sexta-feira, 10 de junho de 2011

Eurico Figueiredo



Na minha adolescência, em Vila Real, o nome de Eurico de Figueiredo identificava um estudante de "ideias avançadas", saído anos antes da cidade, que liderara as lutas académicas lisboetas de 1962 e que, depois de uma agitada passagem pela universidade de Coimbra, se exilara na Suíça. Só o vim a conhecer muito depois do 25 de abril, quando regressou a Portugal para exercer psiquiatria e, posteriormente, para se envolver na ação política, da qual um dia acabou por se cansar - e talvez com razão.

No passado sábado, numa sessão no Governo Civil de Vila Real, tive o prazer de colaborar na apresentação de uma sua obra literária onde, através de textos ficcionados de e-mail, traça os encontros e desencontros de uma geração onde muitos de nós nos podemos rever. Uma escrita que marca o seu regresso à terra de onde um dia partiu.

2 comentários:

ARPires disse...

Eurico Figueiredo só poderia seguir as ideias e ideais de seu pai (que descanse em paz) Otílio de Figueiredo.
Hoje, e em face das mudanças ocorridas no mundo é natural que o cansaço surgisse, a desilusão é imensa, não só para o Eurico, mas para muitos “revolucionários” ou
“falsos revolucionários” daquela época.

Anónimo disse...

Conheci o Pai ,um sr. interessantíssimo,(Os filhos puxaram bem ao pai...Com todo o respeito) também médico e escritor ainda me lembro de ter uma livraria algures na proximidade do inicio da rua direita, quem vem do sinaleiro ...

Conheci bem o irmão, meu professor de cirurgia no curso, excelente comunicador médico e cirurgião, do Dr. Eurico já acompanhei alguns dos seus pareceres sobre a temática da prevenção das toxicodependências, tenho suficiente motivação para o ler.

Vou-me ver pouco aflita para ler tudo e todos que sugere, assim não há quem dê vazão...

Isabel Seixas