segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

... e os matraquilhos?

Há injustiças olímpicas (ou olímpicas injustiças) que têm de ser corrigidas, mais cedo ou mais tarde.

Quando me lembro das tardes frígidas de “matrecos”, connosco de samarra e dedos com frieiras, na sala da União Artística, em Vila Real, pergunto-me se esta não seria uma modalidade adequada aos Jogos Olímpicos... de inverno!

3 comentários:

jj.amarante disse...

Não será ainda uma modalidade olímpica mas Portugal conquistou vários troféus em torneios mundiais de matraquilhos, ver sítio da Federação Portuguesa de Matraquilhos e Futebol de Mesa.

PSICANALISTA disse...

.
Já agora.... porque não,o carôlo,a carica,o pião,a fisga,o arco (não o da velha),o montinho,o sete e meio,o galho,a lerpa,o King,a moedinha,o poker de damas,a canasta,e tantos outros.....!?!?!?!?!?

Anónimo disse...

Havia muitos em todas as localidades. Em Vila Real lembro-me que tinha na tasca do Lima, no Baca Belha, onde o pessoal do Liceu jogava com fartura matrecos, na Barracão onde o pessoal da Escola São Pedro, fazia grandes campeonatos.Por falar em Barracão, vou aqui contar um episódio ocorrido ai por 83 ou 84, assim nessa época eu era aluno da Escola São Pedro, os matrecos no Barracão ainda eram na sala de cima, o gerente nessa altura era um individuo que havia estado no Brasil. A dada altura ele foi á sala dos matrecos buscar moedas, que nessa época eram de "cinco coroas", era esse o preço de cada partida. Numa das mesas ao lado da minha, onde eu estava a jogar, estavam lá dois alunos da São Pedro, um era o Machado que hoje tem uma erbanária na rua Alexandre Herculano, o outro não me recordo quem era. Nisto o brasileiro apercebendo-se que tinha havido um golo, chamou-lhe á atenção o facto de não ter ouvido o barulho caracteristico da bola a descer para o interior, foi verificar e lá encontrou a explicação para tal facto; pura e simplesmente a baliza estava forrada com um papel que não deixava as bolas irem embora. Resultado de tudo isto, como nessa altura tinahmos que deixar uma caução ao balcão para trazermos as bolas, a maioria das vezes eram os próprios livros, ele obrigou os dois compadres a pagarem 30 ou 40 escudos para resgatarem os livros. Ainda tem pouco tempo em conversa com o Machado lhe recordei este espisódio e ele lembrava-se bem dele.