sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Tudo bem?


É legítima a pergunta: acabou tudo de forma positiva no caso dos filhos do embaixador iraquiano ? Não, mas acabou, devo confessar, de forma muito mais positiva do que eu alguma vez esperei.

O cenário provável, desde o início, seria a expulsão dos alegados agressores, pela previsível recusa iraquiana a levantar a sua imunidade, gesto muito pouco comum no mundo internacional. Quero com isto dizer que a hipótese dos iraquianos serem julgados em Portugal nunca esteve, realisticamente, no plano das possibilidades.

Assim sendo, haveria que salvaguardar, pelo menos, uma reparação civil adequada e isso foi feito, com o acordo satisfatório entre as partes. Mas o Iraque foi mais longe, e aí portou-se politicamente bem : «auto-puniu-se» ao retirar, de motu próprio, o seu embaixador e prometeu organizar um futuro processo no Iraque. Claro que o teste final será o modo como esse julgamento vier a decorrer, tanto mais que, nesse contexto, há que não esquecer que o pagamento da indemnização funcionará sempre como um reconhecimento implícto de culpabilidade. À suivre, como se diz na banda desenhada.

Qualifico numa palavra a atuação em toda a questão de Augusto Santos Silva e do seu MNE: impecável.

(Artigo hoje publicado no Jornal i)

Sem comentários: