sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Obra aberta


Chama-se "Obra Aberta" e é um programa da "Rádio Renascença", gravado com público no Centro Cultural de Belém, transmitido cada segunda-feira, às 23 horas.

Ontem coube-me emparceirar com o professor e escritor Helder Macedo, que coincide ser um bom amigo poessoal.

A conversa, de cerca de uma hora, moderada por Maria João Costa, versou sobre livros. No meu caso, deixei algumas notas da minha ligação umbilical a essas folhas ligadas em forma de volume, de que vivo rodeado. E falei de alguns dos muitos livros (porque são mesmo muitos!) que ando a ler.

Quer o Helder Macedo quer eu coincidimos na recente e excelente biografia de Manuel Teixeira Gomes, de José Alberto Quaresma. Aproveitei para chamar a atenção para um interessante estudo que o Helder faz sobre Teixeira Gomes no seu recente "Camões e outros contemporâneos". E dei a minha impressão sobre as razões que podem ter motivado o relativo apagamento da figura muito interessante de escritor, diplomata e político que Teixeira Gomes foi - mas, sobre isso, direi algo daqui a dias.

Depois, falei do magnífico "O impostor", de Javier Cercas, já publicado há algum tempo, um retrato de uma figura bizarra da pequena história contemporânea espanhola, num recorte trágico-irónico sobre esse tema de difícil tratamento que continua a ser a sua sangrenta Guerra Civil. De Cercas, notei também a recente reedição do "Soldados de Salamina" e lembrei a importância da leitura do "Anatomia de um instante", um livro já com alguns anos, imprescindível para entender o significado profundo da "tejerada" de 23 de fevereiro de 1981.

Finalmente, dei conta do surgimento do "Tenho cinco minutos para contar uma história", de Fernando Assis Pacheco, uma coletânea de histórias lidas pelo próprio na rádio, em 1977/78, que acaba de sair, agarrando temas do quotidiano, numa linguagem ágil, rica, com o humor e a ironia que eram a imagem de marca dessa figura fascinante que nos deixou com menos de 60 anos.

Fiquei com a sensação de que aquela hora foi demasiado curta para o muito que os livros nos trouxeram à ideia. Mas o ótimo é inimigo do bom e foi muito bom ter estado à conversa com o meu querido amigo Helder Macedo.

1 comentário:

dor em baixa disse...

Manuel Teixeira-Gomes quando abandonou o Palácio de Belém fixou-se em Argel, vivendo num hotel até morrer. Afirmou há tempos Vasco Pulido Valente, se não estou em erro, que a escolha fora determinada pelo facto de ali ser fácil arranjar menores, visto ser pedófilo. Ainda não li a biografia que menciona, tentarei aí confirmar/desmentir tal afirmação.