quarta-feira, 22 de junho de 2011

Humor político

Uma excelente iniciativa francesa é o prémio anual "Press Club humour et politique", que consagra "bon mots" de figuras públicas.

O vencedor este ano foi o antigo primeiro-ministro socialista Laurent Fabius, premiado por esta frase: "Mitterrand é hoje adulado, mas ele já foi o homem mais detestado de França. O que não deixa de constituir alguma esperança para muitos de nós...".

Veja-se esta de Nathalie Artaud, candidata trotskista da Lutte Ouvrière às próximas eleições presidenciais, que afirmou: "Eu talvez não seja eleita presidente da República, mas não serei a única".

Notável também foi o dito do antigo ministro chirarquiano da Cultura, Renaud Donnedieu de Vabres: "Passar de ministro a passeador do nosso cão supõe um enorme trabalho sobre nós mesmos".

Uma das minhas preferidas é, porém, a frase de Patrick Devedjian, cujo futuro político parecia ameaçado pelos muitos inimigos que criou e que acabou por ter um resultado surpreendente nas últimas eleições cantonais: "Havia tanta gente no meu enterro que eu decidi não estar presente".

6 comentários:

Carlos Pires disse...

Invertida a frase de Fabius aplica-se muito bem a José Sócrates: primeiro adulado depois detestado.

Anónimo disse...

São todas muito engraçadas, mas a última frase é simplesmente genial!

Isabel BP

Anónimo disse...

São todas o máximo.
Isabel Seixas

ARD disse...

Carlos Pires, dê tempo ao tempo...

Anónimo disse...

Essencialmente descomprometidas ou comprometidas com o Eu...

De qualquer forma é a Habilitação de pós doutoramento que se adquire com o conseguir a eleição e se esfuma no secundário como em perdição ...

Os determinantes "são" o enquadramento patente e a força dos Nossos do Momento, que abandonam no culminar da chegada da data de validade expirada...

O tempo o dirá da esperança, da renascença e na reencarnação os defeitos encontrados subverter-se-ão em qualidades aclamadas...

Oh !!! Como se não houvesse um déjà vu...

Só espero que a sovinice dissimulada não floresça
que a sua promiscuidade
do Nada, asfixie por perrice
a qualidade ansiada
A quem quer e que nasça.

Isabel Seixas

Helena Sacadura Cabral disse...

Também gosto da de Soares com o seu célebre "direito à indignação". Pena que esta nova fórmula jurídica pouco se tenha implantado emtre nós!
Há outra de Thomas Jefferson de que me lembro quase todos os dias: "apolítica é uma praga tal que eu aconselho todos a não se meterem nela".