quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Uma cunha na hora!



Aquela figura da "geringonça" olhou para mim com um ar perplexo, quando deixei cair, em conversa, que podia estar interessado num determinado cargo oficial. 

Ouvira-me, nos últimos dez anos, jurar a pés juntos que não estava disponível para exercer qualquer lugar no âmbito do Estado pelo que havia agora qualquer coisa que não batia certo.

- Era capaz de aceitar uma certa função não remunerada...

Bom, isso já podia ter algum sentido, deve ter ele pensado, julgando que eu estava a meter uma discreta "cunha" para um lugar de prestígio.

- É um cargo que ambiciono desde há cerca de três décadas.

Isso atirava para os anos 80. Pediu-me que concretizasse.

- Era para membro da Comissão Permanente da Hora.

"Comissão Permanente da Hora"?! O que faz essa comissão? Expliquei que, por lei, lhe compete "estudar, propor e fazer cumprir as medidas de natureza científica e regulamentar ligadas ao regime de Hora Legal e aos problemas da hora científica". Ora eu tinha reparado, há muito, numa falha na lei: era inconcebível que o Ministério dos Negócios Estrangeiros não estivesse representado nessa comissão, pelas implicações que o regime da hora legal tem nas relações internacionais e na ligação com as instituições comunitárias. Impunha-se, desde logo, uma revisão da legislação nesse sentido.

- Tem lógica, disse ele. 

Mas, pondo os pés na terra, logo refletiu: mas por que é que eu queria esse lugar, um lugar não remunerado numa comissão que reunirá, talvez, uma vez por ano? E o que é que eu sabia do assunto para me qualificar para essa função? Pacientemente, expliquei que tinha passado por mim, noutros tempos, a questão do regime europeu da hora, pelo que sabia tanto ou mais do assunto como qualquer outra pessoa de lá do MNE.

- Lá isso é verdade. Mas estás mesmo a falar a sério?

- Claro que sim e agora tenho mais tempo, o que deve ser importante para um organismo que trata da hora... 

- Mas seria necessário mudar a lei. E o MNE teria de propor isso. Pode demorar...

"Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo".

- Bela frase! É tua?

- Não, é do Saramago.

Fiquei na dúvida sobre se esse meu amigo acreditou mesmo no que lhe "pedi". Um reformado a representar o Estado... Só eu é que tenho tempo para estas brincadeiras. Mas é Natal, ninguém leva a mal.

1 comentário:

Francisco Seixas da Costa disse...

Esqueci-me que existia o Ignatz! Já veio por aqui tentar lançar insídias, de que eu estava a comprometer a gerinçonça e coisas assim. Ele bem tenta entrar neste blogue, mas só tem sorte no Laranjina C, onde o deixam brincar com as palavras. 2017 será o ano do "outing" do Ignatz? Era a sua glória...