sábado, 8 de julho de 2017

No tempo dos gambuzinos


Houve por aí um tempo em que a América, no imaginário português, foi muito marcada (para além dos filmes, claro) pela influência das "Seleções do Reader's Digest" (escrevo "Seleções" sem "c" porque, à época, a única versão em português era brasileira).
Os EUA que as Seleções (era assim que dizíamos) nos traziam era um mundo feito de clichés otimistas, muito bem construído ideologicamente, com dois ou três artigos por número de pendor subliminar ou abertamente anticomunista, a que se somavam textos interessantes, que carreavam uma realidade sedutora, bem distante do cinzentismo do Portugal de então. (Já sei: e o "Meu tipo inesquecível, "Piadas de caserna", "Flagrantes da vida real", "Rir é o melhor remédio" e outras secções clássicas).
Hoje, ao encontrar na net esta imagem, recuperei por um instante "essa minha América", presente na publicidade inserida na revista, o retrato imagético perfeito do "American way of life".

2 comentários:

Reaça disse...

Era o tempo em que se acreditava em Portugal, abertamente, que os EUA eram o céu na terra, e à socapa, que a Rússia era o paraíso.

Helena Sacadura Cabral disse...

Ai meu caro Francisco onde essa América já vai...
Foi bom, foi um sonho. Mas hoje vive-se acordado!