sábado, 11 de junho de 2011

Festas

Há anos que não vou às festas de Lisboa. Ontem, ao conversar com os fadistas que por aqui vieram para o espetáculo do Théâtre de la Ville (e, no caso de Camané, também para uma sessão em Orléans, para onde partirei daqui a pouco), soube algo mais sobre a vitalidade festiva destes dias lisboetas, em torno de Santo António. 

Embora eu seja muito pouco dado a nostalgias (arranjo sempre maneira de me sentir em casa nos sítios onde vivo, o que é um segredo para o bem-estar diplomático), confesso que me faz falta o flanar pelas noites lisboetas, com cheiro a sardinhas, música a rodos e cenas de arco-e-balão, nestes dias de junho. 

Ao comentar, na noite de ontem, que a única coisa que não me entusiasmava nada, nesta animação sazonal de Lisboa, eram as marchas populares, um amigo, que tenho de visita cá por casa, comentou, críptico: "bem me parecia que estás cada vez menos marchista..."

9 comentários:

Anónimo disse...

Já agora é de bom tom lembrar as festas de o Sto António, em Vila Real de Trás-Os-Montes; e em Vila Verde; em todos os cantos de Portugal, onde este homem de Deus se festeja.

Cunha Ribeiro

Fábio Paulos disse...

eu irei sair pela segunda vez para a noite de sto António em Lisboa, é fantástico sentir a cidade cheia de vida.

Anónimo disse...

Vivo no Brasil, e Lisboa sempre me aguarda para a festa do Glorioso Santo Antônio.
É uma delicia esta festa, em toda a cidade se vive esta alegria e com uma pureza lírica estonteante. Não se vê um desentendimento, só alegria e o cheiro de sardinha, que cá também não temos. Que pena!
O carnaval que de festa e alegria não se tem nada, e se quiser ver desfiles tem-se que desembolsar bom dinheiro, e correr um bom risco de ser assaltado, não vale arriscar por tão pouco. Quem não participa, não sabe o que está se perdendo.
.

Anónimo disse...

Também não sou grande apreciadora das marchas populares porque soam sempre ao mesmo... tal como os desfiles do carnaval brasileiro.

Gostei, particularmente, do estilo da sardinha que até tem o meu "Santo Antoninho"!

Isabel BP

Anónimo disse...

A sardinha quer-se enfeitadinha, eventualmente por ser pequenina...

Agora Marchista...
é o máximo!

Isabel Seixas

Anónimo disse...

É que eu sou Marchista...
Nunca me tinha ocorrido...
Que horror, isso põe quase tudo em causa...

ÓOOOOOOOOOOO,Louvado seja Deus!!!
Isabel Seixas

Anónimo disse...

É pena; afinal, pode gostar-se das marchas sem ser praticante, isto é, marchista.

Helena Oneto disse...

Troublant jeu de mots....
Nesta deliciosa sardinha marchava eu sem arco nem balão:)!

zamotanaiv disse...

Hehehe!