sábado, 3 de dezembro de 2016

(*) A confirmar

Um jornal traz hoje o anúncio de uma conferência, com o nome de alguns dos oradores seguido do clássico asterisco (*) e da nota "a confirmar".

Já tive a irritante experiência, por mais de uma vez, de ver o meu nome publicado com idêntica referência e, devo confessar, é muito desagradável. Porquê? Porque quase sempre há gente conhecida que vai a essa conferência / painel / palestra para nos ouvir e, mais tarde, vem queixar-se: "Então faltaste?". Ora quem, neste caso, "falta" a um evento, tendo sido dado como "a confirmar", são cidadãos que são incluídos no rol de oradores sem para isso terem dado o seu prévio consentimento. Trata-se, assim, de um abuso e de uma deselegância a pública indicação do seu nome.

Há meses, fui convidado para falar numa conferência determinada cidade do país. Nunca tinha ouvido falar da entidade que convidava (e a internet, estranhamente, não dava a menor referência sobre ela), não conhecia ninguém envolvido na organização, mas a finalidade do evento era interessante. Na conversa telefónica, foram-me listados os vários nomes "previstos". Pareceu-me "fruta a mais", dado o elevado peso dessas personalidades. E fiquei um pouco "de pé atrás". Porque havia a hipótese real de conflito com outro compromisso, pedi para confirmar só uma semana mais tarde. Falei, entretanto, com dois dos oradores "previstos" e eles disseram-me que, pelas mesmas dúvidas que as minhas, já tinham recusado.

Voltaram a ligar-me da organização. Perguntei se se confirmava a presença dos restantes oradores que me tinham sido referidos. Foi-me dito que sim, que estavam todos "previstos". Entendi responder assim: "Muito bem. Eu irei, embora seja bastante longe de Lisboa e vá fazer algum esforço para conseguir chegar a tempo. Mas permita-me que coloque uma condição: só podem confirmar o meu nome se todas as pessoas que me referiu forem. Telefonarei na véspera para me assegurar disto".

Claro que o meu nome foi anunciado. Claro que a (esmagadora) maioria dos nomes (com o tal abusivo asterisco) não foram. E, claro, eu também não.

Sem comentários: