sábado, 7 de janeiro de 2017

Mascarenhas Barreto (1923-2017)


Li hoje duas notas necrológicas, dando conta da morte de Augusto Mascarenhas Barreto. Tinha 94 anos e várias vezes me tinha interrogado se ainda era vivo. Ficou conhecido pela opinião pública pelo livro em que defendeu a tese de que Cristóvão Colombo era português, nascido na alentejana povoação de Cuba. 

Conheci-o em 1968, quando decidiu fazer uma licenciatura em Ciências Sociais e Política Ultramarina, no ISCSPU. Usava então um chapéu de abas muito largas, que dava à sua figura de elevada estatura um porte curioso, complementado pelo inevitável cachimbo. Naquela casa da Junqueira, onde ainda preponderava Adriano Moreira (Marcelo Caetano afastá-lo-ia no ano seguinte), o ambiente político, embora a certa altura muito tenso, era curiosamente bastante dialogante. 

Mascarenhas Barreto era um conservador e, como tal, fazia parte de um setor com que eu não me identificava. Mas era, sem a menor dúvida, uma personalidade muito interessante para se falar, pelo que me recordo de grandes charlas na "sala verde", onde procurávamos motivos de conversa que passassem para além dessas tensões políticas. Também os 25 anos de diferença que nos separavam não tinham criado nenhuma distância insuperável entre nós. 

Perdi-o de vista e só em 1974 voltei a encontrá-lo. Na manhã de 26 de abril, na RTP. Eu desconhecia que Mascarenhas Barreto trabalhava por lá (nenhuma das notas biográficas que li menciona esse facto) e foi com espanto que deparei com ele, nesse momento muito tenso em que era feita uma primeira triagem de "quem entra e quem não entra" na televisão que tinha sido o aparelho de imagem da ditadura. Demos um abraço. "Ó colega, não esperava vê-lo por aqui!", disse-me ele, olhando a minha farda militar. Já não sei o que respondi mas lembro-me de que o Mascarenhas Barreto, nesse dia, teve acesso à RTP. Depois, nunca mais o vi.

1 comentário:

Anónimo disse...

Saí dois anos antes de ele entrar e não o cheguei a conhecer senão pela sua obra. Mas que saudades que tenho das discussões na sala verde.

José Neto