quarta-feira, 9 de março de 2011

"Cavalos de Tróia"

A imprensa tem-se feito amplo eco da notícia de que os ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros franceses foram atacados por "piratas" informáticos, que terão colocado nos respetivos sistemas "cavalos de Tróia", que permitem o acesso ao conteúdo das informações acumuladas, podendo mesmo gerir parcialmente esses equipamentos. O debate prossegue agora em torno de quem poderia estar interessado nessa intrusão.

Tenho uma experiência pessoal muito concreta de uma operação idêntica, de que foi objeto o meu computador, em Maio de 2003, ao tempo em que vivia em Viena. Uma voz amiga deu-me então discreto conhecimento de que informações oriundas do meu sistema informático estavam a ser "analisadas" por terceiros. Através de uma peritagem técnica, vim a apurar que um "cavalo de tróia" tinha sido introduzido num dos computadores, à distância, através de um processo de "bombing" informático, que tinha conseguido ultrapassar o "firewall". Denunciada e exposta a marosca - nomeadamente por um artigo de imprensa -, os responsáveis pela operação recolheram, precipitadamente, a sua "pidesca" operação. Como os deuses não dormem, tempos posteriores vieram a provar que "os cavalos (de Tróia) também se abatem". Sem ou com cunhas. 

5 comentários:

Anónimo disse...

Dado o tema não espanta que a conclusão seja tão críptica. Atenção, não corrigir para crítico!

Ex vizinho

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro ex-vizinho: não há nada de críptico neste post. Há, reconheço, muito "não dito". Mas é a vida...

Anónimo disse...

Grande Post! Ainda coço a barriga...
P.Rufino

Carlos Albino disse...

Confirmo a veracidade críptica do que está dito e, muito embora os cavalos de Tróia não, os cavaleiros safaram-se. Já agora, muito mais gente se tem armado em cavaleiro e em vez de aprimorar o seu próprio trabalho pago pelo contribuinte para fazer sites dignos, continuam nessa indigna tarefa de cavalos.

Anónimo disse...

É uma delícia quando se lê nas entrelinhas a quem os textos são dirigidos, mas neste post fiquei mesmo "a leste" e a minha curiosidade é maior porque o P. Rufino e o Carlos Albino estão a par do episódio.

Azar dos azares, não conheço nem um nem outro... seguia já um mailzinho :)

Isabel BP