sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

O futuro do passado


Se acaso fosse simpatizante do PSD, estaria bastante preocupado com o saldo da acrimoniosa campanha eleitoral para a sua liderança, quem quer que amanhã venha a ser o vencedor do sufrágio interno. O voto será dos militantes, mas o confronto foi observado por todo o eleitorado que julgará o partido nas legislativas de 2019. E o tom dos debates não terá contribuído para reforçar o prestígio do universo social-democrata, com vista ao seu putativo regresso ao poder. 

Há muito quem pense que o combate fratricida para a liderança socialista, em 2014, não foi por completo alheio à derrota do PS nas eleições legislativas de 2015, que se acreditava que tinha todas as condições para vencer, depois do austericídio titulado por Passos Coelho. 

Uma coisa me parece evidente: nem Rui Rio nem Santana Lopes sobreviverão a uma eventual derrota nas eleições legislativas de 2019, as quais, recordo, serão antecedidas, meses antes, pelas eleições europeias, onde é tradicional os partidos na oposição terem melhor resultado do que os que ocupam o poder. 2019 será um ano muito exigente para o PSD, em que também se aferirá se há ou não um fenómeno Cristas em crescendo, no mesmo espaço político. Mas, ironicamente, mais do que a sua própria “performance”, será o sucesso ou insucesso de Costa que ditará o seu futuro.

O que se ouviu do PSD nos debates para a escolha de um novo líder foi pouco galvanizante. Rui Rio mostrou um pensamento mais estruturado e realista, com uma genuinidade que às vezes deu ares de ingenuidade. Santana Lopes foi um político “à antiga”, cheio de chavões de estudada assertividade, recorrendo a uma agressividade que, em semanas, destruiu o perfil maduro e senatorial que andou a cultivar na última década. 

Há que reconhecer que a situação económica desfavorece hoje fortemente a oposição: o país cresce, o desemprego desce, as metas europeias são cumpridas, alguns rendimentos são devolvidos. Além disso - apesar dos fogos, de Tancos e de algumas “trapalhadas” – os portugueses mostram nas sondagens não esquecerem quem esteve no poder nos quatro anos anteriores. A tarefa de Rio ou Santana será sempre muito difícil.

Este é um tempo de travessia no deserto para o PSD. Não foi por acaso que a nova geração social-democrata evitou “ir a jogo”, dando assim oportunidade a dois “seniores” que quiseram testar as suas adiadas ambições. No caso de Rio, havia uma espécie de sebastianismo que só o teste da realidade faria aparecer no nevoeiro. Quanto a Santana, nota-se um esforço desesperado para fazer esquecer 2004, em busca de um “remake” regenerador. 

Na esquina seguinte, há gente à espera: Luis Montenegro, Carlos Moedas, Morais Sarmento. Isto vai ter graça.

1 comentário:

Mal por mal disse...

O tempo tudo cura.
Pior foi Costa/Seguro e temos aí as consequências.
Foi bom, foi mau?
Tudo é imprevisível.