segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Os meus dias da rádio


Das funções que passei a desempenhar no Conselho Geral Independente (CGI) da RTP faz também parte o acompanhamento da importante dimensão da rádio no seio da empresa.

Contrariamente à convicção de muitos, nos dias de hoje RTP já não significa Radiotelevisão Portuguesa. A sigla, desde há vários anos, quer dizer Rádio e Televisão de Portugal. É a mesma coisa? Não é. Ela passou a simbolizar a presença da marca RDP (embora com diferentes designações de antena) no seio da RTP. E isso faz toda a diferença. 

Assegurar um excelente serviço público de rádio, nas suas dimensões internas (Antenas 1, 2, 3 e regionais) e externas (Internacional e África), vai ser uma das grandes preocupações do CGI recomposto que acaba de entrar em funções. No que me toca, será mesmo objeto de uma atenção muito particular. Porque a rádio diz-me muito: teve um papel importantíssimo na minha formação e, igualmente, porque vivi muitos anos no exterior, durante os quais nunca deixei de ter a RDP no meu "radar".

Faço parte da geração dos "dias da rádio". No meu caso, das noites. Na minha juventude, nos anos 60, em Vila Real, o Rádio Clube Português (muito menos então a Emissora Nacional, antecessora da RDP), a par de algumas rádios estrangeiras (Radio Caroline, Radio London, Radio Andorra) e da Renascença (em especial com a 23ª hora), era uma companhia noturna regular, com os programas da madrugada, em especial o "Meia Noite" e, mais tarde, o efémero "Europa", de Vitor Espadinha, a trazerem a música que me fez crescer. (Na província não havia FM, apenas Onda Média e Curta, pelo não chegávamos ao lisboeta "Em Órbita"). Ah! e também ouvia, claro, a oposicionista Rádio Voz da Liberdade (de Argel), a Rádio Portugal Livre (de Bucareste), as emissões em português da Rádio Moscovo e o serviço português da BBC. Mas isso era outra "música".

Em 1966, com a ousadia dos meus 18 anos, apresentei-me nos estúdios do Porto do RCP, onde pedi "emprego" sem salário, ao tempo em que fingia estudar Engenharia Eletrotécnica. O Alfredo Alvela, uma voz magnífica da rádio desses tempos, abriu-me então as portas do seu "Clube da Juventude," onde realizei, durante alguns meses, o meu semanal "Tempo de Teatro" (eu era então membro do Teatro Universitário do Porto), com textos do João Guedes e um "gingle" com efeito de eco, feito no vão do elevador do prédio, numa ideia louca, creio que do Jaime Valverde. Ainda no Porto, fiz locução, durante algum tempo, nos Emissores do Norte Reunidos, pelo final das tardes de sexta-feira, num programa a que chamámos "No espaço e no tempo", um nome hoje ridículo, mas que ia muito bem com o ambiente da época.

Quando, em 1968, abandonei Engenharia e fui estudar (dessa vez, a sério) para Lisboa, o "bichinho" da rádio continuava a perseguir-me. Ainda nesse ano, fiz concurso para locução na Rádio Universidade. Lembro-me de duas das provas que me calharam em sorte: ler o texto "Desenhar uma Flor", de Almada Negreiros e, durante dez minutos, sozinho num estúdio, inventar a reportagem de uma chegada dos Beatles ao aeroporto de Lisboa. Fui um dos escassos admitidos, nesse exame, precisamente há meio século.

A estação era propriedade da Mocidade Portuguesa, seguia uma linha oficiosa, mas, devo confessar, em abono da verdade, não terá sido uma razão essencialmente política aquela que me levou a afastar-me do que julgava ser uma vocação para a rádio. Tenho uma vaga ideia de me ter confrontado com um ambiente algo pesado e hierarquizado, em que nunca me senti bem, feito de gente que pouco tinha a ver com a "onda" académica mais agitada em que eu já andava envolvido por essa época. Mas, conhecendo-me, creio que também o facto de me terem exigido que me submetesse a um estágio que ocorria nas socrossantas manhãs de domingo terá pesado bastante e deverá ter sido a gota de água que fez travar o início da carreira radiofónica que chegou a estar nos meus horizontes. A Rádio Universidade era, contudo uma excelente escola de rádio e, recorde-se, foi um viveiro de grandes nomes.

A Rádio Universidade ocupava então um edifício na rua da Estefânia. Passei por lá ontem e está no estado que a fotografia evidencia.

4 comentários:

Anónimo disse...

"A VERDADE É SÓ UMA: RÁDIO MOSCOVO NÃO FALA VERDADE!"

Luís Lavoura disse...

Esse edifício também já foi sede do Instituto Português da Juventude.
Segundo vi na Expresso já há uns bons meses, encontra(va)-se à venda. O vendedor é o Estado.

dor em baixa disse...

Muito gostaria que o CGI interviesse numa alteração introduzida há um ano na Antena 2 que considero escandalosa. Grande parte das horas noturnas passou a estar ocupada por música de entretenimento. Já há imensa música de entretenimento na Antena 1 e na Antena 3 (só há desse tipo), porquê inseri-la também na Antena 2? Mesmo os horários de jazz, que não é música de entretenimento e que entrou na Antena 2 há alguns anos, gastam muito tempo com música de piano-bar e peças de orquestra de variedades de casino.
Ainda pensei que tinham decidido misturar os géneros também na Antena 1 e na Antena 3 e comecei a procurar aí a música indevidamente designada por "música clássica". Não encontrei lá nada. Encontro-me agora privado de rádio durante a noite. Numa época em que tanto se fala de diversidade, é triste.

Anónimo disse...

Nesse mesmo sítio, lá pelos anos 1990, depois de 1992, antes de 1996, fiz por lá o cartão Jovem. Julgo que era a sede do Instituto da Juventude.