terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Do défice

Há um truque novo nas notícias que nos chegam nas redes sociais ou nas menções feitas pelos "media" através destas (em especial no Twitter), havendo mesmo uns jornais nisso "especialistas", useiros e vezeiros nessa prática: publica-se um título com algo que garantidamente chama a atenção, criando a subliminar sensação de que as coisas se passam em Portugal e, depois, quando se vai ler a notícia, verifica-se que é do outro lado do mundo.

Estejam atentos a coisas como "pais vendem gémeos à nascença" ou "avionetes chocam no ar" ou algo assim. Clica-se a notícia e verifica-se que, afinal, o tráfico humano foi em Nauru ou em Tegucigalpa e o acidente em Alice Springs ou no deserto de Atacama. O site, entretanto, tendo-o nós "visitado" porque caímos no "isco", já nos inundou de "pop-up" ou de outra publicidade, colocando-nos no fundo da página outras notícias enganadoras de natureza similar. Para o que interessa ao site, passou logo a contar com mais "clicks", para os números que vai mostrar aos anunciantes com vista a promover-se.

Assim, caros amigo, quando lerem "mulher foi ao banco nua" podem ter a certeza de que não foi em Cête ou em Tercena. Mas se acharem mesmo picante (e tiverem tempo para) ler essa historieta passada em Ulan Bator ou em Baku, não hesitem...

Em Portugal, quando a realidade não provoca escândalos ou situações anómalas, importamo-los. Faz parte do nosso défice... É assim que a coisas funcionam neste país de inocentes úteis e chicos espertos. E siga a Marinha!

2 comentários:

Anónimo disse...




"Todos os dias vemos crescer, qual polvo, dentro do Estado, os tentáculos da ideologia. Na Educação, na Saúde, no Trabalho. Quando a geringonça se desfizer o polvo lá ficará trabalhando para ela."

Manuel disse...

É por causa de truques desses que tenho o AdBlock sempre ligado. É fácil, é gratuito e não dá milhões mas poupa a paciência.