segunda-feira, 21 de março de 2016

Notícias do granizo

Hoje de manhã, bem cedo, ouvi no rádio do carro: "Espera-se trovoada e granizo, com temperatura de 10°". Lá fora, brilhava o sol. Olhei o termómetro do automóvel: 13,5°. Dei comigo a pensar: "Estes meteorologistas são uns nabos..."

Durante anos, não acreditei muito nas previsões climáticas. A desculpa do "anti-ciclone dos Açores" pareceu-me sempre um alibi serôdio para que pudessem dizer uma coisa e vir a acontecer outra. Ou, então, para que "desse para tudo": "céu geralmente limpo ou pouco nublado, às vezes muito nublado, com possível ocorrência de aguaceiros, com ventos moderados a fortes". Assim, também eu!

(Faziam-me lembrar aquele tipo de diplomatas que, perante uma eleição, informam assim as capitais: "todas as previsões apontam para uma vitória clara das forças conservadoras, eventualmente reeditando mesmo a anterior maioria. Porém, atendendo às movimentações que têm vindo a processar-se nas últimas semanas, com uma forte agitação de setores sociais relevantes nesta sociedade, não devemos excluir uma reviravolta política à boca das urnas, quem sabe mesmo se com uma inesperada vitória maioritária da esquerda". Um dia, ao tempo em que estava no governo, o MNE recebeu uma "previsão" destas, de um espertalhote em posto. Respondi-lhe, assinando pessoalmente (é raro um membro do governo assinar uma comunicação deste género), com um singelo: "Muito se agradece a clarividente previsão política de Vexa". Amuou, disseram-me.)

Hoje à tarde, tive de refugiar-me debaixo de um viaduto, em face da violência da tempestade de granizo. Olhei para a temperatura: 10°! O serviço que agora pomposamente se chama "do Mar e da Atmosfera" (que mal tinha "Serviço Meteorológico"?) tinha acertado em pleno. "Chapeau!"

6 comentários:

Anónimo disse...

Se os economistas fizessem previsões tão corretas como são hoje as da meteorologia, não estaríamos nada mal.

Anónimo disse...

Estimado Embaixador,

A meteorologia não é infelizmente uma ciência exacta. O mesmo se poderia dizer da economia...

atenciosamente

carlos cardoso disse...

Os meteorologistas, como os economistas, usam modelos para as suas previsões. Modelos são simplificações da realidade e mesmo os mais sofisticados consideram constantes muitas das variáveis de "menor" importância. Quando uma (ou mais) dessas variáveis influencia(m) determinantemente o resultado é de esperar que as previsões falhem. Dito isto, um modelo de previsões (meteorológicas, económicas ou outras) que falha mais vezes do que acerta, é completamente inútil.

Luís Lavoura disse...

O granizo deve ter sido um fenómeno muito localizado. Eu trabalho no Instituto Superior Técnico - quilómetro e meio a sul do local na fotografia - e não vi granizo absolutamente nenhum a cair.

Isabel Seixas disse...

Moral da história, foi-lhe muito bem feita...

Take Direto disse...

https://takedireto.wordpress.com/2016/03/21/nevao-em-lisboa/

Nevão em Lisboa
Posted on 21/03/2016
É granizo, mas parece neve. Pensar que é neve é mais poético. Grande nevão em Lisboa!