terça-feira, 19 de setembro de 2017

Armando Trigo de Abreu


O Armando Trigo de Abreu, que foi ontem a enterrar, tinha uns bons anos mais do que eu. Por tantos amigos que tínhamos em comum, pelos ideais que partilhávamos e pela excelente relação pessoal que de há muito mantínhamos, acho que sempre nos vivos na mesma faixa geracional - a que esteve presente nas lutas académicas contra a ditadura, a que exultou com o 25 de abril e participou politicamente no quadro democrático. 

Ligo muito o Armando ao José Mariano Gago, mas também a Manuel Heitor - esse núcleo que deu à ciência em Portugal um impulso sem paralelo, com o efeito notável no reforço do país nesse domínio.

É mais um que se vai, desta nossa "colheita" que fez abril, que ajudou a reforçar a democracia, a sonhar uma sociedade diferente. A sua serenidade discreta, o seu permanente sorriso e a sua simpatia deixarão de andar por aí. 

Sem comentários: