuras da história contemporânea, a cujo sentido de compromisso e adesão sincera às ideias da mudança a liberdade e paz internacionais muito devem. Por isso, "nazdrovia" pelos seus 80 anos.

13 comentários:

Margarida disse...

Quem sabe se o facto das expectativas serem elevadas não tenha contribuído para essa decepção?
E poderia não estar num dia, digamos, inspirado (sucede).
Também se desenvolveu num regime que não incentivava certas veleidades e estados de espírito e, tantos anos volvidos, torna-se difícil mudar.
E não será menos verdade que existem figuras 'construídas' para serem o rosto de um programa, uma mudança, um ciclo, um sistema.
Pelos vistos, terá sido o seu caso.
Até correu menos mal.
Por aquilo que contribuiu para todos nós, "nazdrovia"!

Anónimo disse...

O camarada Vladimir Lenin deve estar a dar voltas ao ver a face da “Perestroika” de mãos dadas com um dos símbolos do capitalismo – a Louis Vuitton.

Isabel BP

Anónimo disse...

É impressão minha ou o Cavalheiro deixou-se enlevar na construção de cenários geradores de ilusões do pseudoconforto Acessório...

Hum o saquinho não engana, bem insidioso a fazer de conta que é despretensioso e que vai ali ao acaso como se o carro não tivesse porta bagagens...

Ah Ah, além de que não fez mais que a Sua obrigação...

ora essa...
Isabel seixas

Bem mas sou totalmente sensivel aos oitenta anos e presumo que a palavrinha quer dizer parabéns ... Calma já sei vou ao tradutor do google... Que novidade.

Julia Macias-Valet disse...

Ou seriam os tradutores que nao estavam à altura ? : ))))

aires disse...

Claro que toda a gente tem direito a ter sua opinião...

obviamnete

a expressa-la como e onde o entender...

Contudo os lideres, quaisquer lideres,

tem direito a serem avaliados, não por questões ou aspectos especificos, individualizados

mas na globalidade do que fizeram, pensaram, disseram

ainda e mesmo que digam o que não for deles "original"...

é que uma coisa dita por "mim", em principio e fim, nada valerá,

MAS se num "contexto macro" for dita, adoptada, por "outrem" relevante,

e sobretudo levada a pratica

então aí peso do "dito por mim" passa a ser totalmente distinto...

E Gorbatchev foi simplesmente,
talvez, o tsunami maior da historia recente, vide as suas replicas ao longo destes anos...

digo eu...

Cpmts

Helena Sacadura Cabral disse...

O que eu mais gosto na foto é a malinha de marca. Será Vuitton?!

Julia Macias-Valet disse...

Cara Helena SC,
That's a scoop. Shuiuuu.
Nao sabia que depois do Keith Richards e do Sean Connery é agora a vez do Gorbatchev ser a "égerie" da marca !?
: ))))

patricio branco disse...

Personalidade vista de maneira diferente na russia ou fora, especialmente nos paises chamados ocidentais. Uns anos depois(da saida em 1991)concorreu a eleições presidenciais e ficou em 3º ou 4º lugar, com menos de 10% dos votos.
Foi o actor que estava no palco no momento da imparavel derrocada e transição. Não foi o director (que foram as populações, ou povo). Actuou mantendo a calma e percebendo que o novo guião era aquele.
Há lideres que são trucidados pela mudança, é ver mubarak e tambem caetano. Outros, conduzem a mudança, mandela, juan carlos.
Não tinha muita graça, concordo com o que diz a entrada. Tive ocasião do escutar uma vez, numa conferência, juntamente com robin cook, FCOS, este encantou, era brilhante, fazia rir com tiradas de humor bem colocadas, gorbachov era monotono e falava em lugares comuns.
Mas terá o seu lugar na historia e merecido. Era o homem certo para a ocasião certa, passivo, mas foi isso que permitiu o cambio suave.
Agora, tem a sua vida de conferencias, livros de memórias, que é o que outros ex deveriam fazer, incluindo em portugal.

Helena Sacadura Cabral disse...

Ai Julia não sabia...mas não me surpreende. Antes já foi o Gonzalez com as joias. Quem se segue? E que marca?
Nem me atrevo a arriscar...

Julia Macias-Valet disse...

Dear Helena SC...Poisson d'avril !!!! ; ))))

patricio branco disse...

esperto homem de negócios, sabendo como fazer dinheiro vendendo sua figura, G tem feito de tudo um pouco: cinema, publicidade para pizza hut e louis vuitton, series para a televisão, cantar e gravar discos (tambem berlusconi e hugo chavez o fizeram, famosos os discos de berluscconi oferecidos pessoalmente no natal às amigas, colegas, etc), dar conferencias e cursos, fundar um pequeno partido cada 3 anos, criar fundações dentro e fora da russia, publicar livros, colecionar doutorados hc e prémios de toda a especie (desde o nobel), etc
Um bom exemplo para politicos veteranos que insistem em continuar na politica activa em vez de se retirarem e se meterem a fazer outras coisas.

Julia Macias-Valet disse...

Helena SC...nao é completamente um "poisson d'avril" porque Gorbatchev nao é a nova égerie da Louis Vuitton. Gorbatech foi o modelo da campanha de publicidade do "marroquinier" em 2007.
Para saber tudo ler, por ex, aqui :
http://www.puretrend.com/marque/louis-vuitton_b4294719279/communication_i3/1

XXXX

Helena Sacadura Cabral disse...

Ó Julinha será poisson d'Avril...mas a malinha, a malinha essa é Vuitton. Que nem ginjas!