segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Memória de Agostos (IV) - 1975

Em 1975, a vida estava a mudar. Simultaneamente, para o país e para mim.

O Verão desse ano ficou conhecido, na História política portuguesa, como o "Verão quente", por virtude de nele se terem agudizado os conflitos que vinham a opor os sectores mais moderados do Movimento das Forças Armadas com as correntes radicais, em especial com a chamada "esquerda militar", onde a influência do Partido Comunista se fazia sentir como determinante.

Foi em Agosto desse ano que assumiu funções o efémero V Governo Provisório, tributário de um vanguardismo que veio a revelar-se suicida e que era, ele próprio, sintoma do crescente isolamento em que o general Vasco Gonçalves e os que o acompanhavam se iam acantonando.

É também nesse mês que surge o chamado "Documento dos Nove", uma espécie de manifesto de militares moderados, da autoria de Melo Antunes (e muito com o dedo de escrita do actual embaixador Luís Castro Mendes, diga-se), à sombra do qual logo se colocaram todas as forças moderadas e conservadoras, que temiam a deriva radical que pressentiam que o país estava a seguir.

(Já agora, vale a pena dizer aqui, de forma bem clara, que a classe política cujo poder veio a emergir, no seio da vida democrática que a coragem dos "Nove" ajudou a proporcionar ao país, acabou por ser fortemente ingrata para com muitos desses homens. Mas isso são outras histórias...).

Agosto de 1975 foi também o mês da minha entrada no Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Tempos antes, num impulso que teve muito mais de lúdico do que de reflectido, eu decidira candidatar-me à carreira diplomática, um passo estimulado pelo diplomata e meu colega de tropa, António Franco, e que eu via também como um desafio interessante para mim mesmo. Estava no serviço militar desde 1973, andava fortemente envolvido nas ondas da Revolução, e achei graça testar a minha capacidade numa área que sempre me interessara, mas por onde nunca sonhara passar - por ser, diga-se em abono da verdade, um terreno profissional cuja imagem pública me não seduzia minimamente e de cuja caricatura tudo me afastava.

As múltiplas provas de acesso, espalhadas ao longo do primeiro semestre de 1975, foram já como que um prenúncio da vida civil a que, em qualquer circunstância, eu regressaria em breve. Desde 1971 que era funcionário da Caixa Geral de Depósitos e, acabado o serviço militar, para aí voltaria, com um salário bem melhor do que aquele que o MNE então oferecia.

Com alguma surpresa minha, face às expectativas que tinha, acabei por ser admitido na carreira diplomática! E agora?! Que fazer? para utilizar o título de um autor que, à época, estava a ter dias de glória nas estantes portuguesas. Acabei por "arriscar"...

E foi assim que, na cálida manhã de 13 de Agosto de 1975, de cabelo bastante comprido e com um bigode façanhudo, coloquei uma relutante gravata e tomei posse como diplomata, num grupo de "adidos de embaixada", o primeiro, aliás, em que às mulheres foi autorizada a admissão na profissão - uma abertura que, registe-se, se havia ficado a dever ao anterior MNE, Mário Soares.

Graças ao 25 de Abril, não tive então de ler o juramento a que o Estado Novo obrigava os funcionários públicos (e que cito, de cor, sem a total certeza de estar a a ser 100% fiel ao texto): "Declaro, por minha honra, que estou integrado na ordem política e social instituída pela Constituição da República portuguesa de 1933, com activo repúdio do comunismo e de todas as ideias subversivas".

A partir de então, podia pensar o que quisesse. Pelo menos, eu julgava isso.

3 comentários:

Helena Oneto disse...

Bem aventurado impulso! Tenho grande orgulho de
ter o Embaixador mais ludico que Portugal alguma vez teve.
Bem haja !

Helena Sacadura Cabral disse...

Idem, idem. Aspas aspas ao comentário da outra Helena

Anónimo disse...

“Cabelo bastante comprido e bigode façanhudo”? Imagino-o na tomada de posse…Que tempos divertidos esses! Se fosse hoje! Realmente, aquele “anterior regime” (este eufemismo ainda hoje me faz sorrir) tinha coisas que nem ao Diabo lembraria. Como esta da Carreira Diplomática (e da Magistratura, por exemplo, também) estar vedada ás mulheres! Fez bem “em arriscar”…
P.Rufino