quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Irresponsabilidade

Espero que o Estado português encontre meios para poder ressarcir-se das despesas em que incorre quando lança operações de salvamento para o bando de irresponsáveis que vai para desportos no mar, em tempo de tempestade, ou arriscam passear ou fotografar em zonas proibidas, pondo também em risco as vidas das forças públicas encarregadas do seu resgate.

3 comentários:

Luís Lavoura disse...

Era mais eficaz não fazer nada. Não ir à procura das pessoas que caíram ao mar.
Isso serviria de lição e ilustração aos restantes cidadãos.
Ao fim e ao cabo, estão só à procura de um cadáver, e é bem sabido que os mortos não falam.

José Alberto disse...

Os mortos não falam e acabam sempre por aparecer.
A irresponsabilidade não paga imposto como caçar ou pescar. É uma pena.
Ontem em Peniche, ao longo da Marginal Norte, no Cabo Carvoeiro e na Marginal Sul, não eram poucas as pessoas colocadas em locais perigosos para tirar uma fotografia.
Porquê arriscar a vida por uma foto? E, ainda por cima para, na maioria dos casos, a colocar apenas no FB e satisfazer o seu próprio ego.

diogo disse...

e quem nos ressarce da incompetência e dos autenticos roubos perpetrados pela nossa classe política ??? ok , nós somos os culpados , talvez como li num outro escrito seu , estarmos fadados a escolher do mal o menos
abraço