sexta-feira, 6 de julho de 2012

Os tempos e os poderes

Não há poder sem simbologia. E alguns sinais são, eles mesmos, a própria e deliberada expressão desse mesmo poder. 

Há uns anos, em fins de julho de 1999, teve lugar em Serajevo, na Bósnia-Herzegovina, a reunião de lançamento do Pacto de Estabilidade para o Sudeste Europeu. Com as delegações instaladas, o presidente finlandês, Martti Ahtisaari, que dirigia a sessão, iniciava o seu discurso de introdução quando a sala foi surpreendida pela entrada isolada do presidente Bill Clinton. O líder americano dirigia-se, pausadamente, para o lugar que, na grande mesa quadrada, estava destinado aos EUA. Pelo caminho, foi-se entretendo a parar junto de alguns dentre os 50 presidentes e chefes de governos, saudando-os, deixando-lhes uma breve palavra e, com a acumulação desses gestos, foi provocando um movimento de imparável agitação, que concentrou as atenções coletivas. A face de Ahtisaari mostrava um evidente e compreensível desagrado com a estudada coreografia de Clinton, a ponto de se ver obrigado a suspender o seu discurso, até que o presidente americano finalmente sossegasse na sua cadeira. Ao nosso lado, o presidente francês, Jacques Chirac, assistia à cena e rumorava onomatopeias de óbvio incómodo pelo comportamento de alguém que habilmente "roubara a cena" aos poderes europeus presentes. 

Lembrei-me disto, esta manhã, durante a reunião dos "Amigos do Povo Sírio", que decorreu aqui em Paris. O presidente François Hollande, que abriu a reunião, iniciara já o seu discurso perante delegações de 102 países quando surgiu, mas neste caso num passo mais natural e sem quaisquer pausas, uma figura que se dirigiu ao centro de uma sala onde já não havia ninguém de pé, salvo o chefe de Estado francês, no seu podium. O discurso não foi interrompido, mas todos os olhares divergiram, por instantes, para a secretária de Estado Hillary Clinton, que logo se sentou, sem gestos dilatórios. A entrada da representante dos EUA ficou bem registada. E gravada ficou também, no subconsciente coletivo, esta evidente coreografia temporal dos poderes de facto neste mundo.

5 comentários:

Anónimo disse...

"Um novo modelo de governacao para portugal"

http://www.youtube.com/watch?v=fsr7lT6Hn40

se estes assuntos tiverem alguma de maçonico entao coitadinhos de nos que com uma maçonaria destas nao vamos a lado nenhum...


bem haja...!

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador
Bem se vê que se tratava de uma Mulher que não precisou de ser a cara metade de Bill Clinton para ser quem é! Tomara o marido...

Isabel Seixas disse...

"O discurso não foi interrompido"
in FSC
Por inveja Claro e como estratégia deliberada para não dar importância á Senhora"Mas devia".
"Mas todos os olhares divergiram"FSC
"Ai não!..." O do narrador incluido

"por instantes" FSC
Só?!... E chega, de facto já nada foi como dantes, e as mentes ficaram ocupadas de mulheres de peso, Europa América...

Portugalredecouvertes disse...

Podemos entender que todos chegam a horas às reuniões menos esses dois senhor e senhora!

Isabel Seixas disse...

Ando á procura de um relógio assim, para pôr na lareira,com ponteiros em ferro forjado e moldura em mármore, tem uma condição não pode dar horas... Irrita-me