terça-feira, 25 de agosto de 2009

Guia de Portugal

Chamaram a minha atenção para a comparação que o "Diário de Notícias" faz, na sua edição de hoje, entre o novo guia do "American Express", sobre Portugal, e o vetusto "Guia de Portugal", uma edição que se iniciou em 1924, sob a tutela da Biblioteca Nacional de Lisboa, e que foi concluída, já nos anos 70 do século passado, pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Devo, desde já, advertir o leitor que sou um coleccionador obsessivo de guias sobre o nosso país, portugueses ou estrangeiros, para cujas editoras escrevo, quando as informação (em especial em matéria histórica, cultural e de costumes) considero erradas ou como inaceitáveis distorções. Acho mesmo que a importância deste tipo de publicações na criação de uma ideia de um país no imaginário dos leitores é fortíssima - e digo isto pelo modo como eu próprio reajo ao ler guias sobre outros países. Por essa razão, entendo que a "diplomacia pública" de Portugal passa também pelo modo como soubermos influenciar o que , sobre nós, é dito nesses guias.

Mas é a propósito do velho "Guia de Portugal" - sou um feliz proprietário das 1ªs edições de todos os seus volumes - que gostaria de deixar umas breves notas. Trata-se da recriação portuguesa, embora em moldes de escrita bem mais elaborados, dos guias Baedeker, que tanto sucesso fizeram na Europa no final do século XIX e inícios do século XX.

O primeiro volume do "Guia de Portugal" foi lançado em 1924 e dedicou-se ao tema "Generalidades - Lisboa e Arredores". Foi seu organizador e principal autor Raul Proença e conta com preciosos textos de grandes figuras da cultura portuguesa como Aquilino Ribeiro (Etnografia), António Sérgio (História), Reinaldo dos Santos (Arte), para além imensos textos do próprio Raul Proença e colaboração vária de Matos Sequeira, Afonso Lopes Vieira, Jaime Cortesão, José de Figueiredo, Teixeira de Pascoaes, Júlio Dantas, Pina de Morais, Orlando Ribeiro, Raul Lino, etc. É um volume riquíssimo, praticamente sem par. As descrições de Lisboa e percursos nos arredores, de uma região onde hoje sobram apenas os monumentos e escassos excertos de paisagens, são um imenso prazer de leitura. A capa de Raul Lino é, em si mesma, de uma bela simplicidade.

O 2º volume publicado, ainda pela Biblioteca Nacional, sobre "Estremadura, Alentejo, Algarve", foi impresso no final de 1927 - isto é, já sob ditadura militar. Nele estão alguns dos nomes do volume anterior e, também, outras figuras como Brito Camacho, Carlos Selvagem, Hernâni Cidade, Rodrigues Miguéis, Sarmento de Beires, Teixeira de Sampaio, etc. O prefácio é assinado por Raul Proença, agora já na qualidade de "ex-chefe dos serviços técnicos da Biblioteca Nacional". O regime tinha-o, entretanto, demitido das funções que ocupava desde 1911...

O prefácio que Proença escreve para este 2º volume revela que o Guia não quer ser um "bonzo doméstico", para o "fútil destino de ornamentar as estantes e os móveis das saletas". Quere-o "um companheiro de viagem (...), pronto a ser consultado a cada momento", pelo que necessita de ser "um livro portátil, que se pudesse folhear a todo o momento". Do texto transparece já, todavia, uma amargura profunda em Proença, sintoma do seu destino político e pessoal trágico, depois de ter combatido com armas o novo regime, que o levaria ao exílio, aqui em Paris, onde viveu alguns anos em condições de enorme dificuldade, em St. Germain-en-Auxerrois.

Só em 1944 é que sai o 3º volume, sobre "Beira Litoral, Beira Baixa e Beira Alta", ainda sob a chancela da Biblioteca Nacional, assinalando-se, no prefácio, que a responsabilidade da edição recai agora sobre um "núcleo de amigos" de Raul Proença, depois da morte deste, em 1941. O nome de Sant'anna Dionísio aparece agora como o novo coordenador do projecto e seu principal impulsionador, e assim será até ao final da edição completa, nos anos 70. Note-se que, neste volume, vão aparecer ainda textos de Alberto de Oliveira, Egas Moniz, Eugénio de Castro, Ferreira de Castro, João de Barros, Raúl Brandão, Rodrigues Lapa, Tomaz da Fonseca ou Vitorino Nemésio.

Uma nova interrupção faz com que, só em 1964 e 1965, saiam os dois volumes relativos a "Entre Douro e Minho", o 1º sobre o Douro Litoral e o 2º sobre o Minho, com Sant'anna Dionísio como impulsionador, mas agora sob a responsabilidade editorial da Fundação Calouste Gulbenkian. A qualidade dos colaboradores, há que dizê-lo, baixa drasticamente nestes volumes. Finalmente, em 1969 e 1970, são editados os últimos volumes, sobre "Trás-os-Montes e Alto Douro", um sobre "Vila Real, Chaves e Barroso" e outro sobre "Lamego, Bragança e Miranda". Neste caso, há novos colaboradores conhecidos: João Sarmento Pimentel, Jorge Dias, Miguel Torga, Ribeiro de Carvalho, etc.

A Fundação Gulbenkian reeditou, desde então, todos os volumes do "Guia de Portugal". Vale a pena tê-los, porque é uma interessante leitura de um outro Portugal (embora sem a Madeira e os Açores) que aí ficou registada.

Recomendaria ainda às novas gerações que conhecessem um pouco mais a figura honrada e a grande personalidade da nossa cultura que foi Raul Proença, a alma por detrás do "Guia de Portugal". Por exemplo, aqui ou aqui.

5 comentários:

Anónimo disse...

Li o artigo no DN e logo vim à net procurar saber algo mais sobre o Guia de Portugal da Bibloteca Nacional. Curiosamente encontrei no seu blog este esclarecimento sobre o tema, o que muito agradeço.
JF
Santarém

Gil disse...

Há algumas semanas, José Fonseca e Costa estreou um documentário intitulado "Os mistérios de Lisboa ou What The Tourist Should See" , que terá versões em várias línguas. embora o "original" seja em inglês e comentado pela voz de Peter Coyote.
Este documentário é a adaptação cinematográfica de um guia turístico muito especial
Foi escrito em 1935, em inglês, por Fernando Pessoa, com o título "Lisboa - What The Tourist Should See", e era a primeira parte de um grande projecto do poeta para divulgar aos estrangeiros as grandezas de Portugal.
Pessoa era um apaixonado pela cidade de que conhecia cada recanto e cada encanto e em que deambulava embevecido.
O livro foi recentemente reeditado, numa edição bilingue português e inglês, julgo que na "Companhia das Letras".

José Couto Nogueira disse...

Gostei do seu post. Tenho a colecção da Gulbenkian, tudo reedições e, estranhamente, não indica quais as datas dos originais da Biblioteca Nacional. A minha dúvida era com o de Lisboa, que costumo seguir, e que realmente é de uma Lisboa que já não conheci. Em todos os guias há informações que se desactualizaram (mas valem pelo sabor); agora, as descrições de igrejas e monumentos, que não se desactualizam, são ainda as melhores que se publicaram até hoje. Aliás muitos autores de guias (inclusive eu) usam-nos como referência.

António P. Martins disse...

Ainda a propósito do Guia de Portugal de que possuo as primeiras edições, com excepção da do III volume, verifico que relativamente ao I volume apareceu, já sob o patrocínio da Gulbenkian, em 1974, uma segunda edição repartida por dois tomos, tendo o primeiro por sub título "Generalidades - Lisboa", que possuo. Suspeito que o segundo tomo não chegou a sair, mas sim uma nova edição desse I volume, na íntegra, talvez por se ter considerado menos feliz a solução a que se refere a nota de rodapé da pág. XIII desse I Tomo, que tornava pouco cómoda a sua consulta. O que é certo é que não vejo hoje quaisquer referências a esse I tomo do volume I, nem mesmo nos catálogos das edições da Gulbenkian.
Tenso dúvidas a respeito desta curiosidade bibliográfica gostaria de as ver esclarecidas.
António P. Martins
Carcavelos

Armenio almeida disse...

tenho o volume 1 e 2 do Guia de Portugal possivelmente primeiras edições gostaria de saber onde posso leva-los para saber o valor aproximado, estão em considerável estado de conservação dado a sua idade e cuidado que não foi muito.
obrigado ficio a aguardar noticias.