sábado, 17 de julho de 2010

Quai

Com variações ao longo das épocas, existe em França um certo fascínio em torno da atividade do Quai d'Orsay (o "Quai", para os iniciados), o Ministério francês dos Negócios Estrangeiros.

Esta mitificação está bem patente num album humorístico de banda desenhada, intitulado precisamente "Quai d'Orsay - chroniques diplomatiques", que está a ser um sucesso de vendas. O trabalho, que já se fala poder vir a ter uma sequência em breve, é claramente inspirado na figura do antigo ministro Dominique de Villepin, cuja memória de gestão frenética da casa se reflete no traço do desenho e no tom dos diálogos, que são da responsabilidade de um seu antigo colaborador. Não sendo uma obra excecional no género, devo reconhecer que não deixa de ser interessante reconhecer na história algumas das mais tradicionais liturgias diplomáticas, na descrição do dia-a-dia dos "Estrangeiros". 

Como seria uma visão humorística das Necessidades?

2 comentários:

Helena Oneto disse...

Ninguem melhor que o autor, que conhece por dentro e por fora as Necessidades, para responder à pergunta! Resta saber qual dos MNE (o actual não me parece ser a pessoa indicada) seria comparável ao "lírico" Villepin...

Anónimo disse...

Como seria uma visão humorística das Necessidades?(FSC)

Diversificada
Condenada ao sucesso desde logo...

Posso perguntar pela versão Humor negro eventualmente incluída no posfácio...

Então
Qual a verdadeira Necessidade Das Necessidades?
Por exemplo para a População Alvo
Comecemos pelos Transmontanos...
Ai não, quem parte e reparte?

Variáveis
Como
Paz Pão Saúde Habitação Acessibilidade fatia do Bolo do orçamento... Conceção de oportunidades... Transversais
"Para todos Mesmo Todos"

Depois o protagonismo e os protagonistas Lá surgirão por inerência...

E há Liberdade a sério...
Eu acredito
Até sem Necessidade das Necessidades
Isabel Seixas