quinta-feira, 23 de junho de 2011

"Back home"

O presidente Barack Obama acaba de anunciar uma retirada de parte das tropas americanas presentes no Afeganistão. Trata-se de uma decisão que, seguramente, deve ter assentado numa avaliação positiva da evolução da situação securitária no país e, do mesmo modo, deve estar ligada aos recentes contactos empreendidos por Washington com os "taliban".

A ninguém escapa que, por detrás desta decisão, estão também razões de política interna americana, em tempos de crise económica, de impopularidade dos compromissos militares externos e, "last but not least", quando se aproximam eleições nos Estados Unidos.

A operação liderada pelos EUA no Afeganistão foi executada sob a legitimidade de um mandato das Nações Unidas e com um importante empenhamento dos parceiros da NATO, que plenamente partilharam as razões de segurança que justificaram aquela ação militar. Agora, os governos desses países, colocados perante esta decisão americana, não poderão furtar-se à pressão das respetivas opiniões públicas, que os tentarão conduzir no mesmo sentido da posição tomada pelo presidente Obama. Prouvera que tudo isto se não faça em detrimento de todo o esforço coletivo desenvolvido desde há quase uma década no Afeganistão. 

3 comentários:

Fada do bosque disse...

Sr. Embaixador, eu pouco entendo de política estrangeira, mas esse gesto de bondade do mais pacifista dos Presidentes dos EUA, não seja assim tão apenas de fair play para a sua reeleição... talvez este novo empreendimento lhe interesse mais de momento. Mas antes de se recandidatar. deveria dar contas disto...
A propósito, parece que fugiram dezenas de terroristas talibãs das prisões do Yémen e segundo testemunhos de activistas humanitários, foi com a cumplicidade dos guardas prisionais... http://timesofindia.indiatimes.com/world/middle-east/40-al-Qaida-militants-escape-Yemen-jail-Officials/articleshow/8950832.cms

Anónimo disse...

"Prouvera" In FSC


Prouvera aos deuses, meu coração triste, que o Destino tivesse um sentido! Prouvera antes ao Destino que os deuses o tivessem!

Sinto às vezes, acordando na noite, mãos invisíveis que tecem o meu fado.

Jazo a vida. Nada de mim interrompe nada.

(...)




Que milagre nos salvará da sinistra mania de ter razão?

Bernardo Soares

Prouvera
Permita-me
Isabel Seixas

Helena Sacadura Cabral disse...

Dizem-me amigos a viver nos EUA que a reeleição de Obama não é coisa adquirida. A economia não arranca e a dívida é astronómica.
Esperemos para ver quem os conservadores apresentam dado que as Tea party são tontinhas.
As tropas retornam, mas as razões são como diz, diversas. Mas eu não estou segura que o Afganistão não venha a ser, outra vez, um problema...