segunda-feira, 6 de março de 2017

Guimarães

Sou do tempo em que o Sporting ganhava em Alvalade ao Guimarães... (O empate de ontem deve ser consequência da noitada de júbilo da reeleição do "líder" que nos levará às grandes vitórias.)

Numa bela tarde de sol (mais bela porque ganhámos por 3-1), já há uns bons anos, em Alvalade, o Sporting estava a fazer um bom jogo com o Guimarães. A certa altura, um atacante sportinguista caiu na área do adversário e, na bancada onde eu estava, houve um imenso berro de "penalti". O árbitro não marcou.

Talvez porque, antes dos meus 20 anos, fiz um curso de arbitragem de futebol, "tenho a mania" de ser rigoroso nas minhas análises. Sou completamente incapaz de, por cegueira clubista, achar que houve falta... quando não houve! (Embora, muitas vezes, não me importe que o árbitro marque, mas isso é outra questão.)

Naquele instante, no seio de uma homogénea bancada leonina, saiu-me um imprudente: "Não foi penalti!" O que eu fui dizer! De "lampião" para cima (porque, no seio do Sporting, é o mais baixo qualificativo insultuoso existente) fui apodado de tudo (lembras-te, Tó Zé?). E não fora dar-se o caso do jogo estar a correr bem para o Sporting e o meu gesto podia ter-me saído bem caro.

Nessa tarde, decidi definitivamente deixar a honestidade técnica à porta dos estádios.

3 comentários:

Anónimo disse...

o que me incomoda na omnipresente conversa acerca de arbitragens é que eu (que sou benfiquista) raramente tenho opinião acerca dos lances por muito repetidos que sejam. E sejam para que lado forem: Benfica, Sporting e Porto. Em arbitragem, lembro-me daquele fulano da história com quem nos cruzamos na escada e nunca sabemos se está a subir ou a descer.Mas se eu tenho dúvidas sentado na poltrona de telecomando na mão, como não hão-de os árbitros tê-las, sem repetições?

Agora, uma coisa sei. E isso vem-me na formação racionalista em engenharia. Num sistema normal, sem más intenções, os erros e benefícios equilibram-se no final do temporada. Os árbitros são maus e bons, têm dias maus e dias bons. Mas em equilíbrio, cada equipa, terá um número de benefícios e prejuízos da mesma ordem de grandeza num sistema normal, sem más intenções.

Também sei que com excepção de casos excepcionais, não é normal haver um penalti por jogo como o FCPorto defendeu para si durante toda a primeira volta. Até acredito que em todos os jogos haja situações passíveis de ser interpretadas como de grande penalidades. Mas como nenhuma equipa do mundo tem, salvo casos pontuais, tantos penaltis assinalados a seu favor, imagino que os árbitros não vejam parte das faltas ou que as interpretem doutro modo. Ou seja, é conversa para dizer qualquer coisa.

E se, de facto, havia em todos os jogos do FCPorto um penalti por assinalar, também existiria estatisticamente o tal penalti sonegado a Benfica e a Sporting. Feitas as contas, que fiz, Benfica e Porto tinham mais coisa menos coisa o mesmo número de penaltis assinalados a seu favor. Não havia desproporção estatística. Onde parece haver desproporção estatística é no número de vezes que o FCporto tem jogado contra dez adversários. Mas, lá está, falta cumprir calendário, para, no final, se perceber se a coisa se equilibra com os outros e se calhou que as expulsões concentradas tenham sido uma qualquer singularidade estatística.

Capucho disse...

É. O Vitória jogou bem e mais uma vez foi prejudicado pela arbitragem. Já o Sporting de Lisboa, foi o que foi...

Anónimo disse...

-Não foi o Jardel, o tal que caía a três metros do adversário?
-Já há outra moda para além de lampião, agora mandam-nos "( com sua licença,"bardamerda)
-Bem sei que há um baronato que não se reconhece neste timoneiro Sportinguista.
Fique descansado que o incluo neste baronato
Já agora, muitos anos para Bruno como Presidente do Sporting, nós Benfiquistas, gostamos do Sr Bruno nos comandos com o JJ. Ai que alegria que nos dão...