quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Livros proibidos

Há livros que nunca poderemos ler. Aqueles que a imagem mostra, por exemplo. O leitor deste blogue sabia que Zacarias Gaudêncio tinha escrito um livro sobre "Guitarra Portuguesa" (para além do "Como fazer uma Micro Empresa") e que Marta Stuart publicara "No Caminho Certo"? Eu não sabia. Ontem de manhã, olhei para uma estante e deparei com aqueles títulos. Para mim, eram livros completamente desconhecidos e, como frequentador rotineiro de livrarias, estranhei muito não ter a menor ideia sobre qualquer daqueles autores ou títulos. Em especial, "Descobrir o Brasil" de Walter Campos" e o "Portugueses no Brasil" eram uma notória lacuna na biblioteca especializada sobre o tema que hoje possuo, até pela estranha autoria do volume: Officia Cupidatat Magna!

Aproximei-me mais e percebi então a razão de tudo. Estava num estúdio de televisão e muitos dos livros alinhados pelas estantes não eram, na realidade, livros. Eram caixas de cartão onde haviam sido coladas folhas com lombadas de livros imaginários, de autores não menos irreais. Havia bastantes mais modelos de "trompe l'oeil" desse género. Fixei apenas estes e dei comigo a pensar quanto eu daria para ter sido convidado para idealizar essa biblioteca de sonho. Garanto que conseguiria ir bem mais longe do que o foi o modesto criador do "Romances Portugueses", de Sofia Sampaio. Mas a mim ninguém me convida para esses exercícios!

1 comentário:

Anónimo disse...

Não sugiro lombadas, sugiro, sim, o primeiro parágrafo para uma obra:
"Estou rezando 1/3 para encontrar 1/2 de a/o levar para 1/4". Quem quer prosseguir a narrativa?