quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Peixes

Foi preciso vir a uma conferência sobre Sustentabilidade para aprender que Portugal é o terceiro país do mundo que mais peixe consome e, a uma imensa distância de qualquer outro, o maior consumidor de peixe na Europa.

Acho até que, se quisessemos promover o  nosso peixe, ligando-o a outras amenidades, podíamos criar o moto "Em Portugal, o peixe é bom mas a carne é fraca*..."

*Já sei que há quem vá ler isto "à letra", mas é a vida!

10 comentários:

Luís Lavoura disse...

Só agora é que o Francisco descobriu que Portugal é o país da Europa onde se come mais peixe???!!!

Isso é amplamente sabido...

Já agora, saiba também que, atualmente, a enorme maioria do peixe que os portugueses comem é importado...

E também, já agora, que Portugal é, a larga distância da Itália, o país da Europa em que se come mais arroz...

Luís Lavoura disse...

Já agora; quais são os dois países do mundo em que se consome mais peixe que Portugal?

Francisco Seixas da Costa disse...

Islândia e Japão comem mais peixe do que nós

Anónimo disse...

No entanto está entre os principais caloteiros.


"O Commerzbank recomenda cautela com a evolução das obrigações soberanas de Portugal no curto e no médio prazo, assinalando que a "yield" dos títulos de dívida está a atingir um "nível alarmante".

Anónimo disse...

Esta e outras informações úteis sobre Portugal e o Mar estão muito bem resumidas no livrinho do Tiago Pitta e Cunha:
https://www.ffms.pt/publicacoes/detalhe/38/portugal-e-o-mar

Isabel Seixas disse...

Ai fraca a carne, depende do pasto, por aqui a barrosã é bem boa e as carnes brancas mesmo até as do aviário não se ficam atrás, já a de porco com os seus diversos sabores é deliciosa.Também acho o peixe muito saboroso mas tenho mesmo assim a perceção que se consome mais carne não só pela questão da saciedade mas também pelo preço.

Portugalredecouvertes disse...


Essa da "carne é fraca" daria muito que falar Sr. Embaixador!


eu não iria facilmente acreditar nessa afirmação porque o que tenho lido é que há países que pescam milhões de toneladas, então será que não comem esse peixe ?



http://www.economie.gouv.fr/files/files/directions_services/recrutement/DGDDI/recrutement-par-concours/categorie-B_Bac/controleur-DGDDI-pilote-avion/Sujet%20EP1%20Cont%20PILOTE%20AVION%202012.pdf

...En 2006, les 10 premiers pays producteurs étaient la Chine, le Pérou, les États-Unis, l’Indonésie, le Japon, le Chili, l’Inde, la Fédération de Russie, la Thaïlande et les Philippines...


http://vilapraiadeancora.blogs.sapo.pt/91205.html


...Arrastando em águas internacionais, estavam fora da jurisdição de nações e em 1970, a União Soviética possuía 400 arrastões-fábrica no alto mar. O Japão tinha 125, Espanha 75, a Alemanha (RFA) 50, França e Inglaterra 40 e dúzias mais eram operados por nações do Bloco de Leste. Todos eles arrastavam os Bancos de George da Nova Inglaterra, os stocks da África do Sul, Alaska e Mar de Bering, o krill (camarão) do Antártico e a maioria do bacalhau do Norte na Terra Nova e Labrador. Estavam literalmente a “rapar” o mar....


...Porém, num perfeito exemplo de vista curta, o Canadá iniciou a construção de uma frota de arrastões própria. A pesca estrangeira havia destruído a ecologia das pescas do Atlântico noroeste e o Governo Canadiano continuou para acabar com o pouco que restava...


http://aquaculture-aquablog.blogspot.pt/2012/08/islande-maquereau-guerre-droit-sang.html

http://apublica.org/2012/02/senhores-da-pesca/


Anónimo disse...

é, é, 17 de novembro de 2016 às 20:04

Quer-se uma estratégia de Mar e em vez de entregarem a comissão dos oceanos a gente capaz de extrair trabalho (no sentido físico) do Mar entregam a um professor de Direito que escreve livrinhos da treta acerca do passado marinheiro da pátria.

Anónimo disse...

http://www.dn.pt/portugal/interior/militares-detidos-movidos-por-odio-patologico-e-irracional-diz-ministerio-publico-5503843.html

Fernando Frazão disse...

Lembro-me de há uns anos atrás a Greanpeace querer que fosse instaurado um processo (não sei com que instrumentos) a Portugal exatamente com o argumento de que nós comíamos muito peixe. Entretanto os especialistas dizem que devíamos comer mais peixe e menos carne.
Ou será que isto é a história do rapaz, do velho e do burro?