quinta-feira, 7 de setembro de 2017

O dedalzinho


Bateram à porta do meu quarto, no "Beach Hotel", de Tripoli, naquele ano de 1976. Pensei que fosse um dos meus companheiros de viagem. "Sim?!", perguntei. "Podia abrir, por favor?". A voz não era conhecida.

Eu era o representante do MNE num grupo técnico interministerial que o governo português decidira enviar à Líbia, para explorar a possibilidade das nossas empresas de construção civil e obras públicas virem a operar naquele país. A ideia tinha sido suscitada por uma delegação líbia a um congresso do PS português, nesse tempo em que Kadhafi tinha ainda uma imagem aceitável na comunidade internacional, poucos anos decorridos depois do derrube do regime do rei Idriss.

Mas de quem seria a voz? Um português na Líbia? Não era Cartaxo e Trindade, um jornalista que era então o "homem de mão" dos líbios em Lisboa, responsável pela edição portuguesa do Livro Verde de Kadhafi, que já tínhamos cruzado na véspera naquele hotel que, num passado recente, era exclusivamente ocupado pelos americanos, a quem a Líbia tinha dado ordem de partida da base militar próxima.

Abri a porta e vi um homem na casa dos trinta e tal anos, que se me apresentou. Disse-me estar a trabalhar desde há quatro meses na Líbia, numa empresa canadiana, já não recordo o setor. O quarto era pequeno, não o mandei entrar, ficando nós a conversar, em voz baixa, no corredor. Disse-me ter encontrado no hall um dos meus colegas de missão. 

Eu continuava sem perceber a razão pela qual o homem cuidara em saber o número do meu quarto, onde me fora procurar, já bem depois do jantar. A conversa andava "às voltas", quando eu arranjei coragem para dizer algo como isto: "Mas precisa de alguma coisa da minha parte?". Vi que o homem hesitava, olhava em volta, e que baixava ainda mais a voz: "Um dos seus colegas disse-me uma coisa: que o meu amigo trouxe algum alcool".

Fiquei furibundo! Era estritamente proibido levar alcool para a Líbia mas eu, num gesto um tanto inconsciente, tinha decidido levar comigo um pequeno frasco metálico com algum whisky. Era uma quantidade muito pequena e, com alguma reserva, já "cedera" uns "golos" a colegas da delegação. Mas era completamente incrível que um deles tivesse dito isso a um estranho! Percebi logo quem tinha revelado o facto e, inclusivamente, dito ao homem o número do meu quarto. Mas a minha fúria começou a desvanecer-se quando o homem me disse: "Quando mencionei ao seu colega que o alcool era o que mais me faltava aqui, ele disse-me que o meu amigo talvez me pudesse "desenrascar", para "matar saudades". Se me pudesse dar um dedalzinho de alcool, ficava-lhe muito agradecido..."

Mandei entrar o homem para o quarto, dei-lhe duas medidas de whisky, fiquei com a sensação de que uma lágrima lhe correu pelo rosto, mas deve ter sido impressão minha...

2 comentários:

Anónimo disse...


Que estória!!! Ele é o alcool necessário como combustível de trabalho.

Lembro-me de nos anos 80 tomar o pequeno almoço numa pastelaria na av. da república em Lisboa onde muitos funcionários da classe média pediam apenas um café e um....bagaço para começar o dia de trabalho. Enfim.....

Anónimo disse...

Anos 80 anónimo das 13:58?!
Em 2017 isso acontece!