terça-feira, 19 de junho de 2012

Joana Vasconcelos em Versalhes

Só visto!

26 comentários:

Jose Martins disse...

Senhor Embaixador,
Tenho visto pelos noticiários. Resta-nos a consolação que somos gente de valor no estrangeiro, enquanto por nossa casa de mal para pior.
Saudações de Banguecoque
José Martins

Anónimo disse...

Sim, Senhor Embaixaador, uma coisa destas em França e mais de 200 anos depois da revolução francesa ... só vista.
Se não visse eu não acreditava.

Isabel Seixas disse...

Acredito.
Bem a imagem faz-me lembrar aquele desejo intimo de quando for grande também quero poder... Poder ter uns sapatos altos para não me molhar tanto, andar de sapatos altos de pura autoestima nacional...Como aliás estou agora e Sinto que o Sr. também está o que ainda é mais representativo, claro.

PS Vou mas é ver se consigo fazer umas démarches para trazer a Joana e os Sapatos cá a Chaves...
Entretanto vou trabalhar...

Catinga disse...

Que eu saiba, a Joana Vasconcelos (nascida em França, já agora), vive e trabalha em Portugal, onde está muitíssimo bem cotada.

Até para se elogiar, é preciso bater na santa terrinha... Apre!

Anónimo disse...

Catinga tem carradas de razão!
João Vieira

Anónimo disse...

FANTÁSTICO! Acabamos de saber que Joana Vasconcelos representará Portugal na Bienal de Veneza.

Alain Demoustier disse...

COITADO DO REI LUIS XV

Anónimo disse...

O candelabro não tem nada a ver com a escultura.
A Joana de Vasconcelos tem um belo candelabro que ali falta. Devem ter tido medo que, no decurso da exposição, mudasse de cor.
V

Helena Sacadura Cabral disse...

É inteiramente verdade o que diz Catinga. Joana, nascida em França, trabalha, recupera e dá valor a artes tradicionais portuguesas. Merece todo o respeito e admiração.
Os elitistas costumam denegri-la dizendo que a sua arte é errática.
Coitados de alguns deles, que nem erráticos são porque estão parados!

Julia Macias-Valet disse...

...que contado nao tem graça !

Ouvir Amalia em Versalhes, ver lavores realizados em Nisa ou contemplar caçarolas Silampos na Galeria dos Espelhos...se me tivessem dito isso ha uns anos atras pensaria que se tratava de uma partida.

FA-BU-LO-SO !!!

PS Os monárquicos leitores deste blogue devem estar contentíssimos com a presença da Alma Lusa em tao magnifico "écrin"

PS2 ...mas os nao monárquicos também !

Anónimo disse...

Também gostei de o ver a acompanhar o nosso MENE (descontraido) e o pCML (engravatado) pelos magníficos salões... viva a República!

mano velho disse...

senhor embaixador antes do mais, o meu obrigado pela partilha, neste espaço, das suas linhas que leio com o cuidado que me permite a azáfama do quotidiano. é nelas que encontro um pouco do sabor que é estar numa cidade tão interessante... com o seu toque pessoal e um "prisma" cultural e político que muito me cativa.

vai decerto perdoar-me a minha "ousadia" mas não posso deixar de o instigar a comentar a notícia da recusa de uma outra peça [suis generis] da mesma artista...

antónio neves

Anónimo disse...

"O que "sobrou" de Maria Antonieta". Será?

Anónimo disse...

JOANA vale tudo o que pesa e pesa tanto
de tachos faz sapatos
e as supostas filigranas
se enredam no olhar
até o impensável garrafão brilha na relva
a provocar a provocar...

porque nas mãos de Joana tudo acontece
a mente de Joana é um palácio
sem fim
(até os lustres são intimidade)
na alma de Joana
Portugal é um país imenso
no coração de Joana
do passado se faz presente
e se constrói futuro com rendas de saudade


(de ERA UMA VEZ)

Francisco Seixas da Costa disse...

É muito português o facto de, perante uma exposição que é um imenso sucesso,de que toda a imprensa francesa fala com admiração, se perca tempo com o o "fait-divers" de uma peça que, aparentemente, terá sido recusada. Mas, conhecendo "do que a casa gasta", eu não estava à espera de outra coisa, confesso...

Isabel Seixas disse...

Oh Senhor Embaixador, rendo-me sempre á assertividade da sua atitude pedagógica.

De facto precisamos de Pessoas como o Senhor para desativar o gene fado quando não cantamos, senão apodera-se da nossa visão e só nos deixa ver o pontinho negro num cenário de horizonte grandioso.

É tão tão "Ainda" demonstrador de nacionalismo/pessimista tomar a parte pelo todo... Fazemos 99 boas ações e julgamo-nos pelo regime regra de exceção para nos automutilarmos...

Pois eu também estou toda contente com a Nossa Joana, pudera eu renegar o IMI(imposto municipal sobre imóveis) que me foi mesmo mesmo imposto e já estava aí,mas é a vida...

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Eu sou dos que gosto que um Português faça sucesso "lá fora" E gosto mais ainda quando o nosso Embaixador promove uma iniciativa de um Português.

Bravo Joana Vasconcellos, parabens por (mais) este sucesso.

Gonçalo disse...

Sem duvida uma excelente razão para se fazer uma visita à cidade luz

Anónimo disse...

Sr. Embaixador, o seu curto comentario tem apenas duas palavras "Só visto". Nunca consigo determinar a carga positiva ou negativa implícita. Tendo eu próprio dúvidas sobre este tipo de arte, mas respeiitando a delicadeza diplomatica, podemos saber um bocadinho mais?

Portugalredecouvertes disse...

O Palácio de Versalhes ficou demasiado pequeno para a Alice no Pais das Maravilhas
que teve de sair e lá deixou os
sapatos!

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 21.53: É elogio, claro! Gostei imenso!

Anónimo disse...

Senhor embaixador, sobre a censura a A Noiva é ela, a Joana, que fala, e bem claramente e longamente ... "estou mais que dececionada", ouvi-a eu dizer a diversos jornalistas na apresentação da expo à imprensa, na véspera da abertura ao público. Cumprimentos. Danil Ribeiro

Anónimo disse...

Eu, Caro Senhor Embaixador, até tomei o "Só Visto" como ironia sua e achei bem.
Agora, face ao seu comentário e tentando pôr-me na sua pele, até compreendo que o embaixador de Portugal em França sinta um especialíssimo orgulho por causa da exposição e que isso o leve a relativizar a gravidade do acto de censura.
Julgo que compreenderá também que para um português comum, residente em Portugal, uma grande exposição da Joana de Vasconcelos, quer seja em Versalhes quer seja no CCB, "só vista!" (é sempre um consolo para alma), mas que um acto de censura como o que foi cometido ... em França, ainda por cima ... era inimaginável e, por isso, não será um mero "fait-divers" mas algo em que só visto se pode acreditar.
V

Rui Franco disse...

Já agora, ficam aqui fotos da obra:

www.odditycentral.com/pics/the-tampon-chandelier-of-joana-vasconcelos.html

Isabel Seixas disse...

Estava a pensar por analogia como a Joana configuraria O Noivo...

Talvez candelabros com giletes e ou lâminas de barbear...

Preservativos como candeias apagadas ou de alumiar...

Gravatas florescentes com nús de arrepiar...
Não me lembro assim de mais nada.

Catinga disse...

Não seria da artista ir preparando um par de chuteiras?