quinta-feira, 24 de novembro de 2011

A Europa e os jovens

Ontem à tarde, estive a falar, em Saint-Germain-en-Laye, a uma dezenas de jovens sobre a Europa e os seus problemas. Procurei ser simples, numa questão que é (e está, cada vez mais) muito complicada. Longe vão os tempos em que alguma regularidade no processo de construção europeia nos dava a segurança de poder afirmar certas certezas e de poder testar algumas alternativas plausíveis. É quando procuro alinhar ideias sobre os tempos que estamos a viver, sobre as opções que podem ter de ser tomadas amanhã, que melhor me dou conta da imensidão de dúvidas que eu próprio hoje alimento. E isso deve transparecer, com naturalidade, daquilo que digo. Por isso, por mais "sábios" que possamos ser sobre o passado da processo integrador e por mais lições que dele queiramos tirar para o seu destino, a verdade é que os dias que correm nos tornam, a todos, simples prisioneiros de um futuro bastante incerto.

9 comentários:

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador
Eu, que sempre fui eurocéptica, estou a caminhar em sentido contrário ao seu. Cada dia que passa vem confirmando muito do que já pensava antes. E trabalhei nesta adesão desde o princípio dos princípios.
Face ao futuro, qual Maya sem tarot, já pensei mudar de profissão e virar cozinheira - não chef, que não sou nem pretendo ser -, mas agora estou a pensar seriamente em fazer a minha "acreditação" como futuróloga e trazer uma lufada de ar fresco aos politólogos que andam por aí.
E até sou capaz de ter algum sucesso...

Anónimo disse...

Sr Embaixador , você disse uma grande verdade e assumiu que mesmo com a sua experiência e sabedoria não sabe o que dizer aos jovens!

Mas eu sei , modestia á parte !

Depende do pedigree do jovem . eu também já subi essa escada e por isso também sei .
Se for filho de politico ou ex politico, tem o futuro assegurado !
Se for filho de um funcionário público, o melhor é pedir aos pais para o enfiarem lá dentro o mais depressa possivel!

SE for filho de construtor, deve tirar o curso de engº Civil. Se for filho de Arquitecto, deve seguir arquitectura!
Se for filho de Agricultor deve emigrar e arranjar qualquer emprego !
Se for filho de pescador, aplica-se a mesma receita do agricultor.
se for filho de advogado deve seguir advoggacia !
Se for filho de um taberneiro ?
SE for filho de um armazenista de alfarrobas ?
E se for filho de um Banqueiro ???
Estas deixo para quem quiser responder?

OGman

Portugalredecouvertes disse...

Sr. Presidente,
as dúvidas são muitas,
eu teria preferido ver a Troika por cá há mais tempo mas para "puxar as orelhas aos responsáveis" para resolver assuntos como a lentidão da justiça, os nossos salários tão baixos quando comparados com os dos outros paises da Europa,diminuir a distancia que nos separa em termos de assistência na saúde dos outros europeus, o nível de escolaridade dos nossos alunos, os nossos campos, interior do país abandonados, espaços públicos, monumentos abandonados,etc.

então só aparecem para garantir que os "altissimos" juros serão pagos, nem que se aumente o custo de vida e se atire para o desemprego uma maior parte da população

dá para perguntar se querem fazer uma Europa unida e solidária, ou de que lado estão?

Margarida disse...

... peste, fome e guerra?

Francisco Seixas da Costa disse...

Cara Margarida: Só nos faltava o tremendismo!

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro OGman: as caricaturas nunca ajudam a perceber um país, embora ajudem a denegri-lo.

Helena Oneto disse...

Margarida, Não estamos em vésperas do Apocalipse, mas os amanhãs serão, ou já são?, assombrados pelo desemprego, pela miséria e pela desolação. O cenário é feio mais os comediantes têm que levar a "peça" até ao fim. Haverá aplausos. Tant pis para os que não participaram...

Anónimo disse...

Caro Embaixador,

Para nadar não é preciso perceber da quimica da água.

Peço desculpa pelos efeitos maleficos da minha caricatura neste nosso pais que ainda é uma maravilha para muita gente.
OGman

J. Ryder disse...

Imagino que sabe que St Germain en Laye foi por algum tempo a capital da Rússia Branca exilada, pelos anos 20. Vale a pena conhecer a história. Ab. J.