quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Adeus, Pedras

Raras vezes na vida me tem acontecido acabar por ter mais razão do que aquela que julgava ter.

Quando suscitei a questão do atraso dos projectos da Unicer para o Parque Termal das Pedras Salgadas (ver o texto aqui), parti de informação esparsa, que havia recolhido localmente. Daí a minha "extrema ignorância", como bem referem as declarações da Unicer, a qual, aliás, é comum à da generalidade da população das Pedras Salgadas, como então pude constatar. Coisa que se teria resolvido se a Unicer tivesse explicado publicamente, e de forma muito clara, o estado das coisas. Mas, pelo que agora disse, fica melhor a perceber-se o seu anterior embaraçado silêncio.

Os esclarecimentos que o jornal "i" agora trazem por parte da Unicer - finalmente! - falam por si e dão bem a medida do que, afinal, as Pedras Salgadas (não) podem esperar da Unicer.

Nas declarações prestadas ao jornal pela Unicer há uma sequencial e reveladora evolução nos termos utilizados quanto ao agora já apenas hipotético "hotel" nas Pedras Salgadas. Senão, vejamos.

Inicia-se com um imperativo "o hotel vai ser construído". Excelente, ficamos assegurados!

Segue-se, porém, um mais dubitativo: "É necessário rentabilizar a operação de Vidago para saber que projecto será viável para Pedras Salgadas". Mau! E quanto tempo vai isso demorar? Anos, com certeza!

Um pouco a seguir, o jornal adianta que a Unicer resolveu "suspender" a construção da unidade hoteleira, que está a ser "redesenhada". Prazos para isso? Nem vê-los!

A pedrada final nas Pedras vem a seguir, nas próprias palavras da Unicer: "Trata-se de um investimento de rentabilidade muito limitada. Diria mesmo que questionável".

E, finalmente, linhas adiante, fica a saber-se, pela boca da Unicer, que o hotel das Pedras Salgadas "está em reavaliação".

O leitores julgarão a extrema coerência evolutiva (a expressão "economia com a verdade" seria talvez um melhor eufemismo) que ressalta destas declarações, que são bem o espelho do que as Pedras Salgadas podem (não) esperar por parte da Unicer.

Restará agora ouvir vozes autorizadas da AICEP e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, para que possamos ver definitivamente mais claro neste assunto e saber se estes atrasos (confessados!) pela Unicer têm ou não cobertura oficial. E, mais do que isso, se são conformes aos seus compromissos, à luz dos quais receberam ajudas financeiras para estes projectos.

Os "projectos tartaruga" da Unicer para os parques termais, como bem os qualifica o "i", seguem, assim, o seu pachorrento ritmo. Mas no que toca à exploração dos lucros das águas, a Unicer sabe poder contar com Pedras Salgadas... em ponto!

19 comentários:

Luís Bonifácio disse...

A Unicer parece comportar-se como Sousa Cintra.
Há 20 anos visitei o parque de Pedras Salgadas e constatei que tudo, com excepção da unidade de engarrafamento estava ao abandono.
O casino e o hotel tinham as portas escancaradas e quem quisesse podia carregar os restos de mobiliario que por lá se encontravam.

Como diz o velho ditado, mudam as moscas, mas a M.... é a mesma.

Aconselho aos responsáveis da Unicer, e já agora a si, se tiver tempo, uma visita às termas de São Pedro do Sul. Parece que por lá ninguém duvidou da rentabilidade do investimento de milhões feito pela câmara na reabilitação das termas.

expressodalinha disse...

Claro que tem cobertura. Tudo tem cobertura desde que se salvem meia dúzia de postos de trabalho e não apareça na TV.

Joana Queiroz Ribeiro disse...

Exmo. Senhor Embaixador Francisco Seixas da Costa,

Em muito nos surpreendem as afirmações do senhor Embaixador colocadas no seu blogue que são prova dada do desconhecimento da situação, provavelmente justificadas por diferentes razões. Não nos reconhecemos nas acusações que são levantadas contra o bom nome da Unicer. Os atrasos que se têm verificado, ao contrário do que muitos possam pensar, são uma marca da responsabilidade e da seriedade da Unicer. Existem, porque imponderáveis subjacentes a qualquer obra com este calibre motivaram a necessidade de prolongar os trabalhos que vão permitir defender a qualidade que sempre procuramos para os nossos projectos.
Assumimos um compromisso para a requalificação dos Parques de Pedras Salgadas e de Vidago e vamos cumpri-lo. Somos os proprietários que mais investiram, nos últimos 25 anos, nestes Parques e podemos assegurar que somos um dos maiores investidores privados na região.
Em todos os projectos nos quais nos envolvemos queremos assegurar a sustentabilidade, com benefícios claros para todas as partes envolvidas, sejam accionistas, parceiros, colaboradores ou comunidades locais. Aqui não é excepção.
Somos uma empresa que leva a expressão “responsabilidade social” muito a sério. Temos plena consciência do que estes Parques representam para as pessoas de cada Concelho e do país, sabemos do muito que as regiões de Pedras Salgadas e de Vidago nos têm dado ao longo de décadas e tencionamos corresponder às elevadas expectativas que sobre nós recaem. A reavaliação de alguns projectos, em face da situação económica actual e das novas tendências do Turismo, não deve, de todo, ser confundida com desinteresse da nossa parte, pelo contrário: não termos em conta a sustentabilidade deste Projecto seria leviano. Já em Outubro, vamos abrir o Spa Termal em Pedras Salgadas e estão planeadas outras intervenções para reforçar a vertente de lazer deste espaço. Nessa altura, sim, poderemos devolver, em segurança e nas melhores condições, o Parque à comunidade e a todos os que o queiram visitar. Preservar a segurança de todos é fundamental para a Unicer, uma prioridade da qual não vamos abdicar. Para a Unicer, ambos os projectos são igualmente importantes. O Parque de Vidago está efectivamente numa fase mais avançada e irá inaugurar, em pleno, em 2010.

Aproveito ainda esta oportunidade para convidar o senhor Embaixador, em nome da Unicer, a vir conhecer mais de perto os projectos que estão em curso nos Parques de Pedras Salgadas e de Vidago, encontro esse em que estaremos à disposição para prestar informação mais em detalhe, da qual não tenha conhecimento, e assim ver esclarecidas todas as suas dúvidas.


Joana Queiroz Ribeiro
(directora de Pessoas e Comunicação da Unicer)

Anónimo disse...

Eu também não queria ter mais razão, do que aquela que expressei no infomail que enviei aos aguiarenses.
Preocupei-me na altura com o atraso exagerado que as obras apresentavam, percepção tida não só pelo meu conhecimento da área, mas também pelo sentimento generalizado que circulava na vila de Pedras Salgadas, assim como por ter bem presentes as palavras proferidas por Pires de Lima e por Domingos Dias no lançamento da primeira pedra.
Agora Pires de Lima ao dizer que “É necessário rentabilizar a operação de Vidago para saber que projecto será viável para Pedras Salgadas", diz-nos de um modo muito subtil, não que o Hotel ainda não tem data de inicio definida, mas sim que o mesmo nunca será construído.
Refere também que o Hotel está a ser redesenhado, Há quanto tempo? Redesenhá-lo com base na evolução de Vidago que ainda nem começou? Pura contradição. Mas, se não o fosse, porque não dar atempadamente uma explicação aos Aguiarenses?
Demasiados perguntas, para uma só resposta, que mais uma vez previ no meu infomail e passo a citar “Nada me espanta, que agora com reuniões de emergência se crie um plano de intervenção ultra-rápido e parte das tão desejadas obras (PARQUE TERMAL), que deveriam estar concluídas há um ano atrás, sejam inauguradas com “pompa e circunstância” dois ou três dias antes das próximas eleições autárquicas e depois…, bem, depois voltem a fechar o parque para refazer aquilo que foi feito à pressa... “.
Fico desolado com este fim anunciado do parque termal de Pedras Salgadas e da vila de Pedras Salgadas.
Mas mais desapontado fico, por saber que a data de inauguração tão estrategicamente marcada, serviria apenas, para mais uma vez tapar os olhos aos Aguiarenses.
Deixo duas questões:
- Caber-nos-ia a nós estar atentos para ver a lenta evolução das obras, ou caberia ao responsáveis locais, que no meu entender são os verdadeiros responsáveis pelo desenvolvimento do concelho?
- O que fez o Município de Vila Pouca de Aguiar fora dos muros do parque, para que o Termalismo desencadeasse um processo de desenvolvimento imparável?

José Eduardo Quinteiro, Eng.º

José Eduardo Machado Alves Quinteiro disse...

Eu também não queria ter mais razão, do que aquela que expressei no infomail que enviei aos aguiarenses.
Preocupei-me na altura com o atraso exagerado que as obras apresentavam, percepção tida não só pelo meu conhecimento da área, mas também pelo sentimento generalizado que circulava na vila de Pedras Salgadas, assim como por ter bem presentes as palavras proferidas por Pires de Lima e por Domingos Dias no lançamento da primeira pedra.
Agora Pires de Lima ao dizer que “É necessário rentabilizar a operação de Vidago para saber que projecto será viável para Pedras Salgadas", diz-nos de um modo muito subtil, não que o Hotel ainda não tem data de inicio definida, mas sim que o mesmo nunca será construído.
Refere também que o Hotel está a ser redesenhado, Há quanto tempo? Redesenhá-lo com base na evolução de Vidago que ainda nem começou? Pura contradição. Mas, se não o fosse, porque não dar atempadamente uma explicação aos Aguiarenses?
Demasiados perguntas, para uma só resposta, que mais uma vez previ no meu infomail e passo a citar “Nada me espanta, que agora com reuniões de emergência se crie um plano de intervenção ultra-rápido e parte das tão desejadas obras (PARQUE TERMAL), que deveriam estar concluídas há um ano atrás, sejam inauguradas com “pompa e circunstância” dois ou três dias antes das próximas eleições autárquicas e depois…, bem, depois voltem a fechar o parque para refazer aquilo que foi feito à pressa... “.
Fico desolado com este fim anunciado do parque termal de Pedras Salgadas e da vila de Pedras Salgadas.
Mas mais desapontado fico, por saber que a data de inauguração tão estrategicamente marcada, serviria apenas, para mais uma vez tapar os olhos aos Aguiarenses.
Deixo duas questões:
- Caber-nos-ia a nós estar atentos para ver a lenta evolução das obras, ou caberia ao responsáveis locais, que no meu entender são os verdadeiros responsáveis pelo desenvolvimento do concelho?
- O que fez o Município de Vila Pouca de Aguiar fora dos muros do parque, para que o Termalismo desencadeasse um processo de desenvolvimento imparável?

José Eduardo Quinteiro, Eng.º

Anónimo disse...

Responder a Joana Queiroz Ribeiro apenas o faço para lhe dizer que o recado que nos trás é enfadonho. Só lamento que não tenha nascido neste Concelho, porque se tal tem acontecido provavelmente não trabalhava na UNICER, porque esta não admite ter quadros destacados, já apenas simples e modestos trabalhadores subsistem, com origem local. Sabe, somos todos tacanhos e falhos de inteligência. Se convida o Dr. Seixas da Costa para o melhor elucidar está a perder o seu tempo, porque este não é tacanho, chegou onde chegou, mas continua a ser Transmontano, não se vende,nem lhe vai ligar importância, por isso lhe endereço o meu sincero agradecimento. Deveria sim, convidar os tacanhos residentes, conhecedores de tudo o que se passa para a deixar envergonhada e sem vontade de voltar a trazer recados. Porque não vem Pires de Lima esclarecer? Prefere queimar outros como Manuel Marques, limitando-se a ser fiel servidor, sabe Deus com que sacrifícios! Tenha cuidado consigo! Não lhe vá tocar pela pele! Só lamento neste blogue não ter espaço para colocar fotografias, porque a primeira seria para a envergonhar a si, seu Chefe Dr. Pires de Lima e o Sr. Presidente Manuel Violas. Abram as portas do Parque para que todos possam ver que durante 7 anos não tiveram a sensibilidade para no mínimo tratarem do arvoredo deste Parque que tem árvores já em total ruína. Mais grave, é que se não ardeu apenas se deve provavelmente à providência Divina. Para mal dos vossos pecados. Que dia de alegria seria aquele em que este desaparecesse para sempre. A água mineral, essa, está protegida, bem funda. Por agora termino, deixando apenas um recado: Transmontano é muito paciente mas tudo tem limites. Não façam inaugurações parciais, não gostamos que nos insultem deitando-nos areia aos olhos. Cumpram com o prometido, porque estamos fartos de ser roubados. CHEGA, paciência tem limites e a fome já aperta. Palavras de um filho legítimo da Terra, tacanho certamente!

João Clemente disse...

Para quem não teve a oportunidade de ler em devida altura. Transcrição de documento da Imprensa Nacional:

Unicer Turismo: 48 milhões de euros para projecto Vidago e Pedras Salgadas


O Primeiro-Ministro José Sócrates esteve presente na assinatura do contrato entre a Unicer Turismo e a Agência Portuguesa para o Investimento (API) que permitirá o arranque do projecto turístico AquaNattur para o Parque de Pedras Salgadas e Vidago. O investimento global é de 47,8 milhões de euros.

O empreendimento é o quarto projecto de Potencial Interesse Nacional (PIN) desbloqueado pelo Executivo socialista, depois de Tróia, Costa Terra e Pinheirinho. A assinatura e apresentação do projecto, que decorreru à margem da BTL, contou também com as presenças do ministro da Economia e Inovação, Manuel Pinho, secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade, presidente da API, Basílio Horta, e dos responsáveis da Unicer.

Ferreira de Oliveira explicou que este investimento é apoiado no âmbito do III Quadro Comunitário de Apoio. O início das obras estão marcadas para este ano ainda, devendo ficar concluídas em meados de 2008.

O apoio será concretizado em função dos resultados económicos do projecto, através de um empréstimo que vence a 2010, 2012 e 2014, referiu o presidente do Grupo Unicer.

Pedras Salgadas é um projecto transversal, um parque aberto com uma unidade hoteleira nova com 115 quartos (o antigo hotel vai desaparecer), um SPA (saude pela água), um espaço museológico e um jardim temático sobre água. O público-alvo para este projecto, está em dois segmentos, de férias activas e de bem-estar e saúde, destinado essencialmente ao mercado ibérico.

Vidago é outra marca e outra cultura, frisou o presidente da Unicer, avançando que os mercados preferenciais para captar clientes serão, além do ibérico, os países nórdicos e anglo-saxónicos, para segmentos de congressos e golfe. Este projecto aparece ligado à recuperação do Hotel Palace e ao campo de golfe que vai passar a 18 buracos, a que se junta o pólo de turismo natureza e a dinamização cultural.

O projecto da Unicer mereceu os elogios do primeiro-ministro, José Sócrates. Este projecto vai ter importância como exemplo para outros investimentos integrados na estrutura do desenvolvimento turístico que se pretende implementar no Douro e no Norte do país, declarou.

Também o ministro da Economia e Inovação, Manuel Pinho apontou a iniciativa da Unicer, como interessante nomeadamente no âmbito do objectivo do governo de desenvolver regiões do país com tradição turística, mas também novas zonas, que preencham os melhores critérios de qualidade.

23/01/2006


Profiles:

Águas de Mesa/VMPS-Vidago, Melgaço e Pedras Salgadas
Cerveja/Cerveja
Ferreira de Oliveira
Golfe Vidago
Hotel Vidago Palace
Unicer

João Clemente disse...

O que se escreve deveria tornar-se obrigatório cumprir. Havendo imcumprimento deveria haver penalizações!

Leiam e meditem sobre mais um artigo publicado.

Transcrição:

Aquanattur fará aumentar em 350% as vendas da Unicer

Um aumento de 350% face aos actuais 2,5 milhões de euros de facturação na área do turismo é quanto a Unicer estima que o projecto Aquanattur venha a permitir no ano cruzeiro, previsto para 2016. Um crescimento que se sustenta numa lógica "incremental" e de prestação de serviços, designadamente na área termal e dos SPA, que vão surgir depois de reconvertidos e requalificados os parques de Vidago e de Pedras Salgadas. A meta é a de duplicar a taxa média de ocupação de Vidago, atingindo os 70% no ano cruzeiro, mas arrancando logo com 55% em 2008, ano de reentrada em exploração comercial do Vidago Palace, depois de intervencionado.

A Unicer está, entretanto, a negociar com a Agência Portuguesa para o Investimento e com a autarquia de Vila Pouca de Aguiar o alargamento, em dois anos, do prazo de conclusão dos investimentos em Pedras Salgadas. Uma forma de "graduar a construção dos hotéis", evitando que decorram em simultâneo as obras em Vidago e Pedras, o que não significa que os investimentos em Pedras Salgadas fiquem parados, antes pelo contrário. "O Aquanattur está dividido em oito unidades de intervenção e a primeira obra a estar concluída será o balneário termal de Pedras, no primeiro semestre de 2008", sublinha o director de Turismo, Manuel Marques.

Cidadão de Pedras Salgadas disse...

Pedras Salgadas é uma localidade desde há muito condenada a desaparecer do mapa para apenas vingarem as àguas das Pedras. Falsas promessas nunca cumpridas com o beneplácito dos responsaveis politicos (locais e nacionais). Perante o que se esta a passar o que faz o Governo e o Primeiro Ministro que avalizou este projecto. E o AIP de Basilio Horta, que disponibiliza os milhões. E os responsaveis locais como Domingos Dias sempre a proteger a UNicer e as datas sempre adiadas. Até os candidatos da oposição Eduardo Quinteiro ex-funcionário da Empresa e o CDS local do colega de partido de BaSilio Horta preferem atacar-se uns aos outros do que a Unicer e estar ao lado do Povo. Uma coisa é certa, a população local tem um único sentir que é a profunda desconfiança com os políticos, com Pires de Lima e com a Unicer. Por ai os superiores interesses de Pedras Salgadas não vao avante.Apenas com os verdadeiros bairristas que poem Pedras Salgadas acima de interesses partidarios incluindo sobretudo pessoas de boa vontade como o Senhor Embaixador e outras que ao longo dos anos mostram que ainda acreditam no futuro de Pedras Salgadas.
A Unicer há-de passar e Pedras sobreviver. Para onde vão os milhões que tiram das aguas das Pedras. A população de Pedras esta a atingir o ponto de saturação e nem as palavras mansas de Joana Queiroz Ribeiro, que defende o seu posto de trabalho, servem de poeira para os olhos.
Porque a razão de Pires de Lima não se deslocar a Pedras Salgadas e terem que ser os responsaveis politicos a irem ter com ele- Subserviência a mais.. ou a confirmação de que com os politicos locais nao vamos lá. Senhor Embaixador o Senhor com bairrista a amante desta terra ter capacidade de argumentação e sobretudo a razão para nos ajudar. Contamos consigo

Amigo de Pedras disse...

Digam-me os senhores da Unicer porque na area industrial nada falta em termos de investimento com dois objectivos fundamentais - engarrafar cada vez mais e reduzir os postos de trabalho (sobretudo dos locais). 80 milhões de euros os resultados da Unicer de agua engarrafada em 2008, sem qualquer lucro para Pedras Salgadas. Se não cumprirem o que prometeram com o Aquanatur, a população tera o direito de cortar a tubagem de agua engarrafada que passa na via publica e se não houver obras tambem as aguas não deverão sair de Pedras Salgadas. O negocio das aguas não da lucro a Pedras Salgadas, só dá á Unicer. O lema de todos nós deve ser - NAO Há obras nÃO hÁ águas. Obrigado Senhor Embaixador pela defesa dos superiores interesses de Pedras Salgadas.

Antes quebrar que torcer disse...

Queria apenas que a Unicer esclarecesse se a dita inauguração do Balneario-SPA sera apenas um abrir da porta para os convidados para logo de seguida (se calhar nesse mesmo dia) voltar a ficar fechada. De onde vem o quadro clinico e de pessoal afim para fazer funcionar o balneario. Numa epoca morta, fim de verão, sem unidades hoteleiras, pergunto quem (clientela) vai fazer funcionar o Balneario. Claro que, mesmo que a porta fique aberta, no proximo mês, ficarão reunidas condiçôes para dentro de pouco tempo, a Unicer alegar motivos (falta de utentes) para encerrar o balneario. Isto está tudo premeditado, para acabar com o Parque das Pedras. A Unicer e Pires de Lima tomam os locais por parvos, se calhar a pensar que conseguem iludir a população local como tem iludido os politicos locais.Antes de acabar com o Parque, saberemos acabar com Pires de Lima e a Unicer, nem que tenhamos que acabar com as águas. Também Sousa Cintra nos tentou enganar e foi corrido. Os tempos actuais são de desespero para os comerciantes e investidores locais ( louvo a coragem de quem ainda consegue fazer investimentos em Pedras Salgadas). Pena foi que Ferreira de Oliveira tenha saido da Unicer pois foi o grande entusiasta do aquanatur. Pires de Lima é um político de numeros, só vê receitas e diz agora que ainda vai avaliar se vai cumprir o que assinou. Se algum dia aparecer por estes lados é para ser corrido, pois prepara-se para ser o coveiro de Pedras Salgadas. Por laços familiares sinto-me um autentico natural de Pedras, há mais de 50 anos. Quem conhece o Mundo vê que é um crime ter um parque moribumdo, sem alojamento. Parabens Senhor Embaixador Dr. Seixas da Costa pela ajuda que esta a dar e é necessario dar a alguns verdadeiros bairristas de Pedras Salgadas, que os há ou não tivessem despoletado esta situação. Antes quebrar que torcer e em frente, sem medo...

João Clemente disse...

Arquivo do blogue

Pensar Pedras Salgadas

Segunda-feira, Janeiro 29, 2007
aquanattur

No Parque de Pedras está prevista a construção de raiz de um novo hotel moderno, cujo traço tem também a assinatura de Siza, mas que respeitará o enquadramento natural do parque. O novo Hotel de Pedras Salgadas também será dotado de um SPA lúdico-termal. Para além destas infra-estruturas, o projecto contempla a criação de pólos de turismo residencial e a recuperação do balneário termal. O projecto Aquanattur representa um investimento de 47,9 milhões de euros, a implementar nos concelhos de Vila Pouca de Aguiar e Chaves.Nas palavras dos responsáveis da Unicer, "os dois próximos anos vão ser dedicados a um profundo trabalho de recuperação, procurando-se redescobrir o que, ao longo de décadas, marcou todos aqueles que passaram pelos dois Parques, sobretudo pelo de Vidago". Para isso, asseguram, que o projecto de Siza Vieira "permitirá a criação de duas estâncias à medida do século XXI, mas respeitando a tradição neo-romântica de complexos centenários.

Porquê tantas mentiras?

João Clemente disse...

Extraído do Blog Pensar Pedras Salgadas

Segunda-feira, Janeiro 29, 2007

E este foi o primeiro comentário a este blog, agradeço e tomo nota!

Por muito que se escreva sobre Pedras Salgadas, torna-se sempre muito difícil ao leitor, conseguir aperceber-se da verdadeira dimensão do quanto representou em termos turísticos para este Concelho a existência destas Termas. Digo representou porque na verdade há muito e cada dia que passa cada vez menos representa algo de bom para quem cá vive. Posso mesmo escrever que a maldição nos tem atingido, de tal forma, que Terrinhas que nunca nada tiveram se desenvolveram a olhos vistos e nós por cá contam-se pelos dedos de uma só mão as casas que ano após ano se têm construído nos últimos 50 anos, significando que não teria sido necessário a muitos naturais abandonarem a sua terra Natal. É fácil fazer as contas e verificar a triste realidade. É agora imprescindível, que o projecto que a UNICER se propõe conjuntamente com o apoio do actual Governo, levar por diante, passe à realidade no terreno, deixando os gabinetes e a imprensa que já não faz outra coisa se não publicar um discurso sobejamente conhecido. Podendo com o mesmo levar à desconfiança de muitos observadores, os quais esperam pelo momento da verdade para investir. Para descanso das nossas preocupações e porque nos sentimos com o direito de uma informação fidedigna, ficaria muito bem a quem de direito retirarem-nos tantas dúvidas sobre a data de início dos trabalhos e de que trabalhos afinal se propõem levar a cabo na Estância Termal de Pedras Salgadas e Vidago. Não se devem esquecer que está em jogo um património de interesse Concelhio e Nacional e não como muitos pensam e fazem querer que se trata simplesmente de uma Empresa Privada, como a de uma simples fábrica de sapatos. Os investimentos na área industrial estão quase concluídos, os quais nenhuma riqueza trazem para a região, bem pelo contrário, já muitos funcionários foram despedidos. Espero que este blog seja construtivo, publicando todas as verdades, embora possa não ser por vezes do agrado de todos.

Publicada por vitor em 10:33 AM

Vão mais de dois anos e meio após publicação deste artigo, lamentavelmente estamos como estamos.
Não desistimos porque a verdade é nossa.
Mas foi preciso um nome sonante como o do Exmo.Sr.Embaixador Dr. Francisco Seixas da Costa com o seu Blog,defendendo situações de injustiça e louvando aqueles que o merecem, para que estas páginas já tenham outro entusiasmo. Pela minha parte o meu muito obrigado.

Marques disse...

Exmo. Sr. Dr. Francisco Seixas Da Costa
É Bom para Pedras Salgadas, pesoas como o Sr. falem desta terra para não ser esquecida.
Como é que se faz um Spa, sem ter um Hotel (Camas) de apoio?
Hoteis em Pedras Salgadas... uma miragem.

Anónimo disse...

Dicas para os Senhores da Concessionária das àguas pensarem e repensarem. Algumas destas já afligiram Sousa Cintra,que teve a toda a pressa de fazer obras no Avelames e no Palace para sossegar a população local. Asim. tomem nota
1 - Vocês, Unicer pouco contam mais que uma pequena firma local, para a economia do concelho
2 - Se encerrarem a área industrial, a terra não verterá muitas lágrimas
3 - A tubagem da água que vai das nascentes do parque até á área industrial passa na via pública e vocês não têm a concessão dessa área pública, nem contrato ou autorizações.
4 - Poderá haver obras ou outro qualquer trabalho de interesse local que interrompa esse traçado.
5 - Idem troço vindo de Vidago
6 -Há gente local que sabe onde essa tubaria passa e alguma dela não gosta de ser enganada.

Para já, vão pensando bem, se não têm vidro só nas garrafas, se não terão também nos telhados...NÃO BRINQUEM COM O FOGO COMO QUEM DIZ COM AS ÀGUAS

Miguel Borges disse...

Boa noite,

Caros,

Voces não acham que o pior cenário numa situação como esta é entrar em rota de colisão com a empresa em questão ?Reparem, que prejuìzos pode ter a empresa se decidir "não fazer nada do que estava previsto" ? Umas coimas ridìculas do governo e da camarâ?? E nós ? Cidadãos , locais que necessitamos do nosso belo parque e das gentes que nos frequentam, que ganharìamos com isso ?Sou da opinião que deveremos ser mais serenos,afinal, alguèm até hoje avançou com algum projecto em Pedras Salgadas ? Relembro que na maior parte das vezes os negócios são feitos sentados à mesa e não em mesas separadas!Apesar da revolta que sinto pelo projecto ainda nao ter avançado, penso que a serenidade ajuda-nos mais!Obrigado pela atenção

Ajfredo Costa disse...

Respondendo a Miguel Borges, o qual apela à serenidade, não o critico por esse facto. Se nunca houve investimentos fora do Parque a razão é simples, puro boicote vindo sempre por parte dos proprietários da VMPS. O desenvolvimento no exterior obrigava naturalmente a que o Parque tivesse outra vitalidade. Mas não só o Parque está em causa: e o Hipódromo das Romanas sua Fonte Termal e as Caldas de Sabroso? Podemos pactuar com tanto abandono? Amordaçaram o Povo ao longo de muitos anos, destruíram desenvolvimento e levaram a maioria dos Válidos desta Região ao abandono das suas casas e terras, emigrando. Seria bom que os Políticos (todos), soubessem resolver este problema, o que até à data não tem acontecido. Mas sou adepto da via do diálogo se estiver apoiado em atitudes sérias, transparentes, visíveis, palpáveis, até ao momentoa apenas tem existido destruição e mentira.

Anónimo disse...

hoje ha reunião publica na Junta de Freguesia pelas 9:00 horas ... irei la estar tal como os outros habitantes e espero sinceramente que possamos fazer-nos ouvir...
pode não adiantar muito, mas ao menos vêm que "não comemos calados a palha que nos dão"...

afinal de contas, eles exploram e enriquecem com a agua que brota debaixo nossos pés e tiram-nos tudo ...
começaram nos empregos que reduzem cada vez mais e agora nem parque ... nem piscina ... nem termas ...
... mas temos um belo spa... sem duvida! ...
que so serve para quem tiver carteira recheadinha ... o que infelizmente não é o caso da maioria dos habitantes :(

Anónimo disse...

Sr.Miguel Borges, de que serviu o seu apelo ao bom comportamento durante todo este temp? É que hoje são 22 de Julho de 2012, e como resposta temo a destruição do único Hotel que estava em condiçoes de prestar por muitos anos um excelente serviço. Teria sido destruído para dar lugar a um com as ideias megalómanas da unicer num de 5 estrelas e a marca Siza Vieira, mas tudo nao passou de logro para obterem os fundos para as obras em Vidago e na fábrica de pedras. Agora vamos ter umas casinhas no meio do arvoredo, para dar lugar a um parque de frequência duvidosa. Talvez seja o que as Famílias de Manuel Violas e Pires de Lima precisem, um escondite para os seus devaneios, afinal sao seres como muitos outros......
Relativamente as multas que a Autarquia pode utilizar e que nada representam, pode bem o Povo fazer justiça pelas próprias maos. Caminhamos para uma sociedade muito doente, o que pode terminar em verdadeiros bombistas suicidas. Quem com o fogo brinca, sai queimado.