sábado, 22 de maio de 2010

Perceber a Europa

Imagino que o discurso confuso e contraditório de alguns especialistas deva estar a causar grande perplexidade em muitas pessoas sobre o que, realmente, se está a passar na Europa, em face da crise do euro e da atitude dos países e das instituições no quadro da presente crise.

Para ajudar a explicar esse novelo de questões, recomendo vivamente o artigo que o antigo ministro português e comissário europeu António Vitorino publicou ontem no "Diário de Notícias". Leia-no (bem) aqui.

4 comentários:

Anónimo disse...

Quando for grande, também quero Ser como o grande Senhor António Vitorino...

Partilho espontâneamente os seus pareceres inteligentes de sensatos , elucidativos de perspicazes, sustentados em saberes consistentes erigidos com trabalho...Nada a objetar face ao seu ordenado Nele acho justo.

Pelo menos mais que em alguns...

Mas ... começo a convencer-me que esta Europa é é Mulher...

Ambivalente, Complexa... Difícil...Hipersensivel... Desafiadora... And So On
Isabel Seixas

Não se ..... Mas o Sr. e o Dr. António Vitorino "Para mim" Escrevem Divinalmente, quer isto dizer que os leio com deleite

Anónimo disse...

Com a devida vénia, discordo. Não acho que se fique a perceber o que se passa com o artigo do Vitorino. É um típico atigo à PS. O Vitorino tem muito jeito para contar anedotas, mas neste caso a ironia não resulta.
A única coisa aproveitavel do artigo é o papel do MEF, mas mesmo assim fica muito aquem do que já tinha sido dito na hora em que o mecanismo foi criado.
O que se está a passar é muito simples de compreender, embora seja normalmente comentado de uma maneira propositadamente complexa. Enfim, com análises como as do Vitorino não vamos lá!

Helena Oneto disse...

"[...]... A imagem de marca que assim resulta é a de uma total descoordenação da resposta à crise quer na Zona Euro quer na União Europeia no seu conjunto. A ponto de a chegada a Bruxelas do novo ministro das Finanças conservador britânico quase passar despercebida: no meio de tanta confusão, ninguém lhe deixa sequer espaço para ser "o mau da fita"!

Neste ponto, a Comissão esbraceja, tentando criar espaço para as suas (ainda tímidas) propostas de coordenação das políticas económicas, designadamente a de estabelecer um processo de consulta prévia entre os Estados membros sobre os respectivos projectos de orçamentos anuais...[...]”

De Antonio Vitorino in "Diário de Notícias"


Não é preciso ir buscar outro "mau da fita", a Alemanha fá-lo muito bem sem precisar de ajuda da Inglaterra (que ainda está a digerir o resultado das "suas" eleições, o que não lhe é nada fácil).

O facto da Alemanha ter avançado a hipotese de excluir um país da união é, por si só, um grave precedente à unidade. O “jogo do gato e do rato” e agora também do lobo, que a Alemanha tem vindo a jogar sózinha, tem tido repercuções desastrosas para a economia não só europeia como também mundial!
E, no meio de tudo isto, o que mais me espanta é a incapacidade do presidente da Comissão Europeia em jogar o “papel” que lhe incube de arbitro neste “jogo”.
A europa mais parece um circo onde o “numero” dos palhaços se transformou num ridículo diálogo de surdos entre o palhaço rico (alemão) e os palhaços pobres (os PIGS e não só...) sem o classico “compère” que, diga-se de passagem, não serve para nada!

Helena Oneto disse...

Ainda sobre a Europa, vale a pena ouvir o que Daniel Cohn-Bendit diz acerca das condições da ajuda económica à Grécia: http://www.youtube.com/watch?v=nqno8H-mjeY&annotation_id=annotation_89964&feature=iv