quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Pedras ainda Salgadas

A senhora directora de Pessoas e Comunicação da Unicer teve a amabilidade de deixar um comentário no meu anterior post, sobre a questão do Parque Termal das Pedras Salgadas. Fico grato por essa gentileza e estimulo sinceramente os leitores deste blogue a que leiam tal texto, até porque ele é auto-explicativo.

Sobre esta questão, que espero deixará de mobilizar este blogue, mas que cuidarei que não abandone, no próximo futuro, outras áreas da comunicação social e da mobilização cívica em Portugal, gostava de deixar ainda alguns pontos.

O primeiro, e óbvio, é que nada me move, em particular, contra a empresa Unicer, de que sou regular cliente, tal como muito portugueses. Tenho pela Unicer o respeito que me merece qualquer outro investidor, em especial os que se disponham a criar riqueza de que possa usufruir a minha terra natal - Trás-os-Montes. E não deixo de ficar satisfeito pelas notícias que a comunicação da Unicer me trouxe sobre Vidago. Mas a minha questão não tem a ver com Vidago, tem a ver com as Pedras Salgadas. Percebo que, para a lógica da Unicer, essas possam ser duas realidade numa só. Mas as pessoas que vivem nas Pedras Salgadas... não vivem em Vidago!

O segundo ponto, para que não subsista a mínima dúvida, é que recuso ver esta questão instrumentalizada politicamente e que me são alheios quaisquer litígios paroquiais de natureza partidária, nomeadamente os que possam resultar de comentários desse teor colocados neste blogue. A política não é chamada para aqui!

O terceiro é para afirmar que me preocupa, essencialmente, o futuro, económico e social, da vila das Pedras Salgadas, terra onde a minha família tem raízes há já alguns séculos, como quem de lá é bem sabe.

Num quarto ponto, quero dizer que, embora lamentando muito, a comunicação da Unicer não me convence em nada e só confirma as minhas anteriores perplexidades. E quero constatar o que me parece evidente: fazer sobreviver o Parque, com duas ou três fontes, alguns pavões e uns equipamentos esparsos é um "tapar de olhos" e não é sinónimo de devolver às Pedras Salgadas o que a Unicer lhe retirou.

A sustentabilidade do Parque como espaço de usufruto não é independente da existência nele, ou não, de uma unidade hoteleira que garanta a regular movimentação anual de pessoas por aquela terra. Quem quiser fazer uma cura de semanas de águas termais, frequentar durante dias o tal futuro spa e usufruir por um período razoável do Parque - onde dorme? Acampa? Quando a Unicer tomou conta do empreendimento, o Parque tinha um hotel, o Hotel Avelames, (de que mostro uma imagem bem antiga) onde, num passado não muito longínquo, eu próprio fiquei alojado, por mais de uma vez. Não era de alta qualidade? Pelo menos, as gestões Sousa Cintra e Jerónimo Martins mantiveram um hotel razoável. A gestão Unicer acabou com qualquer hotel.

A quinta e nota final é a constatação da realidade insofismável que é o facto da Unicer continuar a recusar-se a responder à simples pergunta: vai ou não construir-se o "Hotel Siza Vieira" nas Pedras Salgadas, como se comprometeu e como a sua direcção anunciou publicamente? Se sim, quando começam as obras e quando se prevê que essa unidade hoteleira esteja em funcionamento? Essa é a única questão que, ao que julgo saber, os habitantes e os comerciantes das Pedras Salgadas gostariam de ver respondida. E eu também.

Ora a Unicer parece continuar a "assobiar para o lado" e a carta da senhora directora enreda-se (e procura enredar-nos) num linguarejar de matiz economicista, com toques de "responsabilidade social" que podem ir com o ar empresarial "modernaço" dos tempos, mas que não vão com a cara que a Unicer tem hoje perante as Pedras Salgadas.

E, já agora, é quase de gargalhada e ofensiva a ideia de irem "reabrir" o parque em Outubro. Em Outubro? No fim da época termal? Só se alugarem clientes... Depois, claro, quando se constatar o deserto de visitantes, mais fácil será argumentar que não há sustentabilidade para a existência de um hotel. Perguntem aos pobres proprietários dos restaurantes das Pedras Salgadas a sua opinião sobre esta "oportuna" abertura!

Quanto ao convite pessoal que a Unicer simpaticamente me faz para visitar os Parques, agradeço-o, mas não o aceito. O que eu pretenderia, como muita e muita gente que conheço, era que me fosse dado um endereço de e-mail ou um telefone que me permitisse marcar as minhas férias no "Hotel Siza Vieira", que a Unicer anunciou, com todas as parangonas, que ia construir no Parque Termal das Pedras Salgadas. Posso tê-los? Quando puder, eu acredito na boa-fé da Unicer.

Até lá, fico também à espera, com imensa curiosidade, das explicações da AICEP e da CCDRN relativas aos fundos de natureza pública de que a Unicer possa ter beneficiado para o projecto do Parque Termal das Pedras Salgadas e do modo como essas entidades apreciam o atraso na conclusão do que com elas terá sido acordado. Só assim terminará o "desconhecimento da situação" de que a Unicer me acusa mas que, pelos vistos, é partilhado por muito mais gente.

30 comentários:

José Eduardo Machado Alves Quinteiro disse...

Exmo. Sr. Embaixador Francisco Seixas da Costa
Em primeiro lugar, permita-me que lhe refira que tentei não dar qualquer conotação politica ao meu comentário, pois antes de ser candidato a presidente de câmara, sou Transmontano e natural do concelho de Vila Pouca de Aguiar, terra que escolhi para a minha actividade profissional e na qual resido. Inclusive já morei em Pedras Salgadas.
Assim, limitei-me a expressar a minha preocupação com o futuro daquele lugar, bafejado pela natureza para ser uma linda Vila Termal, como outrora já foi, mas que se mantém em agonia (económica e social) há bastante tempo, sustentada em promessas vãs, que agora, face a uma atitude pensada da UNICER, levarão ao fim do Termalismo em Pedras Salgadas.
Só não vê quem não quer. A desactivação do Hotel Avelames, quando as obras de recuperação do mesmo ainda não tinham data de inicio, veio levantar o “véu” daquilo que agora efectivamente se perspectiva. Não vai haver hotel no interior do parque.
A frontalidade, característica dos transmontanos, não poderia estar ausente no meu comentário, como tal não poderia deixar de chamar os “bois pelos nomes” e levantar o dedo aos verdadeiros responsáveis pelo incumprimento do projecto PIN (UNICER) e àqueles que deveriam ser os verdadeiros interessados na sua conclusão.
Quanto ao comentário que enviei, poderia ser apresentado como anónimo e aí dizer de um modo contundente tudo aquilo, que felizmente já é do conhecimento público, acerca do envolvimento de algumas pessoas neste projecto. Mas acima de tudo a frontalidade a coragem, razão pela qual assinei o comentário.
Em segundo lugar, e analisando melhor as duas obras distintas (Vidago e Pedras Salgadas) que a UNICER quer tão estrategicamente unificar, constato que é alarmante a derrapagem orçamental das obras de Vidago, que embora atrasada vai ser cumprida na íntegra e quem sabe se não vai ser suportada (na parte que cabe à UNICER) à custa da não execução das obras em Pedras Salgadas.
Não queria comentar as palavras da Dr.ª Joana Queiroz Ribeiro, pois outra coisa não se esperava, mas não posso deixar de salientar a habilidade em unificar uma obra que além o facto de ter referido que a UNICER “foi quem investiu, nos últimos 25 anos, nestes Parques e podemos assegurar que somos um dos maiores investidores privados na região”. Efectivamente investiram e estão a investir em Vidago, pois o volume de obras assim o justifica, mas quanto a Pedras Salgadas, o investimento maior deve-se ao pagamento dos honorários de “assessorias, fiscalização e outras prestações de serviços”, do que a obra propriamente dita pelo atraso da mesma. É factual a lentidão com que as obras foram desenvolvidas.
Tudo serviu para justificar o injustificável. Até houve quem tentasse imputar a responsabilidade do atraso nas obras ao Sr. Arq. Siza Vieira, dizendo que estava permanentemente a introduzir alterações no projecto. Sejamos honestos e responsáveis. Certamente o Sr. Arquitecto, oportunamente, responderá, se já não respondeu a esta insinuação difamatória.
Mas, tendo em consideração as palavras do Dr. Pires de Lima, deduzo “facilmente”, que ou há uma intervenção rápida e urgente por parte da CCDR e da AICEP, e a UNICER é chamada à responsabilidade, exigindo-se-lhe o CUMPRIMENTO INTEGRAL do projecto PIN, previsto para Pedras Salgadas, ou ao fim de dois ou três anos o balneário fecha, face à não rentabilidade do mesmo. Pois nem sequer há HOTEL.

José Eduardo Quinteiro, Eng.º

Francisco Seixas da Costa disse...

Sr. Engº Alves Quinteiro: Tenho o maior respeito pela posição que assume, acho que faz muito bem em expressá-la e este espaço de comentário serve precisamente para isso. Da mesma forma que, quem tiver posições contrárias, tem à sua inteira disposição este mesmo espaço, precisamente com a mesma liberdade, desde que tudo se faça sempre nos termos de sã urbanidade que têm sido utilizados até agora. O esforço que empreendi é de natureza exclusivamente cívica e pretendeu, muito simplesmente, dar alguma voz a quem pressenti que a não tinha, pelo menos de uma forma suficientemente elevada. O que eu quis dizer na nota que escrevi é que, na minha opinião, só fragiliza o tratamento desta questão o facto dela poder estar ou vir a ser utilizada como arma de arremesso, numa ou noutra direcção, na legítima luta político-partidária que decorre localmente. Aceito que possa estar enganado, mas esta é, pelo menos por agora, a minha perspectiva. Isto quanto às questões de forma, claro. Quanto às questões de substância, julgo que a minha posição não poderá ter sido mais clara. E sê-lo-ão no futuro, porque, pelo menos no que a mim respeita, isto está muito longe de ficar por aqui - como julgo que a própria Unicer já percebeu.

Francisco Seixas da Costa disse...

Tenho recebido alguns (poucos) comentários anónimos tentando sublinhar esta questão em termos político-partidários, com referências pessoais, embora relativamente cordatas, aos candidatos em liça pela Câmara de Vila Pouca de Aguiar.

Entendo não os dever publicar, não apenas por serem anónimos mas, essencialmente, por desviarem para o terreno da luta partidária uma questão que o não é - trata-se de um problema entre uma empresa e uma localidade, à qual foram feitas promessas não cumpridas. Até porque estou certo que, ganhe quem ganhar as eleições em Vila Pouca de Aguiar, essa pessoa vai procurar trabalhar para melhorar o futuro das Pedras Salgadas. E essa é a única questão que me mobiliza.

Aldo disse...

Ex mo Sr. Embaixador Dr. Francisco Seixas da Costa.
Lamento que ainda exista gente como Pires de Lima que não tem pejo em procurar atropelar uma Região tão carente de investimentos e cheia de recursos naturais que poderiam guindar a mesma a ter uma economia de sucesso, para com a qual assumiu por escrito a concretização de um projecto PIN.
Com esta atitude já arrastou outros investidores a colocarem os seus projectos em candidaturas para que Portugal e o Concelho possam aproveitar da mesma forma que a UNICER, fundos de apoio tão necessários.
Neste momento vivem com o credo na boca, porque já duvidam do futuro.
Pela minha experiência de vida e conhecedor profundo do que estamos a falar, espero que o Dr. Pires de Lima apoiado pelo Sr. Presidente da UNICER Sr. Manuel Violas tenham o bom senso em não usar os meios políticos.
Sabem bem que até ao presente momento os assuntos têm sido tratados apenas a nível dos dois intervenientes, porque o Povo esse não é informado pela UNICER, como tal não tem participação activa.
No entanto, para não lhes permitirmos dizer, que existe aproveitamento político, vamos procurar passar mais uns dias à espera que saiam os vencidos e entrem os vencedores, renovados ou outros, não estão em causa.
Após este estado de graça, aos vencedores não deverá ser consentido mais nenhum tempo de tolerância, nem de aprendizagem.
Não podemos consentir, termos que esperar pelos resultados do Pálace Hotel.
É caso para se perguntar ao Dr. Pires de Lima, afinal de que lhe servem tantos títulos?
Estudos e mais estudos, projectos e mais projectos, nomes de renome internacional, pagos a peso de ouro, para depois virem com o achaque de que a conjuntura não o permite?
Em determinado momento do discurso que vem de dentro da UNICER, dizem que com o Pálace se duplica o número de quartos da Região, representando dizer que já é excelente, também em minha casa costumo dizer que há sempre lugar para mais um, transformo o sofá da sala em sofá cama, como tenho mais uma sala de costura, coloco mais um colchão insuflável destes modernos e rapidamente duplico o número de dormidas em minha casa, passando de 4 pessoas para 8,fantástico, dupliquei!
Os Senhores ainda não aprenderam a vender se quer águas, estas felizmente vendem-se por si só, porque alguém, em tempos passados, com meios totalmente diferentes dos actuais,sem auto-estradas, conseguiu usando os Hóspedes dos seus Hotéis e Pensões, levar o nome de Pedras Salgadas bem longe, estando assim vendidas as águas, que quentinhas fazem bem à digestão, Hotel sem Águas das Pedras não é Hotel. Penso que sabem disso, é que nós também sabemos!
Hoje os Senhores dizem por um lado que fazem tudo, por outro só falam de dificuldades.
Senhores da UNICER não procurem adormecer-nos, já perdemos o sono e a paciência.
Sabendo que sem elas as vendas dos vossos restantes produtos caiem a pique!
Será que nós não sabemos do quanto positivamente pesa nos vossos resultados finais o nome de pedras Salgadas?
Para os deixar dormir, não vão fazer em Pedras o que já está programado para Vidago, Um Resort Fechado!
São estes os sentimentos para com um Povo que viveu sempre ao lado do seu Parque Termal, das Fontes, Do Golfe, do convívio com os Aquístas e com ele fechado de que vão viver? Não resisto a uma crítica, é impossível não escrever: Existem Políticos responsáveis neste Concelho de Chaves? Digo Políticos, porque todos e não só os do poder são responsáveis!
Que vergonha. Por hoje é tudo.
Sr. Embaixador descendente directo de Família que tanto carinho dedicou à sua Terra Natal e às suas Termas, obrigado pelo seu importante apoio, espero poder vir a apertar-lhe a mão.

José António Carvalho disse...

Exmº Senhor Embaixador,

Sendo natural e residente no Porto, tenho o privilégio e o orgulho de dizer que vivo e sinto Pedras Salgadas, paixão que herdei do meu Pai, José Eugénio de Carvalho(de quem, creio, se lembrará) que há mais de quarenta anos ali fazia questão de passar, religiosamente, três semanas em Agosto.

Por isso passo férias nas Pedras desde que nasci e, sempre que posso, às Pedras me desloco para gozar da companhia dos amigos que ali me orgulho de ter; é que, contrariamente ao que li no jornal local, os visitantes não se limitavam ao Parque, alheios a tudo o que existia fora dele.

Só assim, e também porque se calhar não seríamos gente de tão má índole como também se afirmava nesse jornal, se entende que a amizade que criei com muitos dos habitantes dure há quase tantos anos como os trinta e oito que já conto.

Meu Pai faleceu em 2005 com a jovem idade de 93 anos, após gozar nas Pedras a habitual estadia de três semanas em Agosto, acrescida de uns dias em Setembro desse ano.

Teve a felicidade de nunca ver, como agora tristemente veria, um cadeado no portão do Parque (que decerto, dado o seu temperamento, depressa tentaria fazer desaparecer).

Felizmente não assistiu à quase total ausência de visitantes (à excepção do seu filho e de um punhado de outros teimosos) e ao total abandono do Parque.

Felizmente que não sabe que os emigrantes já pouco por lá passam e que não presencia o desespero dos comerciantes perante o vazio dos seus estabelecimentos.

Porque então, certamente me questionaria como é possível que a população esteja impedida de visitar o SEU Parque.

Que, em troca da exploração de que beneficia e dos principescos lucros que a “água milagrosa” lhe proporciona, a Unicer apenas retribua, à laia de esmola, com a dispensa de umas quantas grades de águas aos habitantes.

Que, em mais de três anos de “desenvolvimento” de um Projecto de Interesse Nacional, generosamente apoiado pelos cofres do Estado, se tenha apenas procedido à construção (ainda nem sequer finalizada) de um balneário.

Que a mesma empresa venha agora dizer que, afinal, não entende que tal projecto tenha rentabilidade, pelo que já não manifesta interesse em recuperar hotel e casa de chá, ou em criar museus e demais equipamentos, que inicialmente enalteceu como mais-valias para o Parque.

Isto quando a sua situação financeira é tão "delicada" que se disponibiliza para o patrocínio de grandes projectos culturais e desportivos (consta pretender até patrocinar a Selecção Nacional).

E eu, porque também me encontro na “extrema ignorância” que o Dr. Pires de Lima teve a duvidosa elegância de imputar a V. Exª na entrevista que recentemente concedeu, não lhe saberia responder.

Poder-lhe-ia apenas dizer que tenho esperança que poder local e oposição tudo façam para obrigar a Unicer a honrar os contratos que assinou.

Que espero que a população se una para reivindicar o que é SEU e que, como transmontanos que são, não deixem que lhes prendam os braços ou abafem a voz.

E que, não tendo filhos, um dia que os tenha quero com eles desfrutar do arvoredo, da sua piscina, do seu balneário, hotel ou aparthotel e da casa de chá do Parque. E ver novamente os cafés e restaurantes da terra cheios de habitantes e emigrantes, assim como de visitantes de outrora.

Porque só assim poderia fazer-lhes entender porque o avô tanto gostava de Pedras Salgadas e porque o pai insiste em passar ali as suas férias.

Por isso, em nome próprio e de meu Pai, peço-lhe que continue e que não deixe de tudo fazer para impedir que Pedras Salgadas se torne apenas numa longínqua e saudosa memória.

Amigo de Pedras disse...

São amigos como José António Carvalho e família, com o carinho muito especial a Pedras Salgadas, transmitido pelo seu saudoso Avô,que todos conhecemos e com quem várias vezes tive oportunidade de jogar golfinho, esse um dos momentos em que os veraneantes e os residentes conviviam salutarmente e a origem de muitas amizades ( exemplo também as famílias Silva e Marciano da Mealhada e Pampilhosa). Por isso o vosso sentir por Pedras e a mensagem que deixam neste registo do Senhor Embaixador é, para nós, um grande incentivo para lutarmos pela sobrevivência do Parque e de Pedras Salgadas.Estou certo que, como transmontanos que somos e com o vosso apoio, Pedras não morrerá, ainda que necessário seja enfrentar a Unicer, Pires de Lima e outros que tentem colonizar esta bela terra do interior. Pedras Salgadas e o seu Parque está ligada a bons momentos da vida de muitos nós e não vamos permitir que essas memórias desapareçam. Contamos com o vosso apoio e acreditem que vamos conseguir contrariar as intenções de quem apenas pretende levar as nossas águas.

Antes quebrar que torcer disse...

Pires de Lima e a Unicer devem refletir no seguinte:
1- Os interesses industriais que a Unicer explora em Pedras Salgadas é resultante de uma CONCESSÃO, tirando partido de um bem que brota do subsolo de Pedras Salgadas-
2 - Esta concessão está sujeita a contrapartidas e a Unicer parece não entender isso pois tem tratado este assunto como de uma fábrica de cerveja, sumos ou outro produto que pode ser localizada onde entenderem-
3 - A unidade de engarrafamento, para azar da Unicer, não pode sair de Pedras Salgadas, nem ser deslocalizada, ainda que isso tenha acontecido com a de Vidago. Mas deve ser mais complicado levar uma conduta de águas para Leça.
4- Deriva das contrapartidas que o Parque e Equipamento Termal ( Balneário e Hoteis) devem ser mantidos em funcionamento, pois as águas sao minero-medicinais e dai deriva a possibilidade de permitir tratamentos no local ( daí a essência do Parque e das Termas).
5 - Se a Unicer persistir e venham a confirmar-se as piores expectativas, os representantes do poder local com o apoio da população, através de Movimentos ou Associações Locais, devem avançar para uma luta concreta, através da via judicial e outras,para obrigar a concessionária a cumprir ou retirar-lhe a concessão das águas.
6 - Retirar-lhe a passagem da tubagem da água na via pública, impedir a saída de camiões de aguas, derramas, providências cautelares e muitas outras medidas e veremos se Pires de Lima e a Unicer fazem ou não fazem o que prometeram
7 - Antes dos milhões das águas irem produzir riqueza noutros lados e postos de trabalho, devem ser investidos em Pedras Salgadas.
8 - Pires de Lima que vá considerando que a Empresa poucos postos de trabalho proporciona aos locais, ao contrário de centenas que havia noutros tempos.
9 - Se o Aquanatur não for integralmente cumprido e a tempo e horas que conte a Unicer com luta forte e até recorrendo a todas as vias, para averiguar a aplicação de dinheiros públicos, benesses fiscais e tudo o que tenha a ver com esse processo-
10 - Vamos deixar passar o período eleitoral para os políticos deixarem de pensar serem questões partidárias. Depois disso e a manterem as promessas enroladas, nada vai ser como dantes e os políticos que forem eleitos vão ter que entender que se estiverem com a Unicer estão a trair Pedras Salgadas e o seu povo.
Uma sugestão final - Tenham cuidado com a dita inauguração ou simples abrir de porta do Balneário, em vesperas dia eleitoral. O tiro pode sair pela culatra pois o povo não é parvo, nem temos Domingos Dias como tal. E a propósito, será que Pires de Lima viria nesse dia .... Que guarde a inauguração para o dia em que apresente tudo cumprido conforme prometeu e que não demore muito pois a nossa paciência vai-se esgotando..

Inacreditável disse...

Mais uma informação da UNICER sai para o exterior.
Colocando os menos conhecedores com expressões de espanto!
Será possível que a água de Vidago Salus tenha uma quebra de vendas, em apenas 4 anos de 5.000.000 de litros?
Passando dos 7.000.000 de Litros em 2005 para apenas 2.000.000 Litros actualmente!
Não estranhem caros leitores, é que se visitarem o SITE da UNICER e consultarem o sector das águas podem verificar que a publicidade à referida água já não existe.
Então é caso para perguntar, porque motivo desperdiçaram largas somas de milhares de Euros numa conduta com quase 11km de extensão, trazendo a mesma para ser engarrafada na área industrial de Pedras Salgadas?
Foi o ardil para acabar de vez com a marca?
Problemas com a conduta?
Deixo a dúvida aos entendidos e aos que deveriam ser responsáveis!
Mas curiosamente é em Vidago que estão os grandes investimentos!
Obra a inaugurar na totalidade na Primavera de 2010!
Meus caros conterrâneos, antes quebrar que torcer, não podemos permitir que saindo de Pedras Salgadas o referido OURO SALGADO, se torne AMARGO para nós e DOCE para a UNICER e DR. Pires de Lima, cujo salário e dividendos pelos malabarismos não será assim tão lisonjeiro.
Terminando e falando de malabarismos, no SITE da UNICER, podem ver que existe publicidade à água de Melgaço com o destaque de “Fonte de Bem-estar”.
Certamente se preparam para mais um golpe de mestria com mais um “Projecto PIN” para “iludir políticos”, beneficiar de verbas para serem canalizadas para onde muito bem entendam e os deixem.
Continuamos atentos apenas navegando em águas aparentemente calmas pelo período que atravessamos, mas não estaremos disponíveis para pactuar com inaugurações de carácter estritamente político, para após as mesmas voltarmos a ter portões fechados e obras a meio gás.
Leitor atento, escreva o que lhe vai na alma, lutar é próprio dos que amam a sua Terra, não existe o direito de nos condenarem.

Leitor atento de Vila Real disse...

Ao consultar este blog, qual o meu espanto.
A Empresa UNICER não cumpre o compromisso com o Estado e a Economia Nacional.
Vejamos porquê:
Os dinheiros públicos dos cofres do Estado provenientes dos nossos impostos foram concedidos à UNICER para transferir as linhas de engarrafamento das águas de Vidago Salus para a plataforma industrial de Pedras Salgadas, através de conduta própria em aço inox, ao longo de 11km, distância entre Vidago e Pedras Salgadas.
Com esta concentração de linhas de engarrafamento, seria óbvio diminuir os custos de produção, mesmo gerando desemprego o Estado está a financiar e seria minimamente exigível aumentar a produção de águas de Vidago Salus.
A realidade é outra:
Há cinco anos atrás venderam-se 7.000.0000, presentemente vendem-se 2.000.000.
Este projecto da UNICER apoiado com dinheiros públicos, gerou uma receita negativa.
Esta é uma empresa séria?
O Estado financia projectos para criar:
- Riqueza e emprego.
Ou
- Pobreza e desemprego.

Exigimos ao Estado que tome medidas.

Anónimo disse...

As Pedras já foram um dos melhores complexos termais de Portugal, pela evidente e simples razão porque também tinham alojamentos dignos. Hoje os senhores da Unicer que só querem o `0uro líquido´ e aquistas talvez da Quinta do Lago com umas Pedras tutti-frutti ou levíssima (até isso desvirtuaram), não respeitam a memória das Pedras e não compreendem a essência de um parque termal que implica alojamento para os frequentadores, sendo fonte de riqueza para si e por inerência também para as zonas adjacentes
Foi com grande indignação que também soube que o Parque está invisitável. Isto começa a ser sinistro, a Unicer é um Big Brother controlador, com todos os lucros para si dono da grande torneira, parecendo ser invisível e ausente da região onde opera, não tendo o mínimo de respeito por ela, não gerando riqueza e postos de trabalho directos e indirectos.
É Portugal outra vez no seu pior como nas pescas com um mar enorme sem barcos, um clima maravilhoso e uma agricultura e floresta inexistentes, um país que poderia ser de turismo com aldeias horríveis.
Não é o masoquismo usual, mas realmente não potenciamos e exploramos o que temos, a Unicer com o modus operandi que estabeleceu nas Pedras Salgadas confirma-o!

Pedreiros e Granitos disse...

Que felizes nos sentimos por ver que existem mudanças positivas na nossa sociedade. Este Blog é um forte sinal de que o verniz das unhas está estalado e quase a partir, para colocarmos os direitos de cidadania acima de tudo.
Vamos ao que interessa neste momento esclarecer:
1º. Este projecto nasce com a supervisão da antiga API, CCDRN, estes "Governo", assim como os acordos entre UNICER e a Autarquia de cada Concelho. Estes últimos tiveram nas mãos as decisões entre outras, de consentirem o fecho da fábrica de Vidago e do transvase da água desta para ser engarrafada nas instalações industriais de Pedras Salgadas. Entre os compromissos, havia a garantia da manutenção dos postos de trabalho como a do seu incremento. Além da criação de actividades lúdicas para compensar a perda da frequência das visitas aos Parques Termais com os correspondentes benefícios locais.
2º. Deste acordo há um montante inicial de 47,9 milhões de Euros, divididos da seguinte maneira:
a) Reconversão do hotel Vidago Pálace numa unidade de cinco estrelas 19,6 milhões de euros.
b) Criação de um novo hotel em Pedras Salgadas 16,5 milhões de euros.
c) Modernização industrial de Pedras Salgadas com a eliminação da fábrica de Vidago 11,8 milhões de euros.
d) Os incentivos financeiros podem chegar aos 18.0 milhões de euros provenientes dos cofres do Estado.
e) Unicer conta à partida com um empréstimo sem juros de 12 milhões de euros.
f) O acordo prevê ainda a atribuição de créditos fiscais que podem chegar aos seis milhões de euros.

Ao termos estes dados que têm origem em notícias do Diário Económico, temos todo o direito em questionar, as entidades envolvidas em todo este processo.
Que justificação nos irão dar para os investimentos numa área industrial, quando acabamos de constatar que os motivos invocados na modernização da área industrial para receber a água de Vidago Salus já nem merecem fazer parte do SITE da UNICER onde o Marketing Comercial se torna mais que evidente?
Este escândalo autorizado, é a demonstração clara e mais que evidente do que pretendem fazer na Estância Termal de Pedras Salgadas.
Demoliram o que lhes interessava, dando origem a um tapar de olhos no tempo, fazendo lembrar Sousa Cintra de má memória.
Não há ninguém responsável?
Por hoje é tudo.

SO ACREDITA QUEM QUER disse...

De tudo o que é possivel compilar, em todo o desenrolar do dito projecto Aquanatur, varias posições foram sendo tomadas por responsaveis envolvidos no mesmo e causa estranheza o alinhamento de alguns que ainda acreditam naquilo que a Unicer já nem sequer promete. Pires de Lima disse publicamente, mais de uma vez e já há muito tempo, que o projecto Aquanatur, sobretudo no referente a Pedras Salgadas NÃO vai ser concretizado, como foi prometido e contratualizado com as entidades estatais e financiadores do mesmo. Perante isto o que dizem a AIP, o Governo, o 1º ministro, o ministro da Economia, que assinaram o documento. Simplesmente fazem de conta que está tudo em bom andamento, conforme estava previsto. Localmente, o Presidente da Câmara, duro e inflexivel, em muitos assuntos, aparece neste proicesso a acreditar fielmente nos recados que lhe são transmitidos, recusando acreditar no que os seus olhos vêm, ou seja pouca obra para tanto tempo e a alinhar na versão de que o Parque sem alojamento também serve na mesma, caso para perguntar para que é que os antigos se lembraram de aí construir várias unidades de alojamento. Pelo vistos o Parque das Pedras virá a ser inédito e porventura ficará a ser futuramente conhecido por ser o único parque termal do mundo sem unidades de alojamento- que inteligência a desta gente.E andou Siza Vieira a perder tempo ( não o dinheiro, certamente) a projectar um hotel.
Mas adiante e como estamos em período pré-eleitoral, em que se fazem balanços, se promete a verdade e realizações, nem a alternativa, candidato do PS, ainda que alguma intenção na sua intervenção neste blogue, não será personalidade para defender verdadeiramente os interesses de Pedras Salgadas, porque nunca o fez quando esteve em funções autárquicas e ainda como ex-funcionário, nunca irá enfrentar a Empresa. Do CDS local, presidido por um colega de partido de Pires de Lima,ignorando o tema parque de Pedras, nada veio nem virá que possa enfrentar a Unicer. É caso para dizer que o povo de Pedras e respectiva freguesia estão entregues á bicharada ou então ao seu próprio destino, como quem diz, á luta que têm que encetar por si próprios, para defenderem a sobrevivência de Pedras e a manutenção do seu parque com a traça com que foi concebido e depois da sua destrição, com as promessas do Aquanatur.Com políticos que não são dignos de os representarem, que nem a reboque do povo andam, subjugados ao interesses comerciais e lucrativos de um grande grupo económico, hipotecando o futuro de uma bela terra e de um belíssimo parque. Caso para perguntar... votar ou eleger alguém.. para quê.Se é a população que tem que se defender a si própria... pelo menos que não estorvem..
É este, Senhor Embaixador, o espectro político-partidário com que, neste processo e neste momento, a população de Pedras Salgadas se depara.Pelo menos vamos tendo voz, através deste blog,porque, através do voto, será pactuar com as intenções da Unicer-É esta a triste domocracia que nos rodeia-Muito obrigado.Nota final - Será uma afronta para a população de Pedras a dita inauguração ou abrir e fechar de porta em mais uma tentativa de enganar, a do dia 7 de Outubro, do Balneário dito SPA.Que apresentem mas é desculpas pelo prejuizo que tem causado a Pedras com o encerramento do parque.

rui sousa disse...

tenho estado atento a tudo o que se diz e escreve sobre pedras salgadas, esta linda vila faz parte da maravilhosa freguesia de Bornes de Aguiar,todos aqueles que têm utilizado este espaço para opinarem sobre o que se passa dentro do maravilhoso parque termal, fazem-no sem conhecimento do que se passa lá dentro,podemos não estar de acordo com o pleno traçado pela unicer, mas caramba foram os unicos que em vinte anos fizeram alguma coisa,temos que pelo menos dar o beneficio da duvida,garanto-vos o que esta a ser feito esta ser bem feito, quere-mos mais é verdade, quem como eu ama esta terra quer sempre mais, vamos todos exigir mais, mas por favor vamos deixar trabalhar esta gente.

António de Oliveira disse...

Meu caro Rui de Sousa lamento imenso que "insulte" todos aqueles que só têm escrito verdades. Então somos todos uns ignorantes? Desconhecemos na íntegra o que se passa dentro do Parque? E caramba? O que é isto? Se as suas verdades são tão evidentes, porque é que as visitas ao Parque, só têm sido possíveis para alguns? Felizmente apesar de tudo, alguns desses trouxeram muita informação de lamentos negativos, e nada igual às suas fantasias.
Por outro lado está a ser injusto com a Jerónimo Martins, cuja passagem por estas Termas não deve ser esquecida; pena foi, que tenham surgido problemas ao Grupo levando-o a vender a VMPS.
A eles se deve a recuperação do Hotel Avelames, sendo finalmente após anos de desespero, aberto aos saudosos Aquístas, que vieram dar vida novamente às Termas e à nossa Vila Termal e Concelho.
Com a UNICER veio o encerramento desta unidade sem criar alternativas.
A J.M. instalou um balneário provisório pré-fabricado.
Com a UNICER veio o encerramento do mesmo, enquanto as obras que estão a decorrer na recuperação do Balneário e não de um SPA como lhe querem chamar, poderia ser mantido em funcionamento.
A J.M. recuperou o antigo edifício do Casino.
Com a UNICER serve de armazém de móveis retirados do Hotel Avelames, sem ser visitado, podendo entrar em ruína. Nas traseiras do mesmo esse indício já é bem visível.
A J.M. Recuperou a linda Capela do Parque.
Com a UNICER está em abandono.
A J.M. procurou dar alguma actividade ao Hipódromo das Romanas.
Com a UNICER o abandono é tanto que até o lindo edifício do Salão de Chá já está em total ruína.
A J.M. recuperou os lindos edifícios das Fontes de Sabroso e manteve a área de lazer limpa.
Com a UNICER existe total abandono destas Fontes e o desprezo pela área envolvente deveria envergonha-los.
A J.M. conseguiu fazer obras sem fechar o Parque Termal.
Com a UNICER existe o que todos nós sabemos, demoliu várias estruturas, forma utilizada por Sousa Cintra para nos iludir. Destrói uma linda Piscina para nos oferecer um tanque diminuto, e sem espaço envolvente, faltando ao projecto inicial.
O Hotel Universal é apresentado em painel como parte de um plano apresentado pela UNICER em que o mesmo seria integrado no Parque Termal com o desaparecimento da estrada municipal, sonho de há décadas, desviando esta, para termos uma linda avenida junto ao Rio Avelames. As ideias mudaram-se, levando a que no futuro tenha que ser a Autarquia com os dinheiros de todos nós a ter que dar uma solução a estas ruínas que envergonham esta Vila Termal.
Porquê nós e não a UNICER que beneficia de apoios do Estado e não dos dinheiros da Autarquia, que nos faz falta para tantas outras coisas, por exemplo fazer manutenção séria de limpeza em toda a Vila Termal, ter jardins com flores, fazer tantas coisas para atrair Turistas e não espanta-los com coisas sem nexo.
Não temos um simples parque de estacionamento e uma área ajardinada, para receber quem nos gostaria de visitar, aproveitando um possível espelho de água.
Mas meu caro Rui de Sousa estas obras podem ser feitas em pouco tempo, mas pior muito pior é a destruição de várias espécies de árvores que existem dentro do Parque Termal, principalmente na parte superior do mesmo e que nem uma simples limpeza sofreram desde que a UNICER é a inquilina destas, que foram a Rainha das Termas Portuguesas e que hoje apenas mantém o nome.
Apenas pretendo ajuda-lo a ter argumentos para castigar quem não cumpre, aproveite-os e não nos dirija piropos de ignorantes.
Pode crer que iremos todos “TODOS” trabalhar unidos e o Sr. também, porque a verdade assim o vai obrigar, por uma causa justa e não mantermos a tolerância por mais tempo. Olhe para o exemplo do Autarca Sr. Raul Salvador Presidente da Junta de Oura. Com ele a tolerância pauta-se pelo cumprimento integral do que se promete e escreve. O Povo com ele participa na tomada de decisões.

Anónimo disse...

O que esta a ser feito eta ser bem feito!!!!!!o que?

Anónimo disse...

Sr Rui Sousa,
Lêem-se nas entrelinhas do seu "ofegante" comentário a intenção clara de politicamente manter saudáveis relações com a UNICER. Mas defender o interesse da terra que tanto ama não tem de significar baixar a cabeça às decisões unilaterais da dita empresa!
CONTRA FACTOS NÃO HÁ ARGUMENTOS!

Anónimo disse...

Já não voltamos atrás…

É com imensa tristeza que assisto impotente à destruição do património do parque termal de Pedras Salgadas, temendo que jamais possamos desfrutar de equipamentos equiparáveis àqueles que outrora foram a grande atracção de muitos veraneantes, locais ou forasteiros, arriscando mesmo a afirmar que representou durante muito tempo o maior pólo turístico do distrito.
É inegável que até há bem pouco tempo as piscinas de Pedras Salgadas eram as mais procuradas e reconhecidas em todo o distrito de Vila Real, não só pela sua beleza arquitectónica, mas também pelo seu enquadramento paisagístico e polivalência funcional. Quem não se lembra de, no pico do Verão, encontrar aquela piscina sobrelotada, tanta e tão variada era a afluência. Sem dúvida que foi a grade responsável pela atracção de muita gente a Pedras Salgadas. Inclusivamente podia considerar-se um "monumento" de Pedras Salgadas, tantas vezes foi retratada em postal e dada a conhecer por todo o País.
Nesses tempos as pessoas tinham vaidade em vir a Pedras Salgadas passar férias, não só pela fama das Termas e das pessoas que as frequentavam, mas porque efectivamente encontravam ali aquilo que procuravam, i.e., momentos de lazer e, para esse aspecto, as piscinas sempre deram um forte contributo.
Depois de tantos projectos, envolvendo gente conceituada, custa crer que aquela infra-estrutura fosse pura e simplesmente subestimada, decidindo-se pela sua destruição compulsiva, sem que fosse sequer ponderada a sua remodelação ou recuperação.
Muito sinceramente custa-me acreditar que não tenha havido uma única pessoa com sensibilidade para por em causa a destruição da Piscina de Pedras Salgadas bem como a sua substituição por aquela cuja construção agora assistimos com enorme desagrado, dada a sua diminuta dimensão e posicionamento marginal, completamente desajustado daquele que era o anterior.
A minha questão vai no sentido de perceber se as entidades com competências na avaliação dos aspectos urbanísticos e sua reestruturação, emitiram parecer favorável para a destruição da Piscina de Pedras Salgadas e sua substituição por um autêntico "tanque" que, à pressa, está agora a ser construído. Gostaria também de perceber porque foi destruída tão rapidamente a piscina de Pedras Salgadas, sem que aparentemente aquele espaço tenha sofrido qualquer intervenção ultrapassados quase 4 anos, desde a apresentação do Projecto Aquanatur.
Receio pois que o mesmo destino possa ser dado ao Hotel Avelames ou a qualquer outro edifício do Parque Termal, com a conivência das autoridades, sobretudo da autarquia local, tantas vezes já alertada pela população da freguesia de Bornes de Aguiar e principalmente de Pedras Salgadas, para por cobro a situações e erros irremediavelmente irreparáveis, de que é exemplo a Piscina de Pedras Salgadas.
Acreditem que tenho saudades dessa Piscina...

António Manuel Martins Castanheira disse...

Excelentissimo Senhor Rui de Sousa,quero antes de mais dizer-lhe que até há algum tempo atrás olhava para si como um exemplo de alguém que defendia arduamente os interesses da sua terra/freguesia. Mas com estes constantes "lavar de roupa" que tem acontecido no que ao parque termal diz respeito, vejo que o seu posicionamento afinal não é tão determinado quanto eu pensava. Vossa excelencia de modo algum tem o direito de vir para este blog afirmar que quem nele "desabafa" não sabe aquilo que se estar a passar no Parque Termal.
Se vossa Exclencia sabe de alguma coisa da qual nós não sabemos, então faca-nos o favor de contar, pois estamos perante um bem público nacional e não seu senhor Rui de Sousa. O senhor não é nem mais nem menos do que todos nós. Sera que aquando do lancamento da primeira pedra dessa obra, o Rui de Sousa sabia naquilo em que se estava a "enfiar" tal foi a pompa e circunstancia?
Se o senhor Rui de Sousa afirma que nós nada sabemos sobre o que lá dentro se passa,então vossa excelencia ainda sabe menos que todos nós! Permita-me então que lhe pergunte para quando é que estava prevista a abertura do Parque, e já agora levando em linha de conta o que PIRES DE LIMA disse muito recentemente (que já nem sabe se valeria a pena)quando é que Pedras "ainda Salgadas" vai saír deste pesadelo?
Pergunto-lhe também quantas familias estão á espera que esse investimento vá de uma vez avante para poderem recuperar o seus postos de trabalho, e outros que enventualmente possam vir a ser criados?
Pergunto-lhe também se tem noção do estrangulamento a que o mercado tradicional em Pedras "ainda" Salgadas esta a ser alvo? Passamos na Vila Termal em pleno mês de Agosto e mais parece uma pequena aldeia! Será que que vossa excelencia não consegue enxergar está asfixia?
Entendo perfeitamente que tem que defender a sua posição de Presidente de Junta.
Mas agora utilizando um termo seu, "caramba" acima dos seus intersses pessoais estão o do povo! Ou será que estou enganado?
Esta questão há já muito tempo ultrapassou o patamar da politica. Neste momento a questão passou para o patamar da sobrevivencia de Pedras Salgadas...
Um bem haja ao Dr. Seixas da Costa e a todos os leitores deste blog sem excepção..

Miguel Borges disse...

Boa noite,

Axo que podiamos ser mais serenos...

Meu Caro António de Oliveira, o senhor relembra alguns assuntos que são apenas verdades inconsequentes, vejamos, tudo o que a J.M fez ou deixou de fazer foram apenas "obras",pergunto-lhe, poderà existir algum "projecto" desta envergadura sem qualquer tipo de afinidade global em função de um todo(parque)? Ou é apologista da teoria que vamos "obrando" e "refazendo" para ver o resultado final? Não estou a censurar as obras e reajustes que foram feitos, apenas repito e afirmo que um projecto desta envergadura terá que passar sempre por uma visão global e não por "remendos"!Jamais poderemos ser cegados com júbilos imediatos!!Escrevi num outro post do Exmo. Sr. Embaixador Francisco Seixas da Costa que o pior cenário numa situação como esta é entrar em rota de colisão com a empresa em questão!E porque?Porque acima de tudo só se consegue atingir algum objectivo se houver acordos benéficos a todas as partes e “Serenidade” na atitude demonstrada(Continuo a crer que a Unicer vai cumprir o que acordou) !!Alguém até hoje se lembrou da data de conlusão das obras? Não!! E Porque ? Porque não houve nenhum projecto!Será melhor termos uma obra a decorrer ( mesmo que lenta, seria melhor se fossem cumpridos os prazos, mas alguèm em Portugal cumpre prazos para terminar obras?) , ou seria melhor estar tudo parado no tempo conforme estava dantes? Antes das obras iniciarem e o parque ter encerrado, pergunto-lhe se era do Turismo que Pedras Salgadas vivia,sobrevivia!? Não! Pura demagogia quem afirma uma coisa dessas!!Como tem sido notório, excluindo a questão “Parque Termal”, apenas uma dita “obra” beneficiou o comércio local, a Escola Básica! Lamento que nós, “gentes das Pedras”, que vivemos o tema “Pedras” desta forma tão animada não sejamos capazes de ser mais “Serenos” numa hora destas!
Para terminar quando se refere ao exemplo do Autarca Sr. Raul Salvador Presidente da Junta de Oura, pergunto-lhe se o mesmo impediu que “Vidago” fosse engarrafada em “Pedras Salgadas”!? Mais uma vez apelo à serenidade ( Não é silencio ) de todos porque todos os projectos/negócios são feitos sentados na mesma mesa e nunca em mesas separadas! Obrigado pela atenção.

Anónimo disse...

A mim parece-me um "atirar de Pedras"... pr’aqui e pr’ali... sem rumo...
a mim parece-me, também, que uma terra se mantém e constrói, no dia a dia, pelas pessoas que nela habitam... cresceram e nela trabalham... por todos, sem excepção... nao só os ricos mas também os pobres e os remediados...
ora falamos de uma gente acomodada... que é incapaz de lutar pela sua terra... atrevo-me a dizer que é uma TERRA SEM BERÇO... a maioria das pessoas que nela habitam nao nasceram cá!...
É por isso que não estranho que se mantenham impávidos e serenos ao verem as Pedras morrer... ao verem os seus negócios fracassar... ao verem os clientes sairem da terra e gastarem o dinheiro fora... ao verem os jovens a sair à procura de novos horizontes que a terra nao lhes proporciona...
Ao verem o único factor capaz de colocar a terra "de novo no mapa" demorar tempo demais para mostrar frutos????...
convido-os a passearem pela avenida principal e olhem com olhos de ver para perceberem esta verdade!...
Na minha terra, SIM... MINHA... porque nela nasci e cresci com muito orgulho, que me acolheu no meu primeiro emprego e no segundo também que, aproveito para partilhar convosco a satisfação enorme que foi trabalhar no Parque Termal onde tive o prazer de conhecer os mais antigos turistas resistentes (familia Silva, Familia Marciano, Sr. Eugenio de Carvalho, Srª Suzy Lema... entre outros) e de onde tive também lamentavelmente de sair para conseguir um prabalho minimamente estável… só consigo ver meia dúzia de pessoas que levantam a voz para fazer unir os habitantes... mas esses, na sua qualidade estupidamente serena, assistem de mãos nos bolsos e olham de lado aos que ousam levantar a voz...
foi assim sempre... e assim será...
Como podemos estranhar que Engenheiros ...Doutores... Arquitectos... Empreiteiros e afins, tenham compaixão pela Historia das Pedras Salgadas?? pelos seus usos e costumes?
Admiram-se que a belíssima piscina que todos nos conhecemos muito bem tenha sido destruida para dar lugar a um tanque?...
Admiram-se que as portas do parque tenham sido fechadas ao público, deixando as silvas e ervas daninhas tomarem conta dos belíssimos caminhos que o parque nos oferecia proporcionando um passeio em beleza, paz e serenidade??
Admiram-se que um Hotel ainda em vida útil seja demolido porque sim???...
Admiram-se que maior parte da gente da terra viveu para a exploração das águas e agora nao têm nada?... quer dizer, quase nada, pois ainda têm uma grade de Aguas, de vez em quando, de graça... :D
Ora a mim, parece-me que “Amor” pelas Pedras Salgadas há muito,... mas mesmo muuuuito pouco...
Aqui todos falamos com alguma especie de amargura e até rancor... mas qualquer que seja o motivo que nos leve a falar sobre as Pedras Salgadas, que o mesmo seja ao menos para ajudar e nao derrotar ainda mais um aterra tao acolhedora... e de boa gente 
Um bem haja ao Sr. Dr. Seixas da Costa, por falar bem alto o nome da NOSSA querida PEDRAS SALGADAS...

Anónimo disse...

Gente das Pedras...

Ainda alguém acredita que a UNICER vai cumprir com o acordado?
Os sinais que nos têm sido dados apenas nos levam a concluir que tal não acontecerá, sobretudo em Pedras Salgadas, facto que inclusive já foi assumido publicamente pelo Sr. Dr.Pires de Lima. Mas para quem ainda insiste em ter fé, sugiro que encontre respostas para as seguintes questões:
Face à incerteza de construir um hotel, porque motivo foi desmantelado o Hotel Avelames?
Como se explica que as obras em Vidago, desde o início, tenham seguido o seu curso normal, dentro dos "timings" previstos, e nas Pedras isso não se tenha verificado, notando-se uma intervenção mais acelerada desde que se fazem sentir acções de contestação?
Como se explica a abertura do balneário, que se supunha um SPA de altíssima qualidade, no próximo mês de Outubro, não sendo previsível a sua utilização imediata, nem estando acauteladas quaisquer infra-estruturas hoteleiras de apoio e encontrando-se toda a envolvência ao Balneário em autêntico estado de sítio?
Porque motivo foi destruída tão rapidamente uma piscina carismática, havendo necessidade de se esperar durante mais de 3 anos para agora se assistir à construção desenfreada da sua substituta, que mais parece um tanque de regadio?
Porque motivo as Vilas, os Chalés, o Casino, as Fontes, a casa de Chá, as garagens, os bazares, o próprio Casino permanecem intocáveis desde que o Parque termal foi encerrado e só nos últimos meses é que se demonstraram muito diligentes em abrir buracos e buraquinhos nas principais avenidas do Parque?
Num parque com tão grande diversidade de espécies arbóreas, com exemplares raros e valiosos, porque não foi feita até agora, que se saiba, nenhuma intervenção para manutenção das mesmas?
Quanto tempo irá demorar a avaliação de viabilidade do investimento no Hotel de Pedras Salgadas, tendo por referência o Palace Hotel de Vidago, conforme preconizado pelo Dr. Pires de Lima em entrevista dada ao jornal "i"?
Será que a necessidade de repensar a dimensão do projecto "Aquanatur", ideia já varais vezes assumida publicamente pelo Dr. Pires de Lima, não poderá ser encarada como uma decisão tomada ao arrepio daquilo que foi inicialmente protocolado em parceria com o Estado central e autarquia local? Poderemos nós, contribuintes, aceitar de ânimo leve e sentados à citada mesa de negociações, tal decisão unilateral, sendo conhecedores dos direitos que nos assistem, que mais não são do que a moeda de troca do filão que a UNICER tem na exploração da água? Ou será que a decisão não é unilateral? Mas se não é, gostaríamos de o saber.
Não se trata de evocar os "Velhos do Restelo" ou transmitir um pessimismo desmotivador, mas apenas alertar para os factos que vão sendo constatados pelas pessoas das Pedras Salgadas e que tanto as preocupa. Esses factos, ao contrário daquilo que perspectivamos, não nos oferecem sinais de esperança, mas sim de desconfiança. Por isso apenas esperamos que os intervenientes nesta causa assumam definitivamente uma posição clara e de honestidade, sem subterfúgios ou negação do interesse da comunidade, porque as gentes das Pedras, apesar de humildes e genuínas, deram até hoje um grande exemplo de civismos e como tal merecem o devido respeito. Estou certo que as pessoas das Pedras continuarão a dar tudo para alcançarem um futuro melhor, participando e colaborando para o sucesso de uma TERRA que amam, onde também se deverá incluir o projecto Aquanatur.

António de Oliveira disse...

Caro Sr.
Miguel Borges
Creio que não pretendeu entender a razão da minha referência às obras realizadas pela Jerónimo Martins (J.M.), dando-lhe uma interpretação de maneira a defender quem não tem sido capaz de dialogar (UNICER) e Rui de Sousa que atabalhoadamente escreve como se vivesse no meio de uma tribo.
Será que este Sr. Presidente de Junta e o Sr. não querem ver o que foi feito e abandonado?
Quer dizer que o melhor teria sido o abandono total por parte da Jerónimo Martins, no vosso pensar! Se assim tivesse acontecido meu Caro Miguel Borges então sim todo o Parque já seria uma Ruína Total.
Mas já agora continuo.
Sim dialogar!
Com quem tem dialogado a UNICER? Rui de Sousa? Outros?
Será que não nos assiste o direito de reclamar direitos por um projecto que a todos nós diz respeito?
Um projecto PIN?
Será que não está a olhos vistos que tem sido o abandono sistemático destas Termas que tem provocado a perseguição a todos os projectos no exterior?
Onde só o engarrafamento é importante!
Naturalmente a pressão surgiria de fora para dentro e já não eram só os tristes Cidadãos naturais e residentes a reclamar!
E isso provocaria reacções em cadeia como a que felizmente este blogue está a trazer ao de cima e a incomodar. (Bem haja Sr. Embaixador Dr. Francisco Seixas da Costa que nos continua a animar para que a luta não pare em que as suas últimas palavras da nova página “Mais Pedras” nos dizem: É que esta é uma "guerra" que só agora está a começar!
Não sei se é conhecedor que já em tempos passado tudo foi feito para que no Hotel Universal fosse construída uma Colónia de Férias da INATEL e nos terrenos a poente um parque de jogos internacionais.
Sabe porque não se realizou? Apenas porque não interessava à VMPS que tal acontecesse! Lá estaria a surgir a pressão de fora para dentro.
Sabe de quem foi a culpa? Dos Políticos locais, Governo e de um Povo frouxo. E até hoje que foi feito depois deste triste exemplo, com outros Políticos e o mesmo Povo?
Casinos em Chaves com um Hotel, junto de uma auto-estrada, assim entram, assim saiem, despindo a Cidade. Quer outro bom exemplo das boas intenções daqueles com quem devemos ter que dialogar: Vidago passa a um Resort Fechado! Se o problema estava nas merendas dos excursionistas, o facto se deve apenas à falta de ordem e da não criação desses parques que também devem existir. Aqui o problema apenas é da responsabilidade dos Políticos e dos seus projectos de urbanismo que não saiem da gaveta e que quando saiem ninguém participou, a não ser aqueles que estão junto da fogueira. Por exemplo: alguém conhece o que se está a passar com a revisão do actual PDM????? Documento confidencial palavras de responsáveis!!!
O País é feito de várias camadas sociais, devendo existir o cuidado de criar as condições necessárias, para que todos em harmonia possam viver sem conflitos.
Nos Hospitais quem limpa a sujidade dos mesmos? Aqueles ditos auxiliares a quem os doentes em momentos de aflição também pedem ajuda: ricos, remediados e pobres, nessa altura todos podem coabitar!
As Empregadas Domésticas que vivem nos seus bairros e que só podem comer a dita merenda em lugar lá longe, mas que servem à mesa os ditos Senhores/as!
Criem-se regras transparentes e com árbitros dignos desse nome.
Temos sido atropelados há longas décadas, essa é razão suficiente para que ”gato escaldado à água fria tenha medo”.
Se temos que dialogar, eu também concordo, mas que os representantes do Povo não sejam sempre os mesmos, para não continuarmos enganados.
Se Raul Salvador não impediu que a água de Vidago viesse para Pedras, apenas se deve a que ainda não conseguiu ser Rei da Selva. Certamente não sabe que a lei não permite o engarrafamento de águas minerais naturais, mas há quem consiga ultrapassar a lei, porque vivemos numa selva com alguns leõezinhos!

António de Oliveira disse...

Continuando comentário a Miguel Borges por António de Oliveira:
Se Raul Salvador não impediu que a água de Vidago viesse para Pedras, apenas se deve a que ainda não conseguiu ser Rei da Selva. Certamente não sabe que a lei não permite o engarrafamento de águas minerais naturais, mas há quem consiga ultrapassar a lei, porque vivemos numa selva com alguns leõezinhos!
Já agora pergunto: porque motivo não se conseguiu como contra-partida na passagem do tubo da água de Vidago para Pedras a construção da tão badalada Ciclo Via a custo zero para as Autarquias de ambos Concelhos?
É bom que leia calma e serenamente e não pense querer juntar-se a mais um leãozinho.
Todos juntos pela mesma causa, muito podemos trazer de novo e bom à nossa Terra, divididos deveria fazer parte do passado.

Anónimo disse...

então diz-se por ai que o movimento civico ´das termas já terminou, pelo menos a sede do movimento fechou por algum tempo para ser durante 11 dias sede do partido socialista cocorrente a junta de freguesia local. gostaria que alguem fala-se sobre o tema.

Anónimo disse...

O Movimento Cívico não parou, vai continuar vivo. Não tem sede, nunca teve. Cada um usa os meios que possui, tendo a liberdade de se expressar até ao presente momento. Mal será o dia em que esta liberdade possa vir a acabar. Não vão ser os partidos políticos e o poder político que o irão amordaçar, embora a vontade sempre tenha existido, pelo que de incómodo se torna. Há quem não goste que se lhe mostrem as verdades! Seria necessário que a mentalidade e cultura deste Povo adormecido sofresse profunda mudança! Mas a vontade Política Nacional não caminha nesse sentido. O melhor exemplo é que, com as novas oportunidades, já não é preciso andar anos a estudar para se ter o nono ou o décimo segundo anos; para que estudar tanto tempo?! Lá diz o velho ditado: na terra dos cegos quem tiver um olho é Rei! Retirem as conclusões que acharem mais correctas e esperem pelo futuro!
Como tem sido infeliz esta linda terra, porquê continua a ser perseguida?
Qual o futuro?
Até já os ratos caminham tranquilos nos esgotos do que podia ser um lindo Rio Avelames, que até já foi célebre quando passava por dentro do Parque Termal.
Será que todos ficam indiferentes a estas estranhas situações?
Por favor, que pelo menos este Blogue seja útil para uma reflexão séria.
O autor Dr. Francisco Seixas da Costa a quem todos devem agradecer a frontalidade com que se assume neste luta pela defesa da Terra Natal de sua Família, não vai ficar só, podem os leitores ter a certeza.
É importante que todos continuem a visitar este blogue, concordando ou não com o que nele se escreve.
Para já continuamos tentar viver em Democracia!

Anónimo disse...

JÁ LERAM A ULTIMA ENTREVISTA DE PIRES DE LIMA AO JORNAL EXPRESSO?

Anónimo disse...

A forma em maiúsculas como o caro anónimo anuncia a entrevista de Pires de Lima, deixa a possibilidade de várias interpretações. Se é esse o seu propósito aproveito para escrever: esta entrevista apenas surge porque felizmente Pires de Lima julgo, mas não creio, pretender demonstrar que este blogue em algo o tem molestado, fazendo lembrar a acalmia e mais tolerância com que o actual Primeiro-ministro nos brindou durante a campanha eleitoral. O Sr. Dr. P.L. é tão hábil que sabe porque o escreve. Mas vamos directamente ao assunto. O período político onde quase todos de uma maneira geral colaboraram no sentido de não misturar intenções, com este anónimo movimento cívico, terminou. Podemos e devemos a partir de agora escrever mais livremente, porque nem só a UNICER é responsável neste caso.
Acabou o tempo da rolha!?
Vejamos artigos da imprensa anteriores ao longo destes últimos 4 anos: Pires de Lima sempre afirmou que nada haveria antes de 2013, curiosamente novo ano de eleições! Agora depois de pressões neste blogue vem dizer que temos hotel para iniciar em 2011, lembro que o ano tem doze meses com 364/5 dias. Porque não temos uma data concreta? Reparem também, que fala na abertura do Balneário em Maio de 2010, na Avenida do Parque e Piscina no exterior! Pergunto e o resto tão prometido, escrito em tantas jornais, que todos nós já sabemos? Vai abrir um parque sem nada mais? Nem uma cama? Caricato, absurdo, tacanho!? Senhor Dr. Pires de Lima seja honesto não brinque com a dignidade do Transmontano, deixe-se de treta e faça obra. Para os Senhores (todos) de todo um Teatro Político chegou a hora de também terminarem com o pó de tantos discursos e passarem a demonstrar o que finalmente pretendem fazer desta terra. Também já tiveram tempo para terem tudo estudado e colocarem nesta Vila Termal mais acção e não colaborarem no negativo como Pires de Lima. O abandono está dentro e fora do Parque Termal. Já chega. Depois de passarem pela política vão ter que viver com a Cidadania e como vão pretender ser tratados nesse futuro? Pensem e não vivam só o presente!
Caro anónimo não se limite a transcrever. Deixe a sua opinião. Todas juntas podem ajudar a construir esta linda Terra. De oportunismos está o Mundo cheio. Já temos excesso de lixo e anos de pobreza e um parque fechado a cadeados! O papel dos projectos já deve estar amarelo ou então os ratos comeram-no à falta de melhor. Estamos a entrar num marasmo muito complicado. Pensemos nos jovens e nos que todos os dias nascem assim como em todos os outros. A Pobreza da nossa indústria, agricultura e comércio locais não vão poder sobreviver mais tempo. E depois? Por favor unamos todos os esforços e salvemos esta Vila Termal, com ela salvamos todo o Concelho.
Anónimo, por causa da rolha!

susana disse...

23-06-2010 susana
Ouvi disser que o parque ja se encontrava aberto durante o dia para visita logo que pude foi a primeira coisa que fiz em conjunto com os meus filhos uma de 6 anos e um de 3 e o meu marido, onde fique com uma desiluçao total porque ja nao era o parque que eu conheci ondevi umas amostras de piscinas,um lago que deve ser para criar patos, campo de mini golfe nem velo ainda tiveram o desplante de por la uma amostra de uma placa em honra do srº presidente da câmara realmente uma grande ficava mal assim ficamos com uma amostra do pouco que a unicer nos deixa..

Anónimo disse...

PESSOAL de PEDRAS SALGADAS NUNCA SE ESQUEÇAM QUE PEDRAS SALGADAS SAO NOSAS,E SEMPRE SERAM POR ISSO VAMOS JUNTOS LUTAR PELO QUE E NOSSO, DO POUCO QUE NOS RESTA NAQUELE PARQUE TERMAL

jpdonga disse...

Encontrei esta "discussão" por mero acaso enquanto procurava um restaurante para comer em Pedras Salgadas.

Não sei de que hotel falam (deve ser um antigo hotel que foi derrubado e cuja cave pelo que percebi funciona com serviços de suporte) mas estive hospedado em Pedras Salgadas e vim de lá maravilhado ao ponto de voltar lá de novo no próximo fim de semana. Mil vezes melhor (na minha modesta opinião) que o Vidago Palace e prova disso são os prémios que tem ganho. Certo de que não será suficiente para enriquecer a região fiquei agradado pelo facto de a grande maioria dos funcionários com que falei serem locais e gostei do orgulho e dedicação demonstrados no seu trabalho.

É sempre fácil e pelos vistos sabe bem falar mal das coisas mas depois vir corrigir os comentários ou vir parabenizar uma empresa ou entidade por fazer ou corrigir algo já não tem piada.