sábado, 24 de junho de 2017

As corridas


A imagem é de 1958. À frente, Stirling Moss, atrás, Jean Behra. Acabariam assim no podium. A zona é a Timpeira, depois da sua histórica curva e na aproximação à ponte, no circuito internacional de Vila Real. 

Nesse tempo, as traseiras da minha casa ficavam quase sobre a meta, o que, por vários anos, transformou uma janela e o nosso terraço numa espécie de bancada alternativa, onde ia parar muita família e alguns amigos, tudo para "ver as corridas". Lembro-me (ainda guloso) da imagem da mesa de sala de jantar, atulhada de vitualhas e refrescos, para apoiar as tardes "desportivas". E de mim, impaciente, a rasar a mesa, em "treinos"...

As "corridas" mobilizaram sempre Vila Real, dos automóveis às motos. Há por ali uma forte cultura motorizada, que tem atravessado gerações, desde que, na primeira metade do século passado, uma personalidade, que deu pelo nome de Aureliano Barrigas, lançou esta iniciativa. Houve períodos diferentes no tocante à tipologia dos veículos, em alguns anos as corridas estiveram suspensas, mas tudo retomou de novo. Dois nomes da cidade, já desaparecidos e ambos meus amigos, ficaram ligados ao circuito vilarealense: Manuel Fernandes e Sidónio Cabanelas. Lembrei-me de ambos hoje.

O percurso do circuito agora é diferente, os automóveis também, mas o famoso WTCC, uma emocionante prova internacional, leva à capital transmontana, desde há três anos, muitos milhares de pessoas, neste fim de semana. Tenho pena de não poder lá estar, mas a ubiquidade é uma qualidade que ainda tenho de aperfeiçoar um pouco mais (mas lá chegarei!).

2 comentários:

Isabel Seixas disse...

Ubíquos só os fotões.
Talvez o pensamento em milésimos de segundo.

Anónimo disse...

Este ano existe uma dupla capaz dos maiores sucessos num Kamov, Costa e Lacerda.