sexta-feira, 16 de junho de 2017

Helmut Kohl

Hesitei um pouco a escrever "ainda sou do tempo de Helmut Kohl". A expressão acarreta, consigo, uma ideia de coisa antiga. E, porventura, devo assumir que o é. 

Sou do tempo em que o recém-empossado primeiro ministro António Guterres, chegado a um dos seus primeiros Conselhos Europeus, levantou a mão e, perante um impasse criado entre Jacques Chirac e Kohl, propôs uma determinada solução de compromisso. Eu (e estava errado) assustei-me com a ousadia, Chirac sorriu, complacente, com o atrevimento do "Antoniô", Kohl ficou com um ar esfíngico e ambos, sob o olhar algo surpreendido dos restantes parceiros, acabaram por ter de reconhecer a sensatez do que tinha sido aventado pelo seu par português. O qual, a partir desse dia, não tendo a altura física dos seus colegas do eixo Paris-Bona (Berlim viria mais tarde), demonstrou ter uma estatura europeia que ninguém ainda por lá esqueceu.

Sou do tempo em que, numa pausa de outro Conselho Europeu (ou num momento transformado em tensa pausa, pelos factos ali produzidos), vi um irado Helmut Kohl encaminhar-se, a passos largos, pelo meio da sala, para um seu homólogo, cujo nome não cuido em lembrar, que assumira uma atitude que lhe tinha fortemente desagradado, naquilo que ficou à porta de ser um inédito confronto físico no seio do mais alto areópago europeu. (Anos mais tarde, numa madrugada tensa de Nice, vi um furibundo Jacques Chirac avançar para um ministro dos Negócios Estrangeiros de um país vizinho, em termos que imitavam, à perfeição, a anterior cena, com a diferença de que o interlocutor que Chirac invectivava em tom forte estava encafuado numa cadeira de braços, da qual não conseguia fugir ao gesticular ameaçador do homem da Corrèze.)

Helmut Kohl morreu hoje. Nunca falei com ele mas conheço muito bem o seu papel na História da Europa e do seu país. E também sei, porque o ouvi a alguns que com ele privaram ou acompanharam de perto a sua ação, que foi uma personalidade a quem nunca foram indiferentes os interesses de Portugal, que soube entender as nossas razões, que nos ajudou, com compreensão, em momentos delicados da nossa adesão e participação no processo europeu.

Só por isso, dá-me gosto dizer que ainda sou do tempo de Helmut Kohl.

2 comentários:

Anónimo disse...

Quem não tem lugar, mesmo na pequena história da Europa é Manuel dos Santos. Tempo para Manuel dos Santos ser substituído por Maria Amélia Antunes, a candidata que se segue nas listas do PE.

Anónimo disse...

Helmut Kohl foi o último dos grandes políticos na Europa. Era alguém capaz de liderar o seu país, sem o pôr em causa, mas mantendo uma visão clara da necessidade da Europa se unir e avançar para o futuro, enfrentando conjuntamente os desafios.

Precisamos de voltar a ter este género de líderes na Europa, pois de outra forma ela pode vir outra vez a ser destruída.