sábado, 9 de setembro de 2017

Hóquei (escrevo assim)


Há dias, numa conversa em noite quente, em Ponta Delgada, eu e um amigo que me acompanhava demo-nos conta de que, sem então nos conhecermos, havíamos estado juntos no "galinheiro" do Palácio de Cristal, no Porto, na noite de 4 de maio de 1968, a vibrar com a vitória de Portugal sobre a Espanha, em hóquei em patins, numa final do campeonato do mundo. 

Ele foi um conceituado praticante da modalidade, eu era apenas um aficionado de bancada e de leitura de imprensa desportiva, além de seguidor e sofredor radiofónico regular durante os relatos vivos que Artur Agostinho nos fazia desse mítico pavilhão desportivo de Montreux (onde um dia me senti na obrigação de ir, numa romagem de nostalgia).

Portugal venceu então, nesse outro maio de 1968(!), "a nossa vizinha Espanha" (expressão do jornalismo sem imaginação) por 2-0. 

O que fará com que, nos dias de hoje, o meu entusiasmo com estas finais seja bem menor? 

À hora de almoço de hoje, quando, aos penalties, "nuestros hermanos" (outra banalidade ritual na imprensa) nos derrotaram em mais uma final mundial, desta vez na China, tive pena (claro!), mas isso não afetou o apetite com que continuei a comer o belo bacalhau que o meu amigo João apresenta na sua "Imperial de Campo de Ourique".

Naquele outro tempo, eu conhecia de cor até a composição da equipa espanhola (como tinha sabido outras, no passado). Hoje, não sei o nome de nenhum jogador português. Como diria, com a sua preverbial expressividade, Donald Trump: "sad!"

1 comentário:

Anónimo disse...

Falar de Hockey, falar de Campo de Ourique e não falar do Clube Atlético ( CACO )...

tem que comer menos.... queijo!....

cmpts