sexta-feira, 2 de junho de 2017

Todos os anos, pela Primavera


Todos os anos, pela Primavera - como dizia a peça de teatro Sttau Monteiro - reúne o clube de Bilderberg. E, todos os anos, algum mundo mediático agita-se em torno desse misterioso grupo, a quem são atribuídos poderes à escala global. Sem Bilderberg, o laborioso setor das "teorias da conspiração" (que tem na imagem uma ilustração perfeita) perderia uma adubagem poderosa.

Para alguns, com a legitimidade que cada um tem de pensar o que muito bem entende, Bilderberg representa uma espécie de clube de interesses, à escala global, que procura garantir, por discreta cooptação, que aqueles que revelaram a adesão a um conjunto básico de princípios, podem ser ajudados a assumir funções e, eventualmente, a atuarem em consonância com os objetivos que o grupo se propõe defender. A triagem desses eleitos é feita, em cada país, por alguém em quem o grupo delega a responsabilidade da seleção, na certeza que tem de que os seus critérios essenciais são sempre preservados.

No nosso caso, Francisco Pinto Balsemão representou o papel de « pivot » português de Bilderberg e, nessa função, ao longo dos anos, foi convidando a estarem presentes nas reuniões anuais figuras que tinham já algum passado que parecia indiciar um futuro promissor.

Escrevi, há meses, um texto para a apresentação de um livro de Frederico Duarte de Carvalho sobre este assunto. Dado que o tema, como é da inescapável sua natureza sazonal, voltou "à baila", respigo algo que então escrevi e que, claro, reitero:

"Quase cinco décadas a observar o mundo e as suas instituições levaram-me a alimentar algum ceticismo sobre a capacidade de certos interesses conseguirem mobilizar, como se de uma religião se tratasse, prosélitos que, no nosso caso, vão da ala esquerda dos socialistas a conservadores radicais. Bilderberg, como a Trilateral e outras estruturas desta natureza (porque há algumas outras), o que é que são, na minha visão pessoal?

São foruns onde vigora uma espécie de «template» comum : defesa acérrima da economia de mercado, recusa de receitas económicas estatizantes, sob o cultivo de um pensamento semore muito liberal - na leitura europeia de liberal, não na americana, claro. Durante a Guerra Fria, a profunda rejeição do comunismo e de tudo quanto o pudesse favorecer levou, muitas vezes, à transigência cínica com alguns autoritarismos conservadores. Bilderberg para mim foi e é isso – e não muito mais.

Nas suas reuniões, são ouvidas opiniões informadas, gente intelectualmente quase sempre muito bem preparada, às vezes algumas vozes fora do «mainstream» do clube. Isso permite uma oportunidade única de ter uma imersão total, em escassas horas, num manancial de ideias que, nem por serem direcionadas, deixam de ter grande interesse.

E há um outro aspeto em que Bilderberg tem importância: no «networking», nas redes de contactos e conhecimentos que se estabelecem e promovem nesses encontros. Um bom contacto leva a uma outra conversa futura, às vezes a um negócio, seguramente a uma atualização da agenda telefónica ou de emails."

Nesse texto, expliquei também que divergia do autor referido, quanto à ideia de que Bilderberg promove pessoas para chegarem a certos postos. E acrescentava:

"Eu acho, bem ao contrário, que essas pessoas são escolhidas para irem a Bilderberg porque, na perspetiva de quem as selecionou, eram gente com futuro.

No caso português acho que Pinto Balsemão fez o óbvio : escolheu aqueles que via como «high flyers», enganou-se algumas vezes mas, no essencial, acertou. Porquê ? Porque o nosso «baralho» é pequeno e, por cá, quem tem um olho é rei..."

Escrevo este texto apenas com uma mágoa. É que, ao fazê-lo, sei que estou a alimentar a discussão sobre o assunto, a suscitar novos comentários na escola do "não é por acaso que..." e nada disso tem o menor sentido.

Uma nota final: Francisco Pinto Balsemão deixou de ser o "selecionador" português e escolheu Durão Barroso para lhe suceder.

10 comentários:

Anónimo disse...


Será a contrapartida da Internacional Socialista de que tanto se falou nos anos 70 mas a qual se esvaneceu porque os comunistas não aderiram ao aburguesamento necessário.

O que eu gostaria era:
Já que temos de viver com essas e outras organizações semi ou totalmente secretas que elas mesmas funcionassem como devia ser e tirar-nos destes apertos em que se vive hoje. Se já não são úteis que se lhes fechem a porta para podermos viver sem esqueletos nos armários e seguirmos em frente.

N.B. Seguirmos em frente "means" nem à esquerda nem à direita actuais.

Anónimo disse...

Há até algumas organizações,que se dizem discretas, que teem encontros nos solstícios de inverno e de verão.
O que fazem nessas ocasiões só os que lá vão sabem. E mesmo esses, sabem conforme as posições que ocupam.
Como já disse o outro: Se não nos tiram deste aperto é melhor fecharem-lhes a porta porque já não serão úteis.

Anónimo disse...

Notícias da. silly season:
A Irlanda terá um novo PM, Vlad Dracula de nome ou coisa que o valha.
Pinho, qual Sócrates investigado por andar a estudar no estrangeiro. Amado permanece, por ora, imune à irregularidade de andar a lutar per'a vida lá fora.
Mexia, apesar da sua magnífica moldura de óculos já não poderá integrar o clube de conspiradores de Bilberg por causa de um problema de rendas.
Catarina, na falta de Salazar, acha que Gomes não pode dirigir a Secreta por andar há demasiado tempo lá fora e ser preferível um senhor magistrado circunspecto, asseado e muito sério.

Isabel Seixas disse...

Oh, que criatividade a de Pinto Balsemão
e que surpresa
a de aos "velhos amigos" não esquecer dar a mão
para ter sempre posta à mesa...


Joaquim de Freitas disse...

Em tempos houve o Komintern sediado em Moscovo. Bilderberg é a contrapartida do capitalisme mondial.
G

Anónimo disse...

A "Lesboa"......a virar frangos desde 2007....

Anónimo disse...

"Teoria da conspiração" isso nao sei.
Agora o que sei é que ate a bem poucos anos atras muito era feito para manter esse evento fora do conhecimento das pessoas e quem nessa epoca falava desse evento levava com esse rotulo de teorico da conspiracao e afinal tinham razao.
Outra coisa, aquilo nao deve ser barato. Quem e que paga a factura? Sabendo que nao ha almocos gratis duvido que façam aquilo so para confratenizar e trocar ideias.

Anónimo disse...

Até pode fazer sentido. Não estou é a ver esse momento em que o clube mobilizou gente da esquerda do PS, mas tá bem. Podem dar-se exemplos?

Por outro lado, a escolha de Durão Barroso acentua o lado sinistro de qualquer clube. Nos modos viscosos, é um dos maiores corruptores do mundo.

dor em baixa disse...

Clube de poderosos sim, não de cidadãos simples, exemplares. Para impor os interesses daqueles, opaco , antidemocrático. A cereja em cima do bolo: o sucessor é Durão Barroso!

carlos cardoso disse...

Sou a favor da liberdade religiosa, incluindo todas as religiões e portanto também o Bilderberg e o Benfica, enquanto não fizerem mal a ninguém.