terça-feira, 5 de setembro de 2017

A Mornaça


Há dias, aqui nos Açores, perguntei uma simpática guia se ela tinha ouvido falar da "Mornaça".

O tempo estava pesado, quente e húmido, qual "Noite de Iguana", embora sem as amenidades do filme. O conceito de "mornaça" é tipicamente açoriano e refere-se a esse ambiente "misty". Com naturalidade, ela julgou que era a isso que eu me estava a referir. Conhecia, claro, a expressão açoreana, mas nunca tinha ouvido falar de um livro de Ferro Alves com esse nome. E era essa a minha questão.

Ferro Alves foi um revolucionário republicano que, enquanto desterrado nos Açores, interveio, em 1931, naquela que pretendia ser uma revolta nacional contra a ditadura, mas que, em termos práticos. acabou por ficar confinada à famosa e frustrada Revolta da Madeira. O livro é de 1935, tem a bela capa da imagem e é hoje uma raridade bibliográfica (tenho um exemplar algures). No fundo, é uma espécie de relato de uma revolução fracassada, tendo como curiosidade principal os telegramas eufóricos, relatando êxitos que não tiveram lugar, com que Ferro Alves debalde procurou "animar as tropas" dos infelizes revoltosos.

8 comentários:

Anónimo disse...

Lá há-de por aqui cair o tema. Este não é o sítio, mas valerá a pena ao menos deixar alguns factos antes que comece o discurso caricatural. Diz Vítor Dias no seu https://otempodascerejas2.blogspot.pt/

«Coisas de Facebook
Cuidado com as
gravidezes por ouvido !

No rescaldo das tarefas de desimplantação da Festa, apanho no Facebook com um coro de pessoas sérias e até amigos muito indignados por causa de não sei quê do PCP e da Coreia do Norte. Alguns partiram de um post do historiador Rui Bebiano que diz que « Agora que Jerónimo de Sousa, no seu discurso da Festa do Avante, tendo no palco um representante do regime norte-coreano, adopte na prática a defesa deste sem considerar o seu caráter sanguinário, paranóico, repressivo e belicista, só porque tem formalmente os EUA como principal inimigo e é dirigido por um «partido-irmão», é de bradar aos céus e de todo inaceitável.»
E para já, quase só venho prevenir para o perigo das gravidezes por ouvido, pois o que Jerónimo de Sousa de facto disse foi o seguinte, sem sequer falar explicitamente da Coreia:

«O mundo vive tempos conturbados e perigosos. Por todos os continentes, o imperialismo, nomeadamente o imperialismo norte-americano, aumenta as suas ameaças e acção agressivas contra todo e qualquer país e povo que resista perante os seus intentos de domínio político e económico e ouse afirmar e defender a sua independência e soberania, o seu direito ao desenvolvimento.
Os EUA, a NATO, as grandes potências da União Europeia e os seus aliados, são responsáveis por uma colossal corrida aos armamentos, incluindo o aperfeiçoamento de armas nucleares e a instalação de sistemas anti-míssil à escala global. São responsáveis pela militarização das relações internacionais, o uso da chantagem nuclear, a criação de sucessivos e constantes focos de tensão, o desrespeito da legalidade internacional. São responsáveis por violentas operações de ingerência e desestabilização, instrumentalização do terrorismo e sucessivas e incessantes guerras de agressão, sempre sustentadas em falsos pretextos e intensas campanhas de desinformação. O imperialismo, nomeadamente o imperialismo norte-americano, é responsável por uma criminosa escalada de confrontação que, a não ser travada, conduzirá a Humanidade à catástrofe. Nunca terá sido tão importante como o é hoje, ampliar e fortalecer a luta pela paz e pelo desarmamento – A COMEÇAR PELA NÃO PROLIFERAÇÃO abolição DAS ARMAS NUCLEARES –, pelo cumprimento dos princípios da Carta das Nações Unidas e do direito internacional, pelo respeito do direito à auto-determinação e da soberania dos povos.»

A meu ver, podem até algumas santas almas sustentarem que os EUA não intervêm na Ásia.

Pode-se até achar que a situação nas Coreias exigia uns parágrafos próprios no discurso com a devida referência a responsabilidades repartidas.

Agora concluir deste texto que o PCP se identifica com o regime norte-coreano.ou sequer apoia todas as suas declarações ou iniciativas na esfera internacional é um abuso cometido ou por má-fé ou por falta de atenção e clara desinformação.


P:S.: Explicitando que não tenho qualquer simpatia pelas características estruturais do regime norte-coreano, a beneficio da cultura geral venho informar que de 1960 a 1987 a Coreia do Sul foi governada por férreas ditaduras com a óbvia e tradicional complacência dos EUA.»

Anónimo disse...

O anónimo das 10:27, deve ter saído da idade do cromagnon ou da série "Os Flingstones".......!!!!!!!!

Portugalredecouvertes disse...


Então não é que eu pensei que estava a ler "a Morenaça"!

Anónimo disse...

5 de setembro de 2017 às 14:27,

É isso mesmo. Saí desses sítios que diz, como adivinhou?

Unknown disse...

Senhor Embaixador





Senhor Embaixador
Em ref ao livro Amores de Cadela Pura volumes I e II, que nao encontrou nas livrarias, se estiver interessado posso oferecer-lhe os dois volumes
Neste momento nao estou nos acores devo chegar a pdl na quintq feira dia 07nd de setembro
Se ainda estiver em pdl posso entrega-los pessoalmente com muito gosto.sou um leitor assiduo do vosso blog e nao so
Cmpts
Liberal Correia
liberalcorreia@hotmail.com

Phone 9193354437

Anónimo disse...

"É isso mesmo. Saí desses sítios que diz, como adivinhou?"

É fácil, basta ler a entrevista do "barreirinhas" a Oriana Fallaci Em 1975 ao Paris-Match" .

Resumindo:o socialismo acaba quando acaba o dinheiro dos outros !

Anónimo disse...

6 de setembro de 2017 às 19:25,

Exacto, pá. Um espanto como me apanha.

Gonçalo Pereira disse...

Algum dia tenho de lhe falar do autor desta Mornaça. Tem uma das histórias mais incríveis do século XX em Portugal.
Cumprimentos,
GP