domingo, 16 de abril de 2017

Peregrino de primeira classe


(A minha querida amiga Leonor Xavier publicou em livro os testemunhos de sete dezenas de pessoas, subordinados ao título comum "Peregrinações". Porque a dimensão espiritual não fazia, de todo, o meu género, optei por relatar a minha "peregrinação" pessoal pelas principais cidades onde a vida profissional me levou - um pouco ao jeito daquilo que, há uns anos, a própria Leonor fez sobre as casas por onde viveu. Deixo aqui esse texto, agradecendo à mulher-coragem que é a Leonor este seu convite.)

A minha peregrinação, Leonor, não é “interior”, como a do Alçada, nem “ad loca infecta”, como a do Sena.

Um dia, por um acaso da vida, tornei-me peregrino “de primeira classe”. Descia uma rua, encontrei um amigo engravatado, perguntei-lhe o que fazia, disse-me que era diplomata e de haver um concurso próximo para essa carreira. Fiz o exame, fui aceite e comecei a andar pelo mundo. Não fui à aventura, fui com segurança, como peregrino público, pago pelos nossos impostos, para esse mundo que alguns patetas acham “do croquete”, até se verem numa alhada em terras alheias ou na necessidade de terem uma ajuda para um negócio encravado.

Essa minha peregrinação começou na Noruega, com frio e bacalhau, onde fiz o tirocínio para viver no estrangeiro – eu que sempre tinha achado que o estrangeiro era apenas um lugar para férias. Aprendi por ali o bê-à-bá da diplomacia, porque só fora do nosso país isso é possível. O peregrino começava a sua jornada.

Anos depois, as Necessidades entenderam dever dar-me uma experiência radical. E daquela “righteousness” de vida, sem um papel pelo chão e a 90 km/hora nas autoestradas, fui parar a uma Angola caótica, em guerra, sem uma loja aberta, recolher obrigatório noturno, por meses num hotel sofrível em que havia arroz com peixe frito ao almoço e peixe frito com arroz ao jantar. E não é que me diverti imenso! Pudera, com o António Pinto da França como chefe e o Zé Stichini Vilela como colega, os meses passavam depressa, com o Mussulo e a Barra do Kuanza para atenuar as neuras, que nunca foram muitas.

Regressei, depois, a Lisboa. Portugal iniciava a sua aventura europeia e eu entrei nela desde o primeiro dia. Era um mundo novo. Íamos a Bruxelas como quem ia a Meca. Sabíamos que parte do nosso futuro estava por ali, embora, à época, não sonhássemos quanto a nossa vida coletiva ia depender dessa Europa. Viajei muito pelo mundo, por esses tempos: por todos os continentes (mesmo todos!). Peregrinava em nome e em representação do país, estudando, de caminho, o modo como nos viam lá por fora.

Um dia, porque as peregrinações diplomáticas não podem parar, fui parar à Corte de St. James. Foi um privilégio poder viver no país mais idiossincrático do mundo, que tem de si mesmo uma ideia tão elevada que, às vezes, roça o caricato – e eles sabem! Londres é, foi, uma das mais belas cidades do mundo para viver.

Até um dia. Lisboa de novo. É assim a vida. Fui para o governo. Outra vez as coisas da Europa como destino. E o peregrino, agora tomado de empréstimo pela política, continuou a andar. Muito, talvez demasiado, até se cansar. Aeroportos sobre aeroportos, quartos de hotel como residência precária, falso turismo muito urbano e sempre “à vol d’oiseau”. Fiquei vacinado. Uhf!

Depois, a peregrinação fez-me assentar vida, levou-me para Nova Iorque. Trabalho, mesmo muito trabalho, vida muito diferente, exigente, tensa. Mas com imensa graça, desafiante, naquela cidade que, para nós, é a porta da América e, para os americanos, já “cheira” a Europa. Por lá, nesse tempo, ali ao meu lado, caíram as Twin Towers. Vi mudar a América, pressenti claramente que qualquer coisa de essencial ia acontecer pelo mundo. E assim seria.

Viena foi o destino seguinte da peregrinação. Mas a “música” por lá era outra, o trabalho também, a gestão dos despojos politicos da Guerra Fria. De lá parti várias vezes, em peregrinação acessória, pelas terras fascinantes do Cáucaso e da Ásia Central. E da Ásia mais distante, e do Médio Oriente e de alguma África. E, uma vez mais, viajei imenso, aprendendo bastante – e aprender, aprendi eu, é a melhor coisa da vida.

Depois, Leonor, você sabe: foi o Brasil, uma espécie de descoberta de nós mesmos noutros tempos, uma peregrinação através das viagens que outros, antes, já haviam feito por nós. No Brasil, aprendi que não há nada de mais distante e distinto do que aquilo que temos a tentação de ver como muito próximo. O Brasil foi o deslumbre, a graça de uma existência sorridente, alegre, uma ilusão consentida.

E, finalmente, o meu sonho geracional fez-se. A peregrinação teve Paris como penúltimo porto. O Paris que eu sonhara na juventude, com um pai francófilo e francófono, ali estava, com uma comunidade portuguesa que também peregrinara pela corda da vida, de Champigny à atualidade próspera de muitos. Eram as livrarias, as brasseries, os passeios a beira-Sena ou pela França profunda. Belos tempos.

Um dia, com naturalidade, chega-se ao fim dessa peregrinação privilegiada, de “primeira classe”. Lisboa, o país, onde tudo começou, é onde tudo vai acabar, serenamente, com a família, os amigos, as tertúlias, a boa mesa, as leituras e as escritas. É o olhar para trás que verdadeiramente nos faz ter consciência da peregrinação feita, onde se recorta uma vida onde a sorte, que deu trabalho, nos dá a felicidade possível. Nem mais nem menos. 

6 comentários:

Joaquim de Freitas disse...

Belo texto, Senhor Embaixador. E muito bem escrito, como sempre. Já escrevi aqui, no seu blogue, um dia, que gostava de saber escrever assim na nossa língua natal para descrever quase as mesmas andanças, pelo mesmo mundo do Senhor, mas em missão comercial durante 35 anos. Em serviço, por culpa doutros, duma Nação que me acolheu e os meus, e que é a minha segunda Pátria. Mesmo com as deficiências de um longo exílio, foi em Português que escrevi um livro de Memórias, no qual relato épicos combates comerciais, e as gentes que visitava. “Da Muralha de Guimarães à Muralha da China”!
E como o Senhor Embaixador, agora também olho para trás, o caminho percorrido…

Desejo-lhe uma Boa Pàscoa e a todos os seus.

Anónimo disse...

Bem escrito!
O ser humano peregrina, de certo modo, neste planeta (mesmo que ainda viva no mesmo bairro onde nasceu) pois tudo no universo se movimenta.

Anónimo disse...

A carreira do senhor Embaixador é um exemplo de preseverança, tenacidade e successo.

Tem razão Dias Loureiro ao apontar os graves problemas de competitividade e a visão frequentemente provinciana e paroquial das nossas elites.

Creio que o senhor Embaixador terá uma publicação sobre a prospectiva de Portugal, em parceria com outros notáveis, que seria bom desenterrar.

Portugalredecouvertes disse...

Bonito texto !
Bom domingo de Páscoa, Sr. Embaixador

Helena Sacadura Cabral disse...

Francisco
Desde que o conheço que lhe admiro a escrita. Foi ela, aliás, que permitiu que eu tivesse o gosto de o encontrar. Este belo texto lembrou-me o meu irmão mais velho, que morreu recentemente, também ele, perdido no emaranhado das capitais onde viveu longe de toda a família. Não sei se a carreira o fez feliz. Nem sei se me faria a mim, que tanto a ambicionei, numa altura em que ela era vedada às mulheres.
Mas a vida de peregrino tem muitas compensações. Isso eu sei. Abre as mentes e os horizontes. E torna-nos mais portugueses!
Boa Páscoa para a Maria Virginia e para si da
Helena

José Alberto disse...

Excelente curto relato de uma preenchida experiência de vida.
Nem sempre o sonho comanda a vida, por vezes, também a vida faz o sonho acontecer.
Na vida, todos temos um peregrinação que podemos relatar, umas bonitas outras nem tanto.

No que me toca, em particular, não por falta de oportunidades, mas por não as ter sabido aproveitar, não tenho uma peregrinação de vida da qual me arrependa, mas também não me alegra.
Ficamos então pela perigrinação do FSC, pelo livro de Leonor Xavier, pela "Perigração" de Fernão Mendes Pinto e por muitas outras, uma escritas e outras ainda por escrever.