sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Alfredo Bruto da Costa


Morreu Alfredo Bruto da Costa, um grande homem de bem, uma figura muito rara em termos de consciência social, de preocupação com os mais pobres e desfavorecidos - um imenso lutador contra as desiguadades.

Portugal perde uma personalidade cujo modo sereno e responsável de refletir sobre as grandes divisões sociais lhe grangeava uma natural consideração e um merecido prestígio. Pessoalmente, perco alguém que tinha o privilégio de ter como amigo, com quem, nas últimas décadas, fui mantendo um contacto regular, que sempre me enriqueceu.

2 comentários:

Isabel Seixas disse...

Orgulho-me sempre de si cada vez que lembra alguém, que eu infelizmente não conheço, pelas suas qualidades e virtudes, alguém com espirito de interajuda,alguém rico, independentemente de ter ou não dinheiro, alguém que se soube lapidar na amizade para conseguir fazer brotar um sentimento de perda e saudade...Também tenho amigos assim, quase só eu os conheço e gostava de os partilhar , mas eles não querem.
Os meus sentimentos pela sua perda.

Manuel Silva disse...

Sr. Embaixador:
Alfredo Bruto da Costa pertencia a uma geração de gente decente, com elevada consciência social e grande sentido de serviço público, gente que não se punha permanentemente em bicos-de-pés.
Entretanto, tem vindo a ser substituída, paulatinamente, por demasiados videirinhos, oportunistas, populistas, gente sem valor nem préstimo algum.
Mas que manipulam magistralmente as consciências das grandes massas da população, perdidas no mundo do espectáculo e da «realidade instantânea», «mundo detergente» (com demasiada espuma para tão poucos resultados: veja-se o fenómeno Trump.